O corpo a corpo com um sistema não se trata de abandoná-lo

Palavras-chave: Arte contemporânea, Crítica cultural, Arquivo, Engajamento

Resumo

Este ensaio é um exercício de conversação e foi guiado por duas ideias: de um lado, a convicção de que  estamos envolvidas por uma atmosfera marcada por diálogos impossíveis e que, diante da impossibilidade de falar sobre assuntos discordantes, de escutar os outros, de perceber para além de nós mesmas/os, estamos correndo em círculos, na tentativa de solucionar falsos problemas; de outro lado, o desejo de conversar mais sobre dúvidas que permeiam nossas pesquisas e práticas no campo da arte. Nesse diálogo, discutiremos as possíveis relações que podem ser estabelecidas entre a “arte engajada” e a “arte arquivista”, acreditando que, assim, podemos formalizar publicamente um exercício de colaboração entre nós, que já existe há algum tempo e agora tem ganhado novos contornos. 

Biografia do Autor

Ana Pato, Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Ana Pato (São Paulo, 1972) é doutoranda da FAU-USP, bolsista da FAPESP e pesquisadora-associada do Museu de Arte Moderna da Bahia. Foi curadora-chefe da 3º Bienal da Bahia (2014) e diretora de projetos da Associação Cultural Videobrasil (2000-2012). É autora do livro Literatura Expandida: arquivo e citação na obra de Dominique Gonzalez-Foerster (2012).

Joana Zatz Mussi, Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Artista. Pesquisadora. Educadora. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Uma Biopolítica Menor. São Paulo: n-1 2016.

ARGAN, Giulio. Arte Moderna. Tradução: Denise Bottmann; Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BUCK-MORSS, Susan. Hegel e o Haiti. Tradução: Sebastião Nascimento. São Paulo: N-1 edições, 2017. [Publicado originalmente em 2000].

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas – Notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith; ATHANASIOU, Athena. Dispossession: The Performative in the Political. Cambridge/Malden: Polity Press, 2013. p. 13.

DE CERTEAU, Michel. A escrita da história. Tradução: Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2013. [1ª ed. 1975.]

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Tradução: Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001. [Publicado originalmente em 1995].

DÉOTTE, Jean-Louis. Oubliez! Les Ruines, L’Europe, Le Musée. Paris: Éditions L’Harmattan, 1994.

COMITÊ INVISÍVEL. Aos nossos Amigos – Crise e Insurreição. São Paulo: N-1, 2016.

COLECTIVO SITUACIONES. Politizar a tristeza. Global, Rio de Janeiro, n. 8, p. 22-23, mar./abr./maio, 2007. Disponível em: <http://www.sindominio.net/eldinerogratis/TEXTOS/Politizar %20la%20tristeza.htm>. Acesso em: 15 maio 2016.

DELEUZE, Gilles. Controle e Devir. Conversações. São Paulo, Ed. 34, 2010.

FAULKNER, Simon. Images and Demonstrations in the Occupied West Bank. JOMEC Journal: Journalism, Media, and Cultural Studies, n. 4, nov. 2013.

FORENSIC ARCHITECTURE. Forensis – The Architecture of Public True. Berlim: Sternberg Press and Forensic Architecture, 2014.

HOLMES, Brian. Escape the Overcode – Activist art in the control society. Eindhoven, Zagreb, Istanbul: Van Abbemuseum/WHW, 2009.

KRØIJER, Stine. Figurações do Futuro. Da forma e temporalidade dos protestos entre ativistas da Esquerda Radical na Europa. Alegrar, Dossiê Na rua | Em movimento, Curitiba, n. 12, dez. 2013.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1, 2018.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo: n-1, 2018.

MBEMBE, Achille. The Power of the Archive and its Limits. In: HAMILTON, Carolyn; HARRIS, Verne; TAYLOR, Jane; PICKOVER, Michele; SALEH, Razia; REID, Graeme. (ed.) Refiguring the Archive. Cape Town, South Africa: David Philip Publishers, 2002.

Mussi, Joana Zatz. Arte em Fuga. 2017. Tese (Doutorado em Projeto, Espaço e Cultura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. doi:10.11606/T.16.2018.tde-11012018-122950.

PATO, Ana Mattos Porto. Arte contemporânea e arquivo: como tornar público o arquivo público?. 2017. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. doi:10.11606/T.16.2018.tde-13062017-115843.

PETTI, Alessandro; HILAL, Sandi; WEIZMAN, Eyal. Architecture After Revolution. Berlim: Sternberg Press, 2013.

SANTOS, Boaventura Sousa. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 1988.

SANTOS, Boaventura Sousa. Do pós-moderno ao pós-colonial. E para além de um e outro. CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIENCIAS SOCIAIS, 7., realizado em Coimbra, de 16 a 18 de setembro de 2004. Conferência de Abertura. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/misc/Do_pos-moderno_ao_pos-colonial.pdf. Acesso em: 2 jan. 2017.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Sobre o anarquivamento – um encadeamento a partir de Walter Benjamin. Revista Poiésis, n. 24, p. 35-58, dez. 2014.

SPIEKER, Sven. The Big Archive: art from bureaucracy. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2008.

WEIZMAN, Eyal. Aesthetic of Evidence. Genebra, 2010. Seminário disponível no site Forensic Architecture, Disponível em: http://www.forensic-architecture.org/seminar/aesthetics-of-evidence/.

WRIGHT, Stephen. Toward a Lexicon of Usership. Texto presente no site do Van Abbemuseum, de Eindhoven, Holanda. Disponível em: http://museumarteutil.net/tools/. Acesso em: 20 jan. 2015. [Tradução nossa].

Publicado
2019-11-22
Como Citar
PATO, A.; MUSSI, J. Z. O corpo a corpo com um sistema não se trata de abandoná-lo. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 29-57, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção temática