A Criação inteira geme em dores de parto: desenvolvimento e natureza nas cartas encíclicas e apostólicas papais (1967-2015)

Resumo

O artigo trata das percepções acerca de desenvolvimento e natureza/meio ambiente presentes nas cartas encíclicas e apostólicas publicadas pelos papas da Igreja Católica desde 1967, quando a temática ambiental aparece pela primeira vez nessas publicações, até 2015, quando foi publicada a encíclica Laudato Si, a primeira inteiramente dedicada às questões ambientais. O objetivo é observar como discussões ambientais foram sendo inseridas nos documentos da Igreja e qual o espaço destinado a elas. Mais ainda, intentamos compreender como a concepção de desenvolvimento e natureza foram se alterando de uma noção estritamente antropocêntrica, seguindo a tradição judaico-cristã, até a proposta de uma ecologia integral feita pelo papa Francisco. Concluímos que, a partir de uma reinterpretação da narrativa cristã da Criação, a Igreja Católica tem se esforçado para substituir a visão de domínio absoluto sobre as coisas criadas por uma responsabilidade humana perante elas, cujas tarefas são cuidá-las e guardá-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Schunk Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais
Graduando em História, modalidade licenciatura, da Universidade Federal de Minas Gerais. Participante do Grupo de Teoria e História da Ciência (Scientia), do Departamento de História da UFMG. Foi aluno bolsista de iniciação científica, orientado pela professora doutora Ana Carolina Vimieiro Gomes. Tem interesse em História das Ciências e História Ambiental.
Publicado
2020-01-31