Aprendizagem colaborativa e mediação pedagógica em curso de extensão universitária

Autores

  • Mariana Vidotti de Rezende Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.7.1.68-82

Palavras-chave:

Aprendizagem Colaborativa. Mediação Pedagógica. Língua Portuguesa.

Resumo

Nos últimos anos, demandas contemporâneas no campo da linguagem, capitaneadas pelas novas tecnologias de informação e comunicação (NTICs) têm tensionado discussões tanto no ensino de Língua Portuguesa na educação básica quanto na formação de professores em Letras. Neste contexto, torna-se inevitável rediscutir concepções de aprendizagem e do papel do professor, a partir de uma série de modificações constatadas nas práticas sociais de linguagem e nas instâncias formativas emergentes. O presente trabalho busca investigar, sob a ótica das teorias de aprendizagem colaborativa e dos papéis sociais do professor de língua portuguesa, a minha prática docente em curso de extensão universitária ofertado em 2013 aos alunos dos últimos anos do curso de Letras da Universidade Estadual de Londrina. Essa investigação foi proposta tendo em vista que as práticas docentes, tanto no ensino universitário quanto no básico, nem sempre acompanham as concepções de aprendizagem que as subjazem. Este estudo tem como principais referências teóricas estudos de Moran (2013), Behrens (2013), Pereira (2000) e Tardif (2002), sobre ensino e aprendizagem e discussões de Kleiman (2006), Santos (2006) e Silva (2004), a respeito dos papéis sociais assumidos e/ou almejados pelo professor em sua prática de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Vidotti de Rezende, Universidade Estadual de Londrina

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (2004), Especialização em Língua Portuguesa, Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (2007) e ingressou no Programa de Doutorado em Estudos da Linguagem na Universidade Estadual de Londrina (2012). Além disso, é Especialista em Tecnologias em Educação (2010) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. É professora de Língua Portuguesa da Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Atualmente, é bolsista da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). É membro integrante do Grupo de Pesquisa Formação e Ensino em Língua Portuguesa (FELIP). Tem experiência na área de Linguística e Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, letramento digital, ensino de língua portuguesa.

Referências

BEHRENS, M. A. Projetos de Aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: MORAN, J. M. MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Orgs.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. Campinas: Papirus, 2013, p. 73-140.

BRAGA, D. B. Ambientes digitais: reflexões teóricas e práticas. 1.ed. São Paulo: Cortez, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Introdução dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CELANI, M. A. A. Transdisciplinaridade na Linguística Aplicada no Brasil. In: I. SIGNORINI & M. C. CAVALCANTI (Orgs.). Linguística Aplicada e Transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

KLEIMAN, A. B. Processos identitários na formação profissional- o professor como agente de letramento. In: CORRÊA, M. L.; BOCH, F. (Orgs.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas: Mercado das Letras, 2006. p. 79-91.

______. ; MARTINS, M. S. Formação de professores: a contribuição das instâncias administrativas na conservação e na transformação de práticas docentes. In: KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.). Linguística Aplicada: suas faces e interfaces. Campinas: Mercado das Letras, 2007, p. 273-298.

MILLER, I. K.Formação de professores de línguas: da eficiência à reflexão crítica e ética. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013, p. 99- 121.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MORAN, J. M. MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Orgs.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. Campinas: Papirus, 2013, p. 11-72.

MOREIRA, A. F. A crise da teoria curricular crítica. In: COSTA, M. V. O currículo nos limiares do contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999, p. 12-36.

OLIVEIRA, M. B. Revisitando a formação de professores de língua materna: teoria, prática e construção de identidades. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 6, n. 1, jan./abr. 2006.

PEREIRA. J. E. Formação de professores - pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SANTOS, J. A. Teorias da Aprendizagem: Comportamentalista, Cognitivista e Humanista. Revista Sigma. v.2. Macapá: IESAP, 2006, p. 97-111.

SILVA, M. Indicadores de interatividade para o professor presencial e on-line. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 4, n. 12, p. 93-109. 2004. Disponível em: http://www.miniwebcursos.com.br/artigos/PDF/DIALOGO.pdf. Acesso em: 11 jul. 2014.

TARDIF, M. O saber dos professores e sua formação. In: ______. Saberes docentes e formação profissional. 6. ES. Petrópolis: Vozes, 2002. Parte II, p. 225-303.

Downloads

Publicado

14-07-2014

Como Citar

VIDOTTI DE REZENDE, M. Aprendizagem colaborativa e mediação pedagógica em curso de extensão universitária. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 7, n. 1, p. 68–82, 2014. DOI: 10.17851/1983-3652.7.1.68-82. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16657. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.