Prática artística em comunidade indígena Kaingang: Por uma metodologia colaborativa

  • Kalinka Lorenci Mallmann UFSM
  • Andreia Machado Oliveira UFSM
  • Marcelo Eugenio Soares Pereira
Palavras-chave: Arte Contemporânea, Arte Colaborativa, Comunidade

Resumo

O projeto artístico DNA afetivo kame e kanhru, prática artística colaborativa em uma comunidade indígena kaingang, é a referência para pensarmos em modos de fazer colaborativos em arte. Assim, o objetivo desse artigo é investigar como essas práticas se constituem. Para isso, baseia-se em discursos de artistas e críticos de arte contemporâneos engajados em práticas artísticas de cunho político e social, tais como Helguera (2011) Kester (2011) e Lacy (1995). Desse modo, busca-se responder as questões: qual é o lugar do artista e sua atuação? Como conceber o tempo dessas práticas e quem é o seu público? Como falar de uma autoria colaborativa e de que forma se apreendem essas práticas a partir do sistema de arte? Como resultado de tais indagações, apresentam-se possibilidades metodológicas no campo da arte colaborativa.

Publicado
2019-11-22
Como Citar
LORENCI MALLMANN, K.; MACHADO OLIVEIRA, A.; EUGENIO SOARES PEREIRA, M. Prática artística em comunidade indígena Kaingang: Por uma metodologia colaborativa. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 129-147, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção temática