Novo do velho: a poesia experimental dos poetas ensaístas Haroldo e Augusto de Campos

Autores

  • Carolina Tomasi Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.8.1.146-161

Palavras-chave:

Literatura brasileira. Poesia experimentalista. Barroco. Neobarroco. Semiótica tensiva.

Resumo

RESUMO: Discutir a poesia aguda de expressão visual e sonora, que partilha o sentido de renovar o antigo, mas não se desgarra do velho, ou de criar o novo, voltando à origem, é um dos motivos principais deste artigo. Mais do que barroquismo no século XX ou ruptura em relação ao passado, investigamos que os poetas Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Affonso Ávila compartilham procedimentos de agudeza que se diferenciam por participarem de tempos discursivos diferentes, o discurso de barroco era um e o discurso do chamado “neobarroco” é outro. A partir de então, a vanguarda já não se faz como categoria operacional, mas apenas como um ponto na linha evolutiva. Temos, assim, um Haroldo de Campos que interroga a história literária de Antonio Candido, propondo-a não como formação, mas como transformação; menos como processo que se forma e mais como processo gerundivo, em que sobressaiam os momentos de ruptura, entendendo a tradição como um procedimento dialético, que coloca face a face diacronia e sincronia. Para exemplificação das reflexões, tomamos como base os poemas “Oportet”, de Haroldo de Campos, e “Novo novelo”, de Augusto de Campos, para discutir uma questão recorrente na literatura: tradição e ruptura, considerando questionável o rótulo “neobarroco” na literatura brasileira.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura brasileira. Poesia experimentalista. Barroco. Neobarroco. Semiótica tensiva.

 

ABSTRACT: To discuss sharp poetry of sound and visual expression, which shares the sense of renewing the old, but not strays from the old, or create the new, returning to the origin, is one of the main reasons of this article. More than baroque style in the twentieth century or break with the past, we investigated that the poets Haroldo de Campos, Augusto de Campos and Affonso Ávila share sharpness procedures that differ by participating in different discursive tenses, the baroque speech is one thing and the so called “new baroque” speech is another thing. Since then, the vanguard is no longer an operational category, but a point in the evolutionary line. We have thus a Haroldo de Campos that questions the literary history of Antonio Candido, proposing it not as a training but a transformation; less as a process that forms and more like a gerundive process, in which stand out the moments of rupture, understanding the tradition as a dialectical procedure, which puts diachrony and synchrony face to face. For exemplification of reflections we based on the poems “Oportet" by Haroldo de Campos and “Novo Novelo" by Augusto de Campos to discuss a recurrent theme in the literature: tradition and rupture, considering questionable the label "neo-baroque" in Brazilian literature.

KEYWORDS: Brazilian Literature. Experimentalist poetry. Baroque. Neo-Baroque. Tensive semiotic.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Tomasi, Universidade de São Paulo

Doutora (2014) e Mestre (2011) em Letras pela Universidade de São Paulo. É graduada em Letras pela Universidade de São Paulo (2002). Em 2010, frequentou durante três meses os cursos de Semiótica e de "Résumé" (Hjelmslev);, ministrado pelo Prof. Dr. Romeo Galassi na Università di Padova. Atuou um ano e meio como professora de Língua Portuguesa e Literatura no Ensino Médio, na Escola EEPG Guimarães Júnior em Ribeirão Preto (SP), por meio de atribuição de aulas da Diretoria Regional de Ensino de Ribeirão Preto. Além disso, trabalhou durante 12 anos com Produção Editorial na função de editora de texto. Sua pesquisa atual tem como foco a negação da euforia barroquista e seus reflexos na poesia brasileira do final do século XX. Além disso, tem como objeto de pesquisa a teatralização da crise de verso, tradição e ruptura e inquietações da poesia contemporânea na literatura brasileira. Seus temas de interesse são historiografia e crítica literárias, literatura brasileira, poesia seiscentista e poesia brasileira do final do século XX. Desde 2007, é membro do Grupo de Estudos Semióticos da USP (GES-USP); pertence ainda à comissão editorial da Revista de Estudos Semióticos da USP. Atualmente, é editora convidada da Revista Estudos Semióticos da USP e parecerista das revistas Texto Livre e CASA (Cadernos de Semiótica Aplicada).

Referências

AGUILAR, G. Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. São Paulo: Edusp, 2005.

CAMPOS, A. de. Poesia antipoesia antropofagia. São Paulo: Cortez & Moraes, 1978.

CAMPOS, A. de. Re Visão de Kilkerry. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CAMPOS, A. de. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAMPOS, A. de. Viva vaia: poesia 1949-1979. 4. ed. São Paulo: Ateliê, 2007.

CAMPOS, A. de; CAMPOS, H. de. Traduzir & trovar. São Paulo: Papirus, 1968.

CAMPOS, A. de. Panorama de Finnegans Wake. São Paulo: Perspectiva, 1971.

CAMPOS, A. de. Os sertões dos Campos: duas vezes Euclides. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1997.

CAMPOS, A. de; CAMPOS, H. de. Re visão Sousândrade. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

CAMPOS, A. de; PIGNATARI, D.; CAMPOS, H. de. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos (1950-1960). São Paulo: Ateliê, 2006.

CAMPOS, A. de. Mallarmé. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

CAMPOS, H. de. A linguagem do IAUARETÊ. In: XISTO, P.; CAMPOS, A. de; CAMPOS, H. de. Guimarães Rosa em três dimensões. São Paulo: Conselho Estadual de Cultural, 1970.

CAMPOS, H. de. Morfologia do Macunaíma. São Paulo: Perspectiva, 1973.

CAMPOS, H. de. Metalinguagem: ensaios de teoria e crítica literária. São Paulo: Cultrix, 1976a.

CAMPOS, H. de. A operação do texto. São Paulo: Perspectiva, 1976b.

CAMPOS, H. de. Barroco em trânsito [Uma arquitextura do barroco]. A operação do texto. São Paulo: Perspectiva, 1976b [1971]. p. 139-144.

CAMPOS, H. de. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1977a. CAMPOS, H. de. Poética sincrônica. A arte no horizonte do provável. São Paulo: 1977a [1967]. p. 205-212.

CAMPOS, H. de (Org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. Textos traduzidos por Heloísa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix: Edusp, 1977b.

CAMPOS, H. de. Ruptura dos gêneros na literatura latino-americana. São Paulo: Perspectiva, 1977c.

CAMPOS, H. de. Signantia quasi coelum. Signância quase céu. São Paulo: Perspectiva, 1979.

CAMPOS, H. de. Deus e o diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 1981.

CAMPOS, H. de. A educação dos cinco sentidos. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CAMPOS, H. de. O sequestro do barroco na formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Mattos. Salvador: FCJA, 1989.

CAMPOS, H. de. La educación de los cinco sentidos. Barcelona: Àmbit Serveis Editorials, 1990.

CAMPOS, H. de. Sobre finismundo: a última viagem. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1996.

CAMPOS, H. de. O arco-íris branco: ensaios de literatura e cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

CAMPOS, H. de. Literary and artistic culture in modern Brazil. In: SULLIVAN, E. J. Brazil, body& soul. New York: Guggenheim Museum, 2001.

CAMPOS, H. de. Barroco, neobarroco, transbarroco. In: DANIEL, C. (Org.). Jardim de camaleões: a poesia neobarroca na América Latina. Tradução de Claudio Daniel, Luiz Roberto Guedes e Glauco Mattoso. São Paulo: Iluminuras, 2004a. p. 13-21.

CAMPOS, H. de. Crisantempo: no espaço curvo nasce um. São Paulo: Perspectiva, 2004a.

CAMPOS, H. de. A máquina do mundo repensada. 2. ed. São Paulo: Ateliê, 2004b.

CAMPOS, H. de. Metalinguagem e outras metas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CAMPOS, H. de. Da razão antropofágica: diálogo e diferença na cultura brasileira. Metalinguagem e outras metas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006 [1981]. p. 231-255.

CAMPOS, H. de. Xadrez de estrelas. São Paulo: Perspectiva, 2008.

CAMPOS, H. de. Entremilênios. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CAMPOS, H. de. O segundo arco-íris branco. São Paulo: Iluminuras, 2010.

CAMPOS, H. de. Galáxias. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2011a.

CAMPOS, H. de. O sequestro do barroco. 2. ed. São Paulo: Iluminuras, 2011b.

CAMPOS, H. de. Entrevista com Haroldo de Campos por Pedro Maciel. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno Ideias, 7 jul. 1995. Disponível em: http://www.cronopios.com.br/. Acesso em: 5 ago. 2013a.

CAMPOS, H. de. Um olhar sobre a América hispânica. Entrevista com o crítico e poeta Haroldo de Campos por Rodolfo Mata. Ago. 1994. Disponível em: http://www.jornaldepoesia.jor.br/. Acesso em: 7 ago. 2013b.

CANDIDO, A. Literatura de dois gumes. In: _______. A educação pela noite & outros ensaios. 2. ed. São Paulo: Ática, 1989. p. 163-180.

CANDIDO, A. Dialética da malandragem. O discurso e a cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1993a. p. 19-54.

CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira. 7. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993b. 2 v.

CANDIDO, A; CASTELLO, J. A. Presença da literatura brasileira: das origens ao romantismo. 8. ed. Rio de Janeiro: Difel, 1977.

CANDIDO, A; CASTELLO, J. A. Presença da literatura brasileira: das origens ao realismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Difel, 1987.

CASTRO, E. M. de M. e; GOTLIB, N. B. (Org.). O fim visual do século XX & outros textos críticos. São Paulo: Edusp, 1993.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico nova fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

DANIEL, C. (Org.). Jardim de camaleões: a poesia neobarroca na América Latina. Tradução de Claudio Daniel, Luiz Roberto Guedes e Glauco Mattoso. São Paulo: Iluminuras, 2004a.

HATHERLY, A. O espaço crítico: do simbolismo à vanguarda. Lisboa: Editorial Caminho, 1979.

HATHERLY, A. A casa das musas: uma releitura crítica da tradição. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.

HATHERLY, A Poesia incurável: aspectos da sensibilidade barroca. Lisboa: Editorial Estampa, 2003.

HATHERLY, A; CASTRO, E. M. de M. PO.EX: textos teóricos e documentos da Poesia Experimental Portuguesa. Lisboa: Moraes, 1981.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KRYSINSKI, W. Pensamentos fragmentários sobre Haroldo de Campos. In: MOTTA, L. T. da (Org.). Céu acima: para um ‘tombeau’ de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2005.

MOTTA, L. T. da (Org.). Céu acima: para um ‘tombeau’ de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PAZ, O. Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

ZILBERBERG, C. Eléments de grammaire tensive. Limoges: PULIM, 2006a.

ZILBERBERG, C. Razão e poética do sentido. Tradução de Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Edusp, 2006b.

Downloads

Publicado

31-07-2015

Como Citar

TOMASI, C. Novo do velho: a poesia experimental dos poetas ensaístas Haroldo e Augusto de Campos. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 8, n. 1, p. 146–161, 2015. DOI: 10.17851/1983-3652.8.1.146-161. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16694. Acesso em: 25 jul. 2024.