Embates da descolonialidade e as pautas (não tão) ocultas dos museus

“A Cor do Brasil” no Museu de Arte do Rio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.19685

Palavras-chave:

Arte, Museus, Descolonialidade, “A Cor do Brasil”, Museu de Arte do Rio

Resumo

Em um cenário em que a arte se tornou política, uma questão fundamental se impõe: entender o lugar dessa arte política. Para muitos, os espaços apropriados para a instauração da arte, de qualquer arte, continuam sendo as instituições de arte, em especial o museu e suas exposições, apesar das contradições sociais que norteiam suas políticas e ações. Neste estudo, com base nas incisões descoloniais de Walter Mignolo, Anibal Quijano, Eduardo Viveiros de Castro e Pedro Pablo Gómez, buscamos investigar as complexidades envolvidas na construção e na recepção da mostra “A Cor do Brasil”, realizada no Museu de Arte do Rio entre 2016 e 2017, tendo como pano de fundo os processos da descolonialidade.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.
BISHOP, Claire. Radical Museology, or, What’s “Contemporary”. In: BISHOP, Claire. Museums of Contemporary Art? Londres: Koenig Books, 2013.
GÓMEZ, Pedro Pablo. O paradoxo do fim do colonialismo e a permanência da colonialidade. Vazantes, v. 1, n. 2, p. 28-41, 2017.
GROYS, Boris. The Topology of Contemporary Art. In SMITH, Terry; ENWEZOR, Okwui; CONDEE, Nancy (Ed.). Antinomies of Art and Culture: Modernity, Postmodernity, Contemporaneity. Durham; Londres: Duke University Press, 2008, p. 71-80.
HERKENHOFF, Paulo; CAMPOS, Marcelo. A Cor do Brasil. Texto de apresentação da mostra. Folder. Rio de Janeiro: Museu de Arte do Rio, 2016.
LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: Ensaio de Antropologia Simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.
MAR - Museu de Arte do Rio. A Cor do Brasil. Textos diversos da mostra. Arquivos do MAR. Disponível em https://museudeartedorio.org.br/sites/files/ textos_a_cor_do_brasil_final. Acesso em agosto de 2019.
MENEZES NETO, Hélio Santos. Entre o visível e o oculto: a construção do conceito de arte afro-brasileira. Dissertação (Mestrado, orientadora: Lilia Katri Moritz Schwarcz), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Antropologia, da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2018.
MIGNOLO, Walter. Museus no horizonte colonial da modernidade: Garimpando o museu (1992) de Fred Wilson. Trad. Simone Neiva Loures Gonçalves e Gisele Barbosa Ribeiro. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 7, n. 13, p. 309-324, jan./jun. 2018.
MIGNOLO, Walter. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-18, jun. 2017.
QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: QUIJANO, Anibal. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. (seleção dos textos por Danilo Assis Clímaco) Buenos Aires: Clacso, 2014, p. 285-327. (Publicado originalmente em Festschrift for Immanuel Wallerstein, Journal of World-Systems Research, vol. VI, n. 2, Colorado, Institute of Research on World-Systems, verão/outono 2000, edição especial, editada por Giovanni Arrighi e Walter Goldfrank, parte I).
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

Downloads

Publicado

2020-11-29

Como Citar

OLIVEIRA, L. S. de. Embates da descolonialidade e as pautas (não tão) ocultas dos museus: “A Cor do Brasil” no Museu de Arte do Rio. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 10, n. 20, p. 216–231, 2020. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.19685. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/19685. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta