Gênero, infância e política social no Boletim da LBA (Paraíba, 1947-1955)

  • José dos Santos Costa Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Resumo

O texto constrói uma genealogia dos modos de governo da infância no Brasil, com especial enfoque para a construção de uma rede de proteção assistencial, médica e educativa na Paraíba por meio da comissão estadual da Legião Brasileira de Assistência (LBA). Nacionalmente, esta instituição foi criada pelo Estado Novo (1937-1945) quando da entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O texto lança mão das ferramentas teórico-metodológicas de Michel Foucault sobre a genealogia do poder e reflete sobre a emergência da biopolítica como modo de tomar a vida como objeto do saber e dos cálculos e intervenções políticas do Estado sobre o corpo da população em seu conjunto. Deste modo, ao analisar o Boletim da LBA na Paraíba e por meio deste material problematizar as fotografias, mapas, dados demográficos e textos produzidos para dar visibilidade ao problema da infância naquele momento, busca-se construir uma análise que permita refletir sobre a emergência de uma das primeiras políticas públicas de Estado com foco na infância no Brasil e, a partir do diálogo com obras de referência no campo da historiografia da infância e dos estudos sobre a imagem, pensar o estatuto político da infância nesse momento e as estratégias políticas usadas para constituir modos de governar os corpos infantis e a infância pobre.

Biografia do Autor

José dos Santos Costa Júnior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Doutorando em História na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Licenciado em História pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Coordenador do Centro de Educação Cidadã e Direitos Humanos (CECIDH), uma organização não governamental que atua com assessoria e formação nas temáticas de direitos humanos.
Publicado
2019-09-30