A docilização da arte pública

pós-graffiti e gentrificação na Zona Portuária do Rio de Janeiro

Autores

  • Luiz Sérgio de Oliveira Universidade Federal Fluminense, Instituto de Arte e Comunicação Social, Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes https://orcid.org/0000-0002-8616-5089

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-2046.2023.45483

Palavras-chave:

Muralismo, Graffiti, Pós-Graffiti, Gentrificação, Zona Portuária

Resumo

Este artigo procura articular pintura mural, graffiti e pós-graffiti como manifestações da arte pública que, diante de cenários políticos diferenciados, têm apresentado objetivos e respostas sociais notadamente díspares. Recorrendo a uma extensa literatura nos campos da arte pública crítica, do muralismo, da cultura hip-hop e dos estudos urbanos da gentrificação, o artigo visa refletir sobre os processos de revitalização da Zona Portuária da cidade do Rio de Janeiro. Neste sentido, ao reconhecer o uso sistemático dos recursos da arte pública, em especial em projetos com artistas do pós-graffiti, o artigo sublinha o interesse do poder público na parceria com a arte nos processos de revitalização e de gentrificação das áreas degradadas do porto do Rio de Janeiro.

Biografia do Autor

Luiz Sérgio de Oliveira, Universidade Federal Fluminense, Instituto de Arte e Comunicação Social, Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes

Artista e professor titular do Departamento de Arte da UFF. Doutor em Artes Visuais pelo PPGAV- UFRJ, com estágio na Universidade de San Diego, Estados Unidos. Mestre em Arte pela Universidade de Nova York, Estados Unidos, e graduado em Artes Visuais (pintura) pela EBA-UFRJ. É professor do PPG em Estudos Contemporâneos das Artes (UFF), do qual foi o Coordenador no período de 2008 a 2013. Foi o Editor-Chefe da Revista Poiésis (UFF) entre 2011 e 2014, e entre 2017 e 2022. É membro do Grupo de Estudos sobre Arte Pública no Brasil e do Grupo de Estudos sobre Arte Pública na América Latina. É bolsista (PQ-2) do Programa de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

ALVES, Raoni; LIMA, Marcos Serra. Zona Portuária do Rio terá galeria de arte a céu aberto com 11mil m². G1-Rio, 27 nov. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2021/11/27/zona-portuaria-do-rio-tera-galeria-de-arte-a-ceu-aberto-com-11-mil-m.ghtml. Acesso em: 11 fev. 2023.

AMORIM, Diego. As cores do grafite aportam nos armazéns do cais. O Globo, Rio de Janeiro, p. 20, 6 set. 2020.

ARTEVERSA. Mônica Nador: Arte, comunidade, transformação. Disponível em: https://www.ufrgs.br/arteversa/monica-nador-arte-comunidade-transformacao/. Acesso em: 18 mar. 2023.

BANES, Sally. Breaking. In: NEAL, Mark Anthony; FORMAN, Murray (ed.). That's the Joint! The Hip-Hop Studies Reader. Nova York: Routledge, 2004. p. 13-20.

BISHOP, Claire. The Social Turn: Collaborations and its Discontents. Artforum, v. 44, n. 6, p. 178-183, fev. 2006.

BORHES, Kristina. Another Attempt to Explore the Transient Nature of Post-Graffiti Through the History of a Term. SAUC Journal: Street Art & Urban Creativity, v. 4, n. 1, p. 102-209, 2018. Disponível em: http://sauc.website/public/journals/1/SAUC_ V4N1/102%20-%20109_e.pdf. Acesso em: 15 fev. 2023.

CAMPBELL, Brígida. Arte para uma cidade sensível: arte como gatilho sensível para novos imaginários. 2018. 314 f. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27159/tde-12072018-145203/publico/BRIGIDAMOURACAMPBELLPAES.pdf. Acesso em: 27 fev. 2023.

CASTLEMAN, Craig. Getting Up: Subway Graffiti in New York. Cambridge/Londres: The MIT Press, 1982.

COCKCROFT, Eva; WEBER, John Pitman; COCKCROFT, James. Toward a People’s Art – The Contemporary Mural Movement. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1998 [1977].

COOPER, Martha; CHALFANT, Henry. Subway Art. Londres: Thames & Hudson, 1999 [1988].

DAICHENDT, G. James. From Graffiti to Gallery – The Street Art Phenomenon. In: ROSS, Ian Ross (ed.). Routledge Handbook of Street Culture. Londres; Nova York: Routledge, 2021. p. 90-103.

EMMERLING, Leonhard. Pollock. Colônia: Taschen, 2003.

FINKELPEARL, Tom. Introduction: The City as Site. In: FINKELPEARL, Tom (ed.). Dialogues in Public Art. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 2001. p. 2-51.

FOLGARAIT, Leonard. So Far from Heaven: David Alfaro Siqueiros’ “The March of Humanity” and Mexican Revolutionary Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

FORMAN, Murray. The ’Hood Comes First: Race, Space, and Place in Rap and Hip-Hop. Middletown, Connecticut: Wesleyan University Press, 2002.

FORMAN, Murray. Hip-Hop Ya Don’t Stop: Hip-Hop History and Historiography. In: FORMAN, Murray; NEAL, Mark Anthony. That’s the Joint! The Hip-Hop Studies Reader. Nova York/Londres: Routledge, 2004. p. 9-12.

FUENTES, Carlos. A fronteira de cristal. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

FUREGATTI, Sylvia. A questão do tempo na produção da arte pública contemporânea: o antes e o depois de Mônica Nador. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE ARTE PÚBLICO EM LATINOAMERICA – GEAP-LA, 3., 2013, Santiago. Transitos, Apropriaciones y marginalidades del arte público em América Latina. Santiago: Faculdad de Artes Liberales de la Universidad Adolfo Ibanés, 2013. p. 243-256. Disponível em: https://www.academia.edu/8068599/Drien_Marcela_Teresa_Espantoso _R._y_Carolina_Vanegas_C._eds._III_Seminario_Internacional_sobre_Arte_Publico_en_Latinoamerica_Transitos_apropiaciones_y_marginalidades_d. Acesso em: 8 mar. 2023.

GANZ, Nicholas. Graffiti World: Street Art from Five Continents. Nova York: Harry N. Abrams, 2004.

GRAÇA, Luiza Abrantes da. Margens silenciadas: arte colaborativa e a busca por protagonismo. 2016. 283 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/150812. Acesso em: 15 mar. 2023.

HAGER, Steven. Hip Hop: The Illustrated History of Break Dancing, Rap Music, and Graffiti. Nova York: St. Martin’s Press, 1984.

HEARTNEY, Eleanor. The Dematerialization of Public Art. In: HEARTNEY, Eleanor. Critical Condition: American Culture at the Crossroads. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press, 1997. p. 206-218.

HEINICH, Nathalie. As reconfigurações do estatuto de artista na época moderna e contemporânea. Revista Porto Arte, Porto Alegre, v. 13, n. 22, p. 137-147, maio 2005. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/PortoArte/article/view/27910/16517. Acesso em: 21 fev. 2023.

HEINICH, Nathalie. The Glory of van Gogh: An Anthropoly of Admiration. Nova Jersey: Princeton University Press, 1996.

JUDY BACA. Site da artista. Disponível em: http://www.judybaca.com/about/. Acesso em: 20 mar. 2023.

KESTER, Grant H. Conversation Pieces: Community + Communication in Modern Art. Berkeley, Cal.: University of California, 2004.

KESTER, Grant. Beyond the White Cube: Activist Art and the Legacy of the 1960s. Public Art Review, v. 14, n. 2, p. 4-11, primavera/verão 2003. Disponível em: https://umedia.lib.umn.edu/item/p16022coll128:1795/p16022coll128:1747?child_index=4&page=2&q. Acesso em: 21 fev. 2023.

KRAMER, Ronald. The Rise of Legal Graffiti Writing in New York and Beyond. Nova York: Palgrave Macmillan, 2017.

KRAMER, Ronald. Painting with Permission: Legal Graffiti in New York City. Ethnography, v. 11, n. 2, p. 235-253, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1177/ 1466138109339122. Acesso em: 21 mar. 2023.

KWON, Miwon. One Place After Another: Site-Specific Art and Locational Identity. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 2002.

LACY, Suzanne (ed.). Mapping the Terrain: New Genre Public Art. Seattle, Wash.: Bay Press, 1996.

LAMARÃO, Sérgio Tadeu de Niemeyer. Dos trapiches ao porto: um estudo sobre a área portuária do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes; Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1991.

LANCHNER, Carolyn. Jackson Pollock. Nova York: Museum of Modern Art, 2009.

LENNON, John. Conflict Graffiti: From Revolution to Gentrification. Chicago: The University of Chicago Press, 2021.

LEWISOHN, Cedar. Street Art: The Graffiti Revolution. Londres: Tate Publishing, 2008.

LIPPARD, Lucy R. Foreword to the 1998 Edition. In: COCKCROFT, Eva; WEBER, John Pitman; COCKCROFT, James. Toward a People’s Art: The Contemporary Mural Movement. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1998 [1977]. p. xi-xv.

MOURÃO, Giovanni. Arte, cultura e lazer a céu aberto na Zona Portuária. O Globo, Rio de Janeiro, p. 33, 12 dez. 2021.

NY TIMES. “Taki183” Spawns Pen Pals. New York Times, 21 jul. 1971. Disponível em: https://www.nytimes.com/1971/07/21/archives/taki-183-spawns-pen-pals.html?searchResultPosition=1. Acesso em: 3 mar. 2023.

OLIVEIRA, Luiz Sérgio de. O museu, o porto, a cidade: arte e gentrificação na zona portuária do Rio de Janeiro. Niterói/Rio de Janeiro: Circuito; PPGCA-UFF, 2022.

OLIVER, Clare. Jackson Pollock. Danbury, Connecticut: Franklin Watts, 2003.

PINCUS, Robert L. The Invisible Town Square: Artists’ Collaborations and Media Dramas in America’s Biggest Border Town. In: FELSHIN, Nina. Is It Art? The Spirit of Art as Activism. Seattle, Washington: Bay Press, 1995. p. 31-49.

PINHEIRO, Augusto Ivan de Freitas; RABHA, Nina Maria de Carvalho Elias. Porto do Rio de Janeiro: construindo a modernidade. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio, 2004.

POLCARI, Stephen. Jackson Pollock’s Maguey Shorthand. Source: Notes in the History of Art (The University of Chicago), v. 32, n. 3, p. 30-36, primavera 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1086/sou.32.3.23392423. Acesso em: 25 fev. 2023.

PRICE, Emmett George, III. Hip Hop Culture. Santa Barbara, Califórnia: ABC-CLIO, 2006.

REVI, Rohit. Post-Graffiti in Lisbon: On Spatial Localization and Market Absorption. Cidades: Comunidades e Territórios, n. 35, 2017. Disponível em: https://journals.openedition.org/cidades/556. Acesso em: 21 mar. 2023.

RIBAS, Luciano do Monte. Jardim Miriam Arte Clube: lugar de encontro entre arte e direitos humanos. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/5198/RIBAS%2c%20LUCIANO%20DO%20MONTE.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 28 fev. 2023.

RODRIGUEZ, Kaelyn Danielle. Authorship and Memory in Judy Baca’s Murals. Riverside: University of California Press, 2014.

SANDOVAL, Chela; LATORRE, Guisela. Chicana/o Artivism: Judy Baca’s Digital Work with Youth of Color. MacArthur Foundation Series. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2008. p. 81-108. Disponível em: https://doi.org/10.1162 /dmal.9780262550673.081. Acesso em: 25 fev. 2023

SANTOS, Núbia Melhem; LENZI, Maria Isabel (org.). O porto e a cidade: o Rio de Janeiro entre 1565 e 1910. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.

SCHACTER, Rafael. The World Atlas of Street Art and Graffiti. Sidney: NewSouth Publishing, 2013.

SCHJELDAHL, Peter. Wall Power. The New Yorker, v. 96, n. 2, p. 68, 2 mar. 2020. Disponível em: https://go.gale.com/ps/i.do?p=AONE&u=capes&id=GALE| A616062053&v=2.1&it=r&sid=bookmark-AONE&asid=14f3f159. Acesso em: 25 fev. 2023.

SENIE, Harriet F. Responsible Criticism: Evaluating Public Art. Sculpture, v. 22, n. 10, p. 44-49, dez. 2003. Disponível em: https://sculpturemagazine.art/responsible-criticism -evaluating-public-art/. Acesso em: 25 fev. 2023.

SOARES, Maria Alzira. A arte pública de Mônica Nador. 2015. 45 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação) – Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: http://celacc.eca.usp.br/sites/default/files/media/tcc/a_arte-publica_de_monica_nador_arquivo_1.pdf. Acesso em: 27 fev. 2023.

SPEERSTRA/BLOG. Exhibition Writing the Future, Basquiat and the Hip-Hop Generation – Boston – USA. Disponível em: https://www.speerstra.net/en/blog/posts/exhibition-writing-the-future-basquiat-and-the-hip-hop-generation-boston-usa. Acesso em: 20 mar. 2023.

SPERLING, David. Artevida útil – Entrevista com Mônica Nador. Risco: Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, USP-São Carlos, v. 4, n. 2, p. 93-98, 2006. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/risco/article/view/44677 Acesso em: 3 mar. 2023.

STIMSON, Blake; SHOLETTE, Gregory. Introduction: Periodizing Collectivism. In: STIMSON, Blake; SHOLETTE, Gregory (ed.). Collectivism After Modernism: The Art of Social Imagination after 1945. Mineápolis: University of Minnesota Press, 2007. p. 1-15.

TOYNTON, Evelyn. Jackson Pollock. New Haven: Yale University Press, 2012.

VELIMIROVIĆ, Andreja (Andrey V.). How The Great Wall of Los Angeles Became a Cultural Landmark. Widewalls, 21 set. 2017. Disponível em: https://www.widewalls.ch/magazine/the-great-wall-of-los-angeles. Acesso em: 3 mar. 2023.

WERNECK, Sylvia. É possível uma crítica socialmente ativa? Revista USP, São Paulo, n. 119, p. 132-148, out./nov./dez. 2018. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ revusp/article/view/151583. Acesso em: 3 mar. 2023.

Downloads

Publicado

2023-08-01

Como Citar

OLIVEIRA, L. S. de. A docilização da arte pública: pós-graffiti e gentrificação na Zona Portuária do Rio de Janeiro. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 13, n. 28, p. 137–159, 2023. DOI: 10.35699/2238-2046.2023.45483. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/45483. Acesso em: 3 mar. 2024.