Brasil 360°

da tentativa de um Estado Social ao desmantelo neoliberal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2022.38718

Palavras-chave:

Desideologização, Estado Social, Neoliberalismo, Pensamento Único, Poder

Resumo

A ambição deste ensaio então, consiste em, utilizando a recente história nacional desses quase 21 anos, e poucos presidentes, de origens e perfis tão diametrais, entender como estes processos alteraram - ou não - o curso da história, do Estado brasileiro neste milênio. Para além disso, em continuidade, depreender, nas políticas de governo adotadas em cada um dos períodos investigados, se estas, foram eivadas de alta ou baixa profundidade bem como, verificando na perenidade ou intermitência, os efeitos destas políticas públicas para a nação. Ainda, vale ressaltar nesta análise, a título de gerar uma compreensão holística do objeto de estudo, o baixo perfil de complexidade das proposições de soluções para antigos e conhecidos problemas nacionais, como taxa de crescimento, inflação e câmbio, adotadas nestes períodos. Imperioso, ainda, aduzirmos que, tendo em vista todo esse propósito, este estudo galardoa o Estado, premiando as Ciências do Estado, ao passo que traz no seu objeto de pesquisa, o Estado, a realização da Razão na História. Aqui pretende-se, numa tentativa audaz, mostrar que vivenciamos processos evolutivos, involutivos que ainda não foram findados. Demonstrar ainda que, os vértices analíticos da geometria que nos conferem um giro em 360º revelam hoje, um Brasil esfacelado, inconstante e, em vias desconstrutivas, bem como, o país pré-plano real ainda da década de 90.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel de Souza, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestrando em Direito sob orientação do Prof. Dr. José Luiz Borges Horta e Bacharel em Ciências do Estado pela UFMG, mestrando em Planejamento, Desenvolvimento e Território pela UFSJ com bolsa Capes, sob orientação do Prof. Dr. Claudio Gontijo. É especialista em Direito Público, membro da Sociedade Hegel Brasileira (SHB) e membro da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED). Currículo Lattes disponível em: http://lattes.cnpq.br/1768723348597820. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6360-4536. Contato: gabriel.de.souza.o.e.silva@hotmail.com.

Lucas Alves Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Ciências do Estado pela Universidade Federal de Minas Gerais, bacharelando em Ciências Contábeis também pela Universidade Federal de Minas Gerais, especialista em Direito Público e especialista em Direito Eleitoral, Mestrando em Planejamento, Desenvolvimento e Território pela Universidade Federal de São João Del-Rei. Desenvolve Pesquisas sobre Cidades Criativas, Economia Criativa e Desenvolvimento, Planejamento e Território, chancelado com bolsa de pesquisador CAPES. Currículo Lattes disponível em: http://lattes.cnpq.br/3906162426891948. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9154-7893. Contato: lucas.alves.cmbh@gmail.com.

Referências

ALVES, Rubem. Filosofia da ciência-Introdução ao jogo e às suas regras. Edições Loyola, 2000.

BASTOS, P. P. Z. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 4, p. 779–810, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642257. Acesso em: 18 jun. 2022.BELL, Daniel. The End of Ideology: on the Exhaustion of Political Ideas in the Fifties. Glencoe: Free Press, 1960.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga de Mello; CARNEIRO, Ricardo. O paradoxo da credibilidade. Política Econômica em Foco, 1985.

BERCOVICI, Gilberto. Constituição e Estado de Exceção Permanente; atualidade de Weimar. São Paulo: Azougue, 2004.

BOBBIO, Norberto. Direita e Esquerda: razões e significados de uma distinção política. Trad. Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: EdUNESP, 1995.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Democracia, Estado Social e Reforma Gerencial. RAE-Revista de Administração de Empresas, [S. l.], v. 50, n. 1, p. 112–116, 2010. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rae/article/view/31308. Acesso em: 18 jun. 2022.

CABALEIRO SALDANHA, Daniel. Organização do Estado Brasileiro; o modelo do federalismo oligárquico. Belo Horizonte: Letramento/Casa do Direito, 2019.

CARVALHO, Laura. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. Editora Todavia SA, 2018.

DA EMPOLI, Giuliano. Os engenheiros do caos: como as fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar eleições. Belo Horizonte: Vestígio Editora, 2019.

DEMO, Pedro. A educação do futuro e o futuro da educação. Campinas: Autores Associados, 2005.

DOMINGUES, Ivan. O grau zero do conhecimento: o problema da fundamentação das ciências humanas. Edições Loyola, 1991.

EVANS, Peter. Government Action, Social Capital and Development: reviewing the Evidence on Synergy. World Development, v. 24, n. 6, p.1119-1132, jun., 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005, 42.ª edição

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Trad. Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Editora Vozes Limitada, 2015.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Filosofia do Direito. Trad. Paulo Meneses et al. São Leopoldo/Recife/São Paulo: EdUNISINOS/UNICAP/Loyola, 2010

HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HORTA, J. L. B. . Federalismo e Democracia. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 1–18, 2021. DOI: 10.35699/2525-8036.2021.37464. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e37464. Acesso em: 18 jun. 2022.

HORTA, José Luiz Borges. História do Estado de Direito. São Paulo: Alameda, 2011a.

HORTA, José Luiz Borges. La Era de la Justicia; Derecho, Estado y límites a la emancipación humana, a partir del contexto brasileño. Astrolabio: revista internacional de filosofia, Barcelona, Universitat de Barcelona, v. 11, p. 75-85, 2011b

MAYOS, Gonçal. Macrofilosofía de la globalización y del pensamiento único: un macroanálisis para el “empoderamiento”. Saarbrücken: Editorial Académica Española, 2012.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser, GRAU, Nuria Cunill (org). O Público Não-Estatal na Reforma do Estado. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

ROCHA, A. O cenário político brasileiro e a polarização dos últimos tempos. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 10, n. 1, p. 159–173, 2020. DOI: 10.5216/teri.v10i1.65498. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/teri/article/view/65498. Acesso em: 13 abr. 2022.

SCHMITT, Carl. O Conceito do Político. Trad. Alvaro L. M. Vals. Petrópolis: Vozes, 1992.

SILVA, G. de S. O. e; MOURA, S. de S. O desenvolvimentismo no Brasil. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 1–16, 2021. DOI: 10.35699/2525-8036.2021.33232. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e33232. Acesso em: 13 abr. 2022.

SOUZA, A. I. Paulo Freire Vida e Obra. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

SOUZA, J. A Elite do Atraso: da escravidão à Lava-Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

UNGER, Roberto Mangabeira. O que a Esquerda deve propor. Trad. Antonio Risério Leite Filho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

Downloads

Publicado

21-06-2022

Como Citar

SILVA, G. de S. O. e; SILVA, L. A. Brasil 360° : da tentativa de um Estado Social ao desmantelo neoliberal. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 1–18, 2022. DOI: 10.35699/2525-8036.2022.38718. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e38718. Acesso em: 4 fev. 2023.