Os nativos digitais e as novas competências tecnológicas

Autores

  • Patrícia Margarida Farias Coelho Pontifícia Católica de São Paulo (PUC-SP)

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.5.2.88-95

Palavras-chave:

Nativos digitais. Midias digitais. Games educativos. Aprendizagem. Educação formal.

Resumo

Este estudo é o resultado parcial de minhas pesquisas de pós-doutoramento desenvolvida na UniversitatdeVIC/ESPANHA com o auxílio de bolsa FAPESP/BEPE. O artigo reflete sobre os nativos digitais e as novas habilidades/competências inerentes a esses, e que devem ser exploradas em ambiente escolar, enfatizando, nessa pesquisa, o uso de aplicativos de dispositivos móveis e games educativos. Com as transformações na web, as escolas tiveram que reorganizar a maneira como ensinavam. O objetivo deste estudo é evidenciar que escola e professores devem se adequar para receber esse novo aluno digital, atentando-se para as competências tecnológicas que esses já têm. As crianças nascidas a partir da década de 80 e 90 são definidos por Prensky (2002) como nativos digitais e apresentam familiaridade com o universo digital e, portanto, cabe aos educadores e pesquisadores atentarem para esse potencial. O arcabouço teórico que sustenta essa pesquisa são os estudos de McLuhan (1964, 1996) e Santaella (2003, 2010) sobre os meios de comunicação, Prensky (2001) para sustentar as pesquisas sobre nativos digitais e Bakhtin (1978, 1997) para explicar sobre os diálogos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Margarida Farias Coelho, Pontifícia Católica de São Paulo (PUC-SP)

Possui graduação em letras, mestrado em letras e doutorado em comunicação e semiótica. Atualmente realiza um pós-doutoramento sob a supervisão de Maria Lúcia Santaella Braga e cossupervisão de Waldir Beividas no TIDD/PUC-SP com bolsa da Fapesp.

Referências

BAKTHIN. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.1997.

BAKTHIN. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Laund e Yara F. Vieira, colaboração de Lúcia Wisnki e Carlos H.D.CRUZ. 5ºed. São Paulo: Hucitec. 1978.

CASAQUI, W. Polifonia publicitária: das construções da realidade jornalística à retórica em publicidade – uma análise dialógica. In: BARBOSA, I. S. (Org.). Os sentidos da publicidade, estudos interdisciplinares. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

MCLUHAN, M. Comprender los medios de comunicación. Las extensiones del ser humano. Barcelona: Paidós Comunicación,1996.

MCLUHAN, M. Understanding Media: The extensions of Man. New York: New American Library, 1964.

PERSONAT en Joc (coleção) está disponível em: http :// www.personatgesenjoc.cat/development/. Acessado em: 28 de novembro 2012.

PRENSKY, M. Digital Native, digital immmigrants. Digital Native immigrants. On the horizon, MCB University Press, Vol. 9, N.5, October, 2001. Disponível em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf. Acesso em: 07 de setembro de 2012.

SANTAELLA, L. A ecologia pluralista da comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTAELLA, L. Cultura e artes do pós-humano: Da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

Downloads

Publicado

06-12-2012

Como Citar

COELHO, P. M. F. Os nativos digitais e as novas competências tecnológicas. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 5, n. 2, p. 88–95, 2012. DOI: 10.17851/1983-3652.5.2.88-95. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16621. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia