Interromper o espetáculo

o gesto político e estético das emoções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2023.41744

Palavras-chave:

Corpos Queer, Interrupção, Gesto político e estético, Emoções

Resumo

O ensaio busca refletir sobre as emoções que circulam e marcam os corpos, partindo de uma dupla investida: nas emoções impressas em corpos queers, que performam na cena contemporânea, provocadoras de um deslocamento afetivo transformador do sujeito e de seu condicionamento simbólico; de como as imagens propostas em cena por esses corpos reorganizam o sentido histórico das imagens, revogando emoções/sentidos e significados, propondo em seu lugar novas paisagens, numa visada crítica da realidade. Pensar o gesto político e estético dos corpos ditos estranhados, subversivos e rebeldes aos marcadores sociais, em sua transversalidade e transversatilidade é o que nos interessa pensar como dispositivo de interrupção do espetáculo e de seus discursos colonizadores.  

Referências

AHMED, Sara. La política cultural de las emociones. México: Centro de Investigaciones y Estudios de Género UNAM, 2015.

AVENDAÑO, Lukas. Barcelona. 4 jul. 2018. 1 vídeo (28 min.). Disponível em: https://www.youtube.com//watch?v=UejJeyPEbaM. Acesso em: 10 out. 2021.

AVENDAÑO, Lukas. Réquiem para un Alcaraván. Canadá, 2015. 1 vídeo (86 min.). Disponível em: https://vimeo.com/152631668. Acesso em: 10 out. 2021.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 110-125.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CUSICANQUI, Silvia Rivera. Ch'ixinakax Utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizados. Buenos Aires: Tinta Limón, 2010.

DEZ ARTISTAS queer falam sobre a origem de suas inspirações. Goianinha.org. Disponível em: https://goianinha.org/ultimas-noticias/dez-artistas-indigenas-queer-falam-sobre-a-origem-de-suas-inspiracoes/. Acesso em: 10 out. 2021.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Que emoção! Que emoção? São Paulo: Editora 34, 2016.

GALINDO, Maria. Feminismo Bastardo. Madrid: Editorial Traficantes de sueños, 2021.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre Experiência. Tradução: Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

RIBEIRO, Martha. Realismo Sedutor: o corpo-teatro e a invenção de realidades. São Paulo: Hucitec, 2022. (Coleção Licores).

RIBEIRO, Martha. A autoficção como tentativa de insurreição dos corpos ou o que aprendemos com Antonin Artaud: refazer o corpo, esculpir afetos. Revista Arte e Filosofia, v. 15, online, 2020. Edição especial. Disponível em: https://periodicos.ufop.br:8082/pp/index.php/raf/article/view/4191. Acesso em: 10 jan. 2021.

RIBEIRO, Martha. A escolha política de Medeia: um levante esquecido contra o Sistema de Representação Heterossexual (SRH). Pitágoras 500, Campinas, v. 11, n. 2, p. 49-63, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/pit500/article/view/8667109. Acesso em: out. 2021.

RIBEIRO, Martha. O corpo Biopotente: a decolonização dos afetos no, através e além do teatro. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL REFLEXÕES CÊNICAS CONTEMPORÂNEAS – LUME e PPG Artes da Cena. Anais […], n. 6, [s. l.: s. n.], 2021b. Disponível em: https://orion.nics.unicamp.br/index.php/simposiorfc/article/view/729. Acesso em: jul. 2021.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 edições, 2018.

Stambaugh, Antonio Prieto. “RepresentaXión” de un muxe: la identidad performática de Lukas Avendaño. Latin American Theatre Review, v. 48, n. 1, p. 31-53, 2014.

Downloads

Publicado

2023-04-06

Como Citar

RIBEIRO, M. Interromper o espetáculo: o gesto político e estético das emoções. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 13, n. 27, p. 49–72, 2023. DOI: 10.35699/2237-5864.2023.41744. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/41744. Acesso em: 23 jun. 2024.