Prática artística em comunidade indígena Kaingang: Por uma metodologia colaborativa

  • Kalinka Lorenci Mallmann UFSM
  • Andreia Machado Oliveira UFSM
  • Marcelo Eugenio Soares Pereira
Palavras-chave: Artes Visuais, Fundamentos e Crítica das Artes, Poéticas Tecnológicas

Resumo

A experiência proporcionada pelo projeto artístico DNA afetivo kamê e kanhru torna-se referência para estarmos pensando em modos de fazer colaborativos em arte. Sendo assim, esse artigo pretende abordar como as práticas artísticas colaborativas em comunidade se constituem, atentando para seus elementos principais e suas especificidades. Desse modo, problematiza-se as noções de uma proposição em arte colaborativa, buscando responder alguns aspectos relevantes como: Qual é o lugar do artista e sua atuação? Como conceber o tempo dessas práticas socialmente engajadas, ao desafiar o tempo limitado da arte como espetáculo? Quem é o público dessas práticas em comunidade? Como falar de uma autoria colaborativa e de que forma se apreende essas práticas em fluxo, abertas e descentralizadas, a partir do sistema artístico?

Publicado
2019-11-22
Como Citar
LORENCI MALLMANN, K.; MACHADO OLIVEIRA, A.; EUGENIO SOARES PEREIRA, M. Prática artística em comunidade indígena Kaingang: Por uma metodologia colaborativa. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 129-147, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção temática