Critérios para produção de arte sacra imaginária no Brasil colonial, a partir das Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia.

Palavras-chave: Arte sacra, imaginária, Brasil colonial.

Resumo

O artigo propõe um estudo acerca dos critérios de produção da arte sacra imaginária, no séc. XVIII, do Brasil Colonial. Ancorado nas legislações do Concílio de Trento e nas Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia, organizadas por D. Sebastião Monteiro da Vide, o artigo tem como objetivo contribuir para processos de sistematização e análise da orientação canônico-pastoral para a produção da imaginária religiosa brasileira setecentista. Para isso, busca-se aqui trabalhar as categorias de representação e cultura, nos critérios de produção de arte sacra, no Brasil Colonial.

Biografia do Autor

Danilo Pinto dos Santos, Universidade de Brasília
Mestrado em História Social, da Área de Concentração: Sociedade, Cultura e Política da Universidade de Brasília.
Publicado
2019-09-30