CORPO E RISCO

POÉTICA E PERFORMATIVIDADE

Autores

Palavras-chave:

Risco, Corpo, Performatividade

Resumo

Abordamos aqui o risco na cena contemporânea, a partir da reflexão sobre suas relações com corpo e performatividade. Partimos da análise do próprio termo nos diversos campos do conhecimento a partir de ferramentas conceituais de caráter interdisciplinar a partir de pensadores como Ulrich Beck, Zygmunt Bauman Josette Feral, David Le Breton e Deleuze. Já no campo empírico podemos observar o risco presente em obras de grupos teatrais circenses, como os brasileiros Intrépida Trupe (RJ), Nau de Ícaros (SP), La Mínima (SP), Cia. Cênico Circense ParaladosanjoS (SP), Pia Fraus (SP), Grupo Ares (SP), ou estrangeiros como De La Guarda e Fuerza Bruta! (Argentina), Compagnia Finzi Pasca (Suíça) e La Fura Dels Baus (Espanha). Também nos trabalhos de performers como Jan Fabre, Tehching Hsieh e dos brasileiros Filipe Spindola e Sara Panamby (RJ), que adotam posturas bem diversas em relação ao risco. Companhias e artistas da dança, como o já citado Grupo Cena 11 (SC) e o bailarino e coreógrafo Diogo Granato (SP), que apoia sua criação em técnicas de Contato Improvisação, circo e parkour.

Biografia do Autor

Renato Ferracini, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Brasil

Professor Doutor do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena - IA - UNICAMP. Ator e pesquisador do Lume Teatro (Campinas - SP). É autor de quatro livros e diversos artigos sobre teatro e editor chefe da revista ILINX - UNICAMP.

Carolina Hamanaka Mandell, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Brasil

Atriz, bacharel e Artes Cênicas pela UNICAMP, Mestre em Pedagogia do Teatro pela ECA-USP e Doutoranda em Artes da Cena pela UNICAMP.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Vida Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

______. Medo Líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BECK, Ulrich. Souciedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição? São Paulo: editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI. O que é Filosofia? São Paulo: editora 34, 2009.

ESPINOSA, Bento de. Ética. Lisboa : Relógio D’agua : 1992.

FÉRAL, Josette. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Revista Sala Preta, v. 9, n°1, 2009, p. 197-210.

_____. Performance et performativité. 2008.

GOUDARD, Phillippe. Estética do risco: do corpo sacrificado ao corpo abandonado. In WALLON, Emmanuel (Org.). O circo no risco da arte. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

GUZZO, Marina Souza Lobo. Risco como estética, corpo como espetáculo. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009.

LE BRETON, David. Conductas de Riesgo: de los juegos de la muerte a los juegos de vivir. Buenos Aires: Topía Editorial, 2011.

_____. Passions du risque. Paris: Métailié, 2000.

_____.Sociologie du risque. Paris: Praisses Universitaires de France, 2012.

MATURANA, Humbeto; VARELA, Francisco. De máquinas e seres-vivos – Autopoiése – A organização do vivo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

PELBART, Peter Pál. Vida Capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2011.

VEIGA, Guilherme. Ritual, risco e arte circense: o homem em situações-limite. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

WALLON, Emmanuel (Org.). O circo no risco da arte. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

Downloads

Publicado

2016-11-01

Como Citar

FERRACINI, R.; MANDELL, C. H. . CORPO E RISCO: POÉTICA E PERFORMATIVIDADE. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 229–241, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15749. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta