O desenho precursor de uma performance negra no entreato do Teatro de Revistas branco (1920-1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.29697

Palavras-chave:

Performance, Historicidade, Afro-brasileiras, Artes

Resumo

O presente artigo versa sobre a construção da imagem da mulher afro-brasileira no Teatro de Revista, nas décadas de 1920 a 1930. A abordagem focaliza na impactante presença da mulher negra no palco, a partir de um breve estudo sobre a vida das primeiras estrelas negras do teatro revisteiro: Aracy Cortes, Ascendina dos Santos, Rosa Negra até finalizar com Déo Maia. A partir desta analise procura-se perceber o desenho de um imaginário negro que fortuitamente toma de assalto o palco, até então ornado como local de deleite da classe alta branca e de outras que queriam embranquecer-se.

Biografia do Autor

Lea Maria S. Leal, Universidade Federal do Estado do Rio de janeiro (UNIRIO)

Léa Schmitt é doutoranda em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de janeiro (UNIRIO), mestre em Artes Cênicas pela UNIRIO, bacharel e licenciada em Educação Artística pela Universidade Estácio de Sá. Realizou especialização em moda, figurino e design na instituição de ensino Accademia de Costume e di Moda em Roma, Itália. Tem experiencia na área de tendência, pesquisa de novas tecnologias e prospecção com enfase em indumentária e moda. É pesquisadora do Núcleo de Estudos das Performances Afro-ameríndia (NEPAA) ligado a UNIRIO com destaque na compreensão da indumentária afro-brasileira como performance social e cultural.

Referências

ABREU, Martha. Sobre mulatas orgulhosas e crioulas atrevidos: conflitos raciais, gênero e nação nas canções populares (Sudeste do Brasil, 1890-1920). Tempo, Departamento de História da Universidade Federal Fluminense, v. 8, n. 16, p. 1-31, 2004.

ALMEIDA, Paulo Roberto de. A presença negra no teatro de revista nos anos 20. 2016. 216 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

BIBLIOTECA Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira. Disponível em: <http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/>. Acesso em: 3 fev. 2021.

BRITO, Deise Santos de. Um ator de fronteira: Uma análise da trajetória de grande Otelo no teatro de revista brasileiro entre as décadas de 20 e 40. 2011. 163 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

CABRAL, Sergio. Grande Otelo, uma biografia. São Paulo: Editora 34, 2008.

CHIARADIA, Filomena. Iconografia teatral. Acervos fotográficos de Walter Pinto e Eugênio Salvador. Rio de Janeiro: Funarte, 2011.

LIGIÉRO, Zeca. Carmem Miranda uma performance afro-brasileira. Rio de Janeiro: Publit, 2006.

LIGIÉRO, Zeca. Corpo a Corpo: estudo das performances brasileiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

LOPES, Antônio Herculano. Algumas notas sobre o mulato, a mulata e a invenção de um país sem culpa. Rio de Janeiro: Casa Rui Barbosa, 2001.

LOPES, Antônio Herculano. Vem cá, Mulata! Tempo, Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), v. 21, p. 80-100, 2008.

MARTINS, Leda Maria. A cena em sombras. São Paulo: Perspectiva, 1995.

MENCARELLI, Fernando Antônio. Cena aberta: a absolvição de um bilontra e o teatro de revista de Arthur Azevedo. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

PAIVA, Salvyano de. Viva o Rebolado! Vida e morte do teatro de revista brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

RUIZ, Roberto. Araci Cortes: Linda Flor. Rio de Janeiro: Funarte, Divisão da Música Popular, 1984.

SAROLDI, Luiz Carlos; MOREIRA, Sonia Virginia. Rádio Nacional o Brasil em sintonia. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

VENEZIANO, Neyde. O teatro de revistas no Brasil: dramaturgia e convenções. Campinas: Pontes. Unicamp, 1991.

VIANNA, Hermano. O mistério do Samba. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

LEAL, L. M. S. O desenho precursor de uma performance negra no entreato do Teatro de Revistas branco (1920-1930). PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 311–331, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.29697. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/29697. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta