Trajeto davidoso do Teatro da Cura

Uma encenação-quiasma em atos de agradecer e transformar

Autores

  • Ivone Xavier de Amorim ALMEIDA Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará
  • Wladilene de Sousa Lima Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará

Palavras-chave:

Encenação-Quiasma, corpo-casa, dádiva

Resumo

O presente artigo tem como objeto investigativo um projeto experimental que se reconhece como Teatro da Cura, especificamente, o movimento criador da encenação-quiasma intitulada, Oh de casa! Posso entrar para cuidar?  produzido, dirigido e encenado pelo grupo de teatro Coletivas Xoxós de Belém do Pará. A estrutura desta encenação-quiasma compreende dois cardápios de encenação: agradecimento e transformação. A casa-teatro solicitante escolhe o cardápio que deseja receber. No corpo do texto, os atos de agradecimento e transformação são analisados como fatos sócio-antropo-mágicos sob a luz da Teoria da Dádiva proposta por Marcel Mauss; seus procedimentos poéticos in process convocam os cuidados de si e da vida sob a régia das artistas da cena. A compreensão do Teatro da Cura aqui proposta encontra amparo nas reflexões teóricas sobre teatro defendidas por Eugênio Barba, Nicola Savarese e Peter Brook.

Biografia do Autor

Ivone Xavier de Amorim ALMEIDA, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará

Doutora em História Social-PUC/SP. Professora adjunta da Universidade Federal do Pará -Ufpa, lotada no Instituto de Ciências das Artes -ICA, na Escola de Teatro e Dança -ETDUFPA, onde coordena o curso de Licenciatura em Teatro e é responsável pela disciplina Sociologia do Teatro e no Programa de Pós-Graduação em Artes -PPGARTES, respondendo pela disciplina Interfaces Epistêmicas em Artes (doutorado) e Metodologias das Artes (Mestrado).

Wladilene de Sousa Lima, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará

Artista-pesquisadora com mestrado e doutorado em Artes Cênicas pela UFBA e estágio de Pós-doutoramento no Programa Doutoral em Estudos Culturais das Universidades de Aveiro e Minho, Portugal. Na UFPA, trabalha no Programa de Pós-Graduação em Arte e na Escola de Teatro e Dança. Atua como atriz, diretora e cenógrafa na categoria teatral da cidade de Belém do Pará, especificamente, nos seguintes coletivos: Grupo Cuíra do Pará e Coletivas Xoxós. É a gestora artística do Poética Criatura – Laboratório de Teatro de Porão, novo espaço de criação e resistência artivista, localizado no centro histórico da cidade de Belém.

Referências

BARBA, Eugenio; Além das Ilhas Flutuantes. trad. Luis Otávio Burnier, São Paulo – Campinas: Editora HUCITEC,1991.

BARBA, Eugenio; SAVARESE, Nicola. A arte secreta do ator. São Paulo/Campinas : Unicamp/Hucitec, 1995.

BROOK, Peter. O Teatro e seu espaço. Lisboa: Orfeu Negro, 2007.

KARSENTI, Bruno. Marcel Mauss. Le fait social total. Paris : PUF, 1994.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Introdução. A obra de Marcel Mauss. In: Sociologia e Antropologia Volume II. São Paulo: EPU, 1974.

MARTINS, Paulo Henrique. A Sociologia de Marcel Mauss: Dádiva, Simbolismo e Associação. In: Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 73/ 2005, colocado online no dia 01 de Outubro 2012, criado a 15 de julho 2015. URL: http://rccs.revues.org/954;DOI: 10.4000/rccs.954

MAUSS, Marcel. Ensaio Sobre a Dádiva. Formas e Razão da Troca em Sociedades Arcaicas In: Sociologia e Antropologia Volume II. São Paulo: EPU, 1974.

Downloads

Publicado

2018-05-27

Como Citar

ALMEIDA, I. X. de A.; LIMA, W. de S. Trajeto davidoso do Teatro da Cura: Uma encenação-quiasma em atos de agradecer e transformar. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, p. 37–50, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15606. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática