A aventura de um educador-artista no ensino de artes cênicas com crianças nos anos iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.32869

Palavras-chave:

prática de ensino em artes cênicas, teatro-educação, teatro na escola pública, jogos de improvisação, autonomia em crianças

Resumo

O presente trabalho reflete experiências da prática teatral com crianças de 7 e 8 anos das séries iniciais em uma escola do município de Cubatão/SP. Nos processos de ensino desenvolvidos buscou-se compreender como as narrativas das crianças, criadas por meio do jogo de improvisação possibilitam o aprendizado prático das artes cênicas e também oportunizam um espaço de fala das crianças sobre seus cotidianos. A investigação etnográfica possibilitou a descrição dos encontros das crianças com a arte, e ao mesmo tempo, os saberes e fazeres artísticos-pedagógicos do educador-artista. A estrutura de jogos de improvisação utilizadas nessas práticas oportunizou aos educandos e ao educador lerem seus mundos e também, em menor medida e mais modesta envergadura, recriar e criar novos mundos.

Biografia do Autor

Theda Cabrera, Instituto de Artes da UNESP- Universidade Estadual Paulista

Theda Cabrera é Pós- doutora (2016-2018/ USP) e Doutora em Educação (2011-2015/ USP), Mestre em Artes (2002-2004- Unicamp) e Bacharel em Artes Cênicas (1997-2000- Unicamp) e Licenciada em Artes Visuais (2020).

Desde 2000 atua como professora de teatro e artista educadora em programas de educação formal e não-formal junto a crianças, adolescentes e jovens. Atualmente atuo como professora em regime parcial na Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP.

Desde 2005 atua na formação de professores e como docente universitária em cursos de Arte, Educação e Cultura, com experiência em cursos universitários de Licenciatura em Arte/Educação- Teatro. Orientou TCCs e Mestrado , atuando diretamente na pesquisa acadêmica de educadores aplicada à ações educativas na Educação Básica.  

Francisco Souza da Silva, Professor na Prefeitura Municipal de Cubatão/ SP

Mestre em Artes pelo PROFARTES/UNESP/SP. Licenciado em Teatro pela UnB, licenciado e bacharel em Ciências Sociais pela UNESP (2010). Atualmente leciona a disciplina de Artes para o Ensino Fundamental na rede de ensino municipal de Cubatão. Minhas áreas de estudos compreendem o jogo de improvisação, o Teatro de Formas Animadas em relação e intersecção com temáticas relacionadas as questões de gênero, étnicos culturais, cultura popular.

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza D.A. Etnografia da prática escolar. 18. ed., Campinas, SP: Papirus, 2016.

AVENTURA. Dicionário Michaelis online uol – Editora Melhoramentos, c2020. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/AVENTURA/. Acesso em 24/03/2021.

BATISTA, José Roniere Morais; SALDANHA, Ana Alayde. A Concepção do Role-Playing Game (RPG) em Jogadores Sistemáticos. Psicologia ciência e profissão. João Pessoa-PB: UFPB, v.29 n.4, p. 700-717, 2009. ISSN 1414-9893. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932009000400005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 24/03/2021.

BOAL, Augusto. 200 exercícios e jogos para o ator e o não-ator com vontade de dizer algo através do teatro. 2. ed., Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1979.

BOAL, Augusto. Jogos para atores e não atores. 15. ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CABRAL, Beatriz Ângela Vieira. Drama como método de ensino. São Paulo: Hucitec e Mandacaru, 2006.

CABRERA, Theda. A maturação da capacidade de metamorfose no jogo mimicry. In Urdimento, v.2, n.27, p.397-417, dezembro-2016. E-ISSN: 2358-6958. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/8225. Acesso em 25/03/2021.

CABRERA, Theda. Educação como poiésis: o trabalho sobre si por meio da dramatização. In ILINX, n.13, p. 90-103, 2018. ISSN: 2316-8366. Disponível em: https://www.cocen.unicamp.br/revistadigital/index.php/lume/article/view/534. Acesso em 25/03/2021.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Trad. José Garcez Palha, Lisboa: Cotovia, 1990.

CARDOSO, Ruth. Introdução. In A aventura antropológica. Teoria e pesquisa. Org. Ruth C.L. Cardoso. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 4. ed., 2004.

COHN, Clarice. Crescendo como um Xikrin: uma análise da infância e do desenvolvimento infantil entre os Kayapó-Xikrin do Bacajá. Revista Antropológicas. Depto de Antropologia-FFLCH/USP: São Paulo, v.43 n.2, p. 195-222, 2000. ISSN 0034-7701. Disponível em:

https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012000000200009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 24/03/2021.

COHN, Clarisse. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 8. ed., 2018.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Trad.Lúcia M. E. Orth. Petrópolis-RJ: Vozes, 7. ed., 1985.

JAPIASSU, Ricardo Ottoni Vaz. Metodologia do ensino do teatro. 7. ed., Campinas, SP: Papirus, 2001.

LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução Maria da Pena Villalobos. 11. ed., São Paulo: Ícone, p.119-142, 2010

LOPES, Joana. Pega Teatro. 3. ed. Bragança Paulista - SP: Urutau, 2017. Disponível em: https://www.joanabizzottolopes.com/copia-ficha-tecnica. Acesso em 20/03/2021.

MACHADO, Marina Marcondes. A criança é performer. Revista Educação & Realidade. UFRGS – Porto Alegre, RS. v. 35, n.2, maio/ago, 2010. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/11444. Acesso em: 21/03/2021.

MACHADO, Marina Marcondes. Fenomenologia e Infância: o direito da criança a ser o que ela é. Revista Educação Pública. Cuiabá, MT, v. 22, n. 49/1, maio-ago, 2013. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/913. Acesso em: 25/03/2021.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In O trabalho do antropólogo. 2. ed., São Paulo: UNESP/Paralelo 15, 2000.

PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. Para desembaraçar os fios. Educação & Realidade. Porto Alegre, RS, v.30, n.2, p. 217-228, jul./dez., 2005. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/12462. Acesso em 25/03/2021.

REVERBEL, Olga. Jogos teatrais na escola: atividades globais de expressão. 1. ed., São Paulo: Scipione, 1989

RYNGAERT, Jean-Pierre. O jogo dramático no meio escolar. Coimbra, Portugal: Centelha, 1981.

RYNGAERT, Jean-Pierre. Jogar, representar: práticas dramáticas e formação. Trad. Cássia Raquel da Silveira. São Paulo: Cosac Naify, 2009

SILVA, Carmen Pinheiro. Em busca de uma pedagogia artística crítica utópica com crianças, as transgressoras do tempo-de-agora: catadoras de restos e trapeiras. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Artes UNESP- São Paulo, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/143050. Acesso em: 26/03/2021.

SILVA, Francisco Souza da. Jogo dramático, drama ou improvisações?

Construindo propostas de processos de aprendizagem de teatro-educação em uma perspectiva do desenvolvimento da autonomia. In Educar é um ato político. 1. ed. Veranópolis, RS: Diálogo Freiriano, p. 375-396, 2020.

SPOLIN, Viola. Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin. Trad. Ingrid Koudela. 2. ed., São Paulo: Perspectiva, 2012.

TURNER, Victor. O processo ritual – estrutura e antiestrutura. Trad. Nancy Campi de Castro. Petrópolis: Vozes, 1974.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

PEREIRA, T. C. G. P.; SILVA, F. S. da . A aventura de um educador-artista no ensino de artes cênicas com crianças nos anos iniciais. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 95–129, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.32869. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/32869. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática