Gênero digital e seus propósitos comunicativos: uma análise em perfis pessoais de sites de relacionamento

Autores

  • Wellington Carvalho de Arêa Leão Universidade Estadual do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.10.1.83-99

Palavras-chave:

gênero digital emergente, sites de relacionamento, propósito comunicativo.

Resumo

Investiga-se, neste trabalho, o gênero digital emergente perfil pessoal em sites de relacionamento e o(s) propósito(s) comunicativo(s) mais recorrentes quando os sujeitos se propõem a utilizarem esse gênero. Adota-se, para tanto, uma perspectiva sociorretórica de análise de gênero, considerando que este tem dado, para o mundo digital, novo significado para as formas de relacionamento entre as pessoas, à medida que se apresente mediado pela Web. A principal base teórica está alicerçada no estudo dos gêneros do discurso por Bakhtin (2011), perspectivas sociorretóricas, por Miller (2012), definições de gêneros textuais e propósitos comunicativos, por Swales (1990 apud BIASI-RODRIGUES; BEZERRA, 2012) e Cavalcanti (2014), e as definições e funcionalidades do gênero em análise, por Leão (2015). Trata-se de uma pesquisa bibliográfica de abordagem qualitativa de análises de dados, em que foram selecionados dez perfis do badoo.com.br, dentre os quais cinco pertencentes ao ciclo de amizade do pesquisador e cinco de um perfil feminino fake criado por ele. Os resultados mostram que a construção de laços amizade é o propósito comunicativo mais recorrente e evidente quando os usuários procuram um diálogo como outros usuários no site de relacionamento estudado. Foi verificado ainda que o gênero em análise combina na mídia propósitos comunicativos mistos, entre uma realidade factual e virtual, além de ser um propósito voltado para promoção pessoal.

  

ABSTRACT:It is investigated, in this written work, the emerging digital genre personal profile at social networking websites and the communicative purpose more frequent when the subjects propose themselves to use this type of genre. It is adopted in this sense, a socio-rhetorical perspective of genre analysis, considering that this has given a new meaning to the forms of relationships between people to the digital world, as it is presented in a Web-mediated way. The main theoretical basis is based in the study of discourse genres, by Bakhtin (2011), socio-rhetorical perspective, by Miller (2012), definitions of textual genres and communicative purposes, by Swales (1990 apud BIASI-RODRIGUES; BEZERRA, 2012) and Cavalcanti (2014) and the definitions and functionalities of the genre under analysis, by Leão (2015). This is a bibliographic research of qualitative approach with data analysis, in which 10 badoo.com.br profiles were selected, among which five belonging to the researcher's circle of friends and five of a fake female profile, created by him. The results show that the building of friendship ties is the most frequent and obvious communicative purpose when the users look for a dialogue with others at the studied social networking site. It was also found that the analyzed genre combines mixed communicative purposes, between a factual and a virtual reality, besides being a purpose that aims at a personal promotion in its support.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wellington Carvalho de Arêa Leão, Universidade Estadual do Piauí

Possui graduação em Licenciatura Plena em Letras: Português e Inglês pelo Instituto de Ensino Superior Múltiplo - IESM/Timon-Ma (2014). Pós-graduação lato sensu em Português Jurídico pela AVM - Faculdade Integrada (Rio de Janeiro - RJ) e em Estudos Linguísticos e Literários pela UESPI - Universidade Estadual do Piauí (Teresina-Pi). É tutor a distância do curso de Licenciatura em Língua Portuguesa (UESPI). Tem experiência na área de Letras, com ênfase na análise de gêneros digitais, revisão textual, ensino a distância e do Português Jurídico.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAZERMAN, C. Atos de fala, gêneros textuais e sistemas de atividades: como os textos organizam atividades e pessoas. In: DIONÍSIO, A. P.; HOFFNAGEL, J. C. (Orgs.). Gêneros textuais, tipificação e interação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011. p. 19-48.

BIASI-RODRIGUES, B.; BEZERRA, B. G. Propósitos comunicativos em análise de gêneros. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 12, n. 1, p. 231-249, jan./abr. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ld/v12n1/v12n1a11.pdf. Acesso em: 2 ago. 2016.

BONINI, A. Mídia/suporte e hipergênero: os gêneros textuais e suas relações. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 11, n. 3, p. 679-704. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v11n3/05.pdf. Acesso em: 11 abr. 2017.

CAVALCANTI, L. de P. Legendas e traduções: pensando em gêneros textuais. Cadernos do CNFL, Rio de Janeiro, v. 18, n. 10, p. 287-297, 2014. Disponível em: http://docplayer.com.br/4763419-Legendas-e-traducao-pensando-em-generos-textuaislarissa-de-pinho-cavalcanti-ufpe-laracvanti-gmail-com.html. Acesso em: 22 jul. 2016.

GONÇALVES, A. I.; SANTOS, G. da S. dos; MARCHESAN, M. T. N. O hipertexto e a não linearidade textual como agente facilitador da aprendizagem. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 37, n. 62, p. 381-395, jan./jun. 2012. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/viewFile/2887/2096. Acesso em: 16 abr. 2017.

LEÃO, W. C. de A. O perfil pessoal como gênero textual emergente em sites de relacionamento: definições e funcionalidades. In: COLÓQUIO SOBRE GÊNEROS & TEXTOS, 4., 2014, Teresina. Anais eletrônico do IV COGITE. Teresina: EDUFPI, 2015. Disponível em: https://coloquiocogite.com.br/. Acesso em: 11 ago. 2016.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2014.

LIMA-NETO, V. de; NOBRE, K. C. Práticas discursivas político-ideológicas no facebook: um estudo de emergência genérica. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 17, n. 3, p. 951-972, set./dez. 2014. Disponível em: http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/1175/818. Acesso em: 12 abr. 2017.

MILLER, C. R. Gênero textual, agência e tecnologia. Tradução de Judith Chambliss Hoffnagel. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

TAVARES, W. A construção da educação a distância (EaD) a partir do desenvolvimento da inteligência coletiva de comunidades virtuais de aprendizagem. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, 11., 2014, Florianópolis. Anais do XI ESUD. Florianópolis: UNIREDE, 2014. Disponível em: http://esud2014.nute.ufsc.br/anais-esud2014/files/pdf/126903.pdf. Acesso em: 12 abr. 2017.

VILHENA, K. C. L. D. Leite de. Quem sou eu? A construção de imagem pública: o gênero perfil no Orkut. 2011. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011. Disponível em: http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_5009_Disserta%E7%E3o%20-%20Kelly%20Christine%20Lisboa.pdf. Acesso em: 4 ago. 2016.

Downloads

Publicado

2017-06-26

Como Citar

LEÃO, W. C. de A. Gênero digital e seus propósitos comunicativos: uma análise em perfis pessoais de sites de relacionamento. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 10, n. 1, p. 83–99, 2017. DOI: 10.17851/1983-3652.10.1.83-99. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16747. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia