Improvisação como possibilidade de reinvenção da dança e do dançarino

Autores

Palavras-chave:

Improvisação, Dança, Corporeidade

Resumo

A improvisação em dança legitimou-se como um potente procedimento pedagógico, de composição coreográfica e linguagem cênica. Mas até que ponto essa prática se limita à livre combinação de passos codificados, e até que ponto ela é encarada como possibilidade de reinvenção da dança e até do próprio dançarino?

Biografia do Autor

Marina Elias, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil

Atriz, diretora e coreógrafa. Professora do Departamento de Arte Corporal da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Doutora e Meste em Artes pela UNICAMP. Bacharel em Artes Cênicas pela mesma universidade. Morou em Calgary, no Canada, onde estudou improvisação com Keith Johnstone.

Referências

BOGART, Anne. LANDAU, Tina. The ViewPoints Book: A Pratical Guide to Viewpoints and composition. New York: Theatre Communications Group, 2005.

GIL, Jose. Movimento Total. O Corpo e a Dança. São Paulo: Iluminuras, 2004.

________. O Corpo do Bailarino. Conferência apresentada na Universidade de Columbia, Nova Iorque, em seminário sobre Gilles Deleuze e Felix Guattari, em abril de 1999.

NOVARINA, Valère. Carta aos Atores. Trad. Ângela Leite Lopes – Rio de Janeiro: 7letras, 2005.

OIDA, Yoshi e MARSHALL, Lorna. O Ator Invisível. Editora Beca, 2001.

Downloads

Publicado

2015-11-26

Como Citar

ELIAS, M. Improvisação como possibilidade de reinvenção da dança e do dançarino. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 173–182, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15689. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê