As tecnologias como ferramentas na educação linguística: a BNCC e a visão dos professores

Autores

  • Carolina Santos Melo de Andrade Universidade Federal de Goiás/ Universidade Estadual de Goiás
  • Eliane Marquez da Fonseca Fernandes Universidade Federal de Goiás - UFG
  • Maryá Amaral de Souza Universidade Estadual De Goiás - UEG

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.12.2.30-46

Palavras-chave:

ensino de Língua Portuguesa, tecnologias, letramento discursivo, multiletramentos

Resumo

RESUMO: Conceitos como Letramento digital, hipertextualidade e multimodalidade já se encontram difundidos nos movimentos educacionais. Nesse sentido, o presente trabalho tem como objetivo verificar a visão dos docentes sobre abordagens didático-metodológicas que envolvam as tecnologias. Além disso, objetiva-se observar se as práticas desses professores efetivam essas abordagens, além de analisar em que perspectiva a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio orienta o trabalho com as tecnologias no eixo “Códigos, Linguagens e suas tecnologias”. Esta pesquisa desenvolve-se por meio de dois objetos de análise: o documento BNCC do ensino Médio e um questionário aplicado aos professores de Língua Portuguesa das terceiras séries das escolas estaduais de Quirinópolis (Goiás). Consiste, portanto, em uma pesquisa qualitativa, com parte dos dados extraídos de uma investigação documental e outra parte extraída da pesquisa de campo conforme metodologia de observação-participante. Apoiou-se nas postulações teóricas sobre a tecnologia na educação, o letramento digital, os gêneros multimodais e a abordagem sociointeracionista de linguagem, respectivamente, em: Bakhtin (2000), Rojo (2013, 2015), Kramer et al. (2007) e Silveira e Bazzo (2009) e Almeida e Silva (2011). Observou-se que a BNCC apresenta incisivos encaminhamentos que evocam os recursos didáticos digitais. Identificou-se também que os professores têm articulado suas abordagens didático-metodológicas, inserindo, de maneira significativa ou pontual, os eventos tecnológicos, conforme a disponibilidade dos escassos recursos e das condições de trabalho.

PALAVRAS-CHAVE: ensino de Língua Portuguesa; tecnologias; letramento discursivo; multiletramentos.

 

ABSTRACT: Concepts such as Digital Literacy, hypertextuality and multimodality have already been diffused in educational movements. In this sense, the present work aims to verify the vision of teachers about didatic-methodological approaches that involve technologies and observe if the practice of these professionals executes such approaches, besides analyzing in what perspective the National Common Curricular Base (BNCC) for high school degree guides the work with technologies on the axis “Codes, Languages and their technologies”. This research has been developed through two analysis goals: the BNCC high school document and a questionnaire applied to Portuguese Language teachers of the senior year in Quirinópolis (Goiás) state schools. This investigation is thus of qualitative nature, consisting of one part of the data being extracted from a documental investigation and another from a field research in accordance with the observation-attendant methodology. Theoretical background on technology in education, digital literacy, multimodal genres and the social-interactionist approach of language has supported this research, by respectively drawing on the following authors: Bakhtin (2000), Rojo (2013, 2015), Kramer et al. (2007) and Silveira e Bazzo (2009) and Almeida e Silva (2011). It has been observed that the BNCC presents incisive orientations that call for digital didactic resources. It has also been identified that the teachers have articulated their didactic-methodological approaches by inserting technological events in significant or punctual ways, depending on the availability of resources and proper conditions.

KEYWORDS: Portuguese language teaching; technologies; discursive literacy; multi-literacy.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Santos Melo de Andrade, Universidade Federal de Goiás/ Universidade Estadual de Goiás

Doutoranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Goiás UFG; mestre em Estudos Linguísticos e especialista em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Uberlândia. Atua como docente do quadro efetivo, na Universidade Estadual de Goiás, câmpus Quirinópolis; coordenadora de área do PIBID; desenvolve pesquisas sobre o ensino-aprendizagem da escrita em Língua Portuguesa; atua, principalmente, nos seguintes temas: ensino de Língua Portuguesa com enfoque na escrita, gêneros textuais/discursivos, ambientes virtuais de ensino, formação de professores.

Eliane Marquez da Fonseca Fernandes, Universidade Federal de Goiás - UFG

A Profª Eliane Marquez da Fonseca Fernandes tem Pós-Doutorado em Educação pela UnB (2011) e Doutorado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2007) e atualmente trabalha como professora do nível Associado 2 na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. Atua no PPG em Letras e Linguística da FL da Universidade Federal de Goiás. Desenvolve pesquisa na área de Linguística, com ênfase em Texto, Análise do Discurso e Ensino. Estuda os seguintes temas: leitura e escrita, gêneros do discurso, análise do discurso e ensino/aprendizagem da Língua Portuguesa. É líder da Rede Goiana de Pesquisa: texto, discurso e ensino inscrita na FAPEG-GO e também do Grupo de Pesquisa CNPq CRIARCONTEXTO: estudos do texto e do discurso que se insere na Rede de Pesquisa em Língua Portuguesa ao Redor do Mundo.

Maryá Amaral de Souza, Universidade Estadual De Goiás - UEG

Graduada em Letras, pela Universidade Estadual de Goiás - UEG/Câmpus Quirinópolis, cursando Pós-graduação em Educação pela Universidade Estadual de Goiás. Desenvolve projetos de leitura e escrita em escolas públicas - Nível de Ensino Médio. Atualmente com projetos de leitura e escrita envolvendo tecnologias.

Referências

ALMEIDA, M. F. O desafio de ler e escrever na escola: experiências com formação docente. João Pessoa: Ideia, 2013.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, [1992] 2000, p. 261 - 306.

BAKHTIN/VOLOSHINOV. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 10. ed. São Paulo: Hucitec, [1929] 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 23 maio 2018.

BRAGA, D. B. A comunicação interativa em ambiente hipermidia as vantagens da hipremodalidade para o aprendizado no meio digital. In: BRAGA, D. B. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005, p. 144 -162.

BRITO. G. S; PURIFICAÇÃO, I da. Educação e Novas Tecnologias: um repensar. São Paulo: Pearson, 2012.

CAVALCANTE, M. C. B. Mapeamento e produção de sentido: os links no hipertexto. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. S. (org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, p. 163-169.

COSCARELLI, C; RIBEIRO, A. E. Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3. ed. Belo Horizonte: Ceale: Autêntica, 2016.

GRINSPUN, M. P. S. Z. Educação Tecnológica. In: GRINSPUN, M. P. S. Z. TV na escola e os desafios de hoje: Curso de Extensão para Professores do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública. 1999, p. 64-79. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: 19 abr. 2018.

KRAMER, S; MOREIRA, A F B. Contemporaneidade, educação e tecnologia. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 – Especial, p. 1037-1057, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 19 abr. 2018.

LEITE, L S (coord.). Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2003.

MARCUSCHI, L.; XAVIER, A. C (org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

ROJO, R. Escola conectada os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola editorial, 2013a.

ROJO, R. Entrevista: Multiletramentos, multilinguagens, novas aprendizagens. Universidade Federal do Ceará/Grupo de Pesquisa da Relação Infância, Adolescência e Mídia; 2013b. Disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/em-revista-entrevista-detalhe/246/roxane-rojo-alfabetizacao-e-multiletramentos.html. Acesso em: 19 abr. 2018.

SILVEIRA, R. M. C. F.; BAZZO, W. Ciência, tecnologia e suas relações sociais: a percepção de geradores de tecnologia e suas implicações na educação tecnológica. Ciência & Educação, v. 15, n. 3, p. 681-694, 2009.

VIEIRA, A T; ALMEIDA, M. E B; ALONSO, M. Gestão educacional e tecnologia. São Paulo: Avercamp, 2003.

Downloads

Publicado

2019-07-19

Como Citar

DE ANDRADE, C. S. M.; DA FONSECA FERNANDES, E. M.; DE SOUZA, M. A. As tecnologias como ferramentas na educação linguística: a BNCC e a visão dos professores . Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Belo Horizonte-MG, v. 12, n. 2, p. 30–46, 2019. DOI: 10.17851/1983-3652.12.2.30-46. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16841. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia