Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-01. Leia a versão mais recente.

Experimentos com o Cordel no jogo teatral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.19897

Palavras-chave:

Jogos Teatrais, Literatura de Cordel, Procedimentos criativos, Pedagogia das artes cênicas

Resumo

Pretende-se analisar estratégias e abordagens de cruzamento entre o jogo teatral na sala de aula e a literatura de cordel, visando o aprimoramento dos estudantes em cena e uma aproximação com o cordel e suas características. Os procedimentos têm em vista uma experiência multidisciplinar na qual alunos participantes possam vivenciar aspectos fundamentais dos jogos teatrais e da literatura de cordel tradicional. A experimentação conjunta parte de aspectos fundamentais da escrita de cordel: a métrica e a rima, que se transformam em regras de jogo nas proposições metodológicas. Da mesma maneira, os aspectos fundamentais para os jogos spolinianos – o “quem”, o “onde” e o “o quê” – podem servir de princípio para a produção de folhetos, incentivando a produção de dramaturgias em cordel.

Biografia do Autor

Lara Barbosa Couto, Universidade Federal de Alagoas - Brasil

Atriz, pesquisadora e professora. Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da UFBA. Mestra pelo Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da UFBA. Professora na Universidade Federal de Alagoas. Formada em Interpretação Teatral (bacharelado) pela Escola de Teatro da UFBA. Como atriz, participou de diversos espetáculos, dentre os quais: Atire a Primeira Pedra (quatro vezes indicado ao Prêmio Braskem de Teatro 2008), A pedra do meio dia (espetáculo infanto-juvenil do grupo Criaturas Cênicas, vencedor do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, para montagem de repertório), Festival de Dramaturgia Quatro Cravos para EXU, As quatro meninas (direção de Rita Rocha) e Dorotéia (espetáculo contemplado como Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, com o edital do Programa BNB de Cultura para circulação de espetáculos e do Prêmio Especial por Inovação e Criatividade do Oitavo Festival Internacional de Teatro Estudantil, realizado pela Universidade Nacional de Belaurus). Como diretora, participou dos espetáculos Medéia, manual da esposa má (Grupo VS Melindres) e Otelo (Avessos Núcleo) Como docente, lecionou na Escola de Teatro da UFBA como professora substituta e atualmente integra o corpo docente do curso de Artes Cênicas da Universidade Vila Velha. É integrante do Colectivo Âmbar: Rede latinoamericana de artistas cênicos. . Vencedora do Prêmio PUBLIC na categoria Artes, em 2011. 

Referências

ABREU, Márcia. Então se forma a história bonita – relações entre folhetos de cordel e literatura erudita. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v.10, n.22. 2004, p. 199-218

BARBOSA, Katiusca Lamara dos Santos. SANTOS, Eurides de Souza. “Canta quem sabe cantar”: processos performativos na arte da embolada. Música em perspectiva. Santa Catarina: v. 7, n. 2, dezembro de 2014, p. 62-83.

BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, T. M. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998, p.19-32.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Cordel: leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2001.

GONÇALVES, Marco Antonio. Cordel híbrido, contemporâneo e cosmopolita. Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares, Rio de Janeiro, vol.4. n. 1, 2007, p. 21-38

HAURÉLIO, Marco. Breve História da Literatura de cordel. São Paulo: Editora Rodapé, 2010, p. 97.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2001.

LUCIANO, Aderaldo. Apontamentos para uma história crítica do cordel brasileiro. São Paulo: Luzeiro, 2010, p. 40.

MAGALHÃES, ELTON. Entrevista com J. Borges. O Cordel na Web. Salvador: abr. 2015. Disponível em: <https://ocordelnaweb.wordpress.com/2015/04/21/entrevista-com-j-borges/> Acesso em: 30 de abr. 2020.

MAGALHÃES, Elton (org.). Sala de versos e rimas. Salvador: Vento Leste, 2019.

MELO NETO, João Cabral de. A Escola das Facas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.

LUCIANO, Aderaldo. Apontamentos para uma história crítica do cordel brasileiro. São Paulo: Luzeiro, 2010.

OSTROWER, Faya. Criatividade e Processos de criação. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1977.

SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula: um manual para o professor. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. 4.ed. São Paulo, SP: Perspectiva, 2005.

VILELA, Aloísio. O coco de Alagoas. Maceió: Museu Théo Brandão/UFAL, 1980.

Downloads

Publicado

2020-11-29 — Atualizado em 2020-12-01

Versões

Como Citar

COUTO, L. B.; MAGALHÃES, E. L. O. Experimentos com o Cordel no jogo teatral. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 10, n. 20, p. 162–180, 2020. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.19897. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/19897. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática