Gêneros orais e normas linguísticas: análise de uma proposta de ensino no contexto digital

Autores

  • Luciana Chaves Pinheiro Universidade Estadual do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.12.2.47-61

Palavras-chave:

gêneros orais, norma linguística, material didático digital.

Resumo

RESUMO: Em função da necessidade constante de análise e discussão das práticas que envolvem o processo de ensino e aprendizagem da oralidade e dos gêneros orais em materiais didáticos de Língua Portuguesa, neste artigo procura-se analisar um material didático digital (MDD) em suporte DVD, parte integrante da coleção (versão professor) “Português Linguagens”, de William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães, que apresenta uma proposta de ensino com 14 gêneros orais. O foco será um dos aspectos dos gêneros tratado pelos autores: a adequação da linguagem à situação de produção. Nesse caso, evidencia-se a adequação ou não do uso dos termos norma-padrão e norma culta, tendo em vista o espaço discursivo, em que interlocutores, situação e contexto se encontram. Além disso, a partir dos gêneros selecionados na ferramenta digital, discute-se diferenças terminológicas e/ou conceituais de gênero discursivo e tipo de texto, como também a distinção entre gênero oral e oralização de texto escrito. O aporte teórico é constituído, especialmente, por Bakhtin (1997), Bonini (2011), Marcuschi (2008, 2010, 2011), Travaglia (2017), Faraco e Zilles (2017), Bagno (2002) e pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998). Os resultados revelam que o material digital analisado, apesar de apresentar a possibilidade de explorar diversos gêneros autenticamente orais, apresenta equívocos quanto à utilização de conceitos e terminologia, como norma-padrão e norma culta, e limitações, considerando os posicionamentos teóricos apresentados neste trabalho, quanto à abordagem do ensino dos gêneros orais.

PALAVRAS-CHAVE: gêneros orais; norma linguística; material didático digital.

 

ABSTRACT: Due to the constant need for analysis and discussion of practices involving teaching and learning process of orality and oral genres in didactic material of Portuguese Language, in this article we analyse a digital didactic material in DVD support, an integral part of the collection (teacher’s version) "Português Linguagens", written by William Roberto Cereja and Thereza Cochar Magalhães, which presents a teaching proposal with 14 oral genres. The focus is one of the aspects of the genres treated by the authors: the adequacy of the language to the context of production. In this case, the adequacy or not of the use of the terms standard-norm and culture-standard is evident, in view of the discursive space, where interlocutors, situation and context take place. In addition, from the selected genres in the digital tool, terminological and/or conceptual differences of discursive genre and type of text are discussed, as well as the distinction between oral genres and oralization of written text. The theoretical contribution is made by Bakhtin (1997), Bonini (2011), Marcuschi (2008, 2010, 2011), Travaglia (2017), Faraco and Zilles (2017), Bagno (2002) and the Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998). The results show that the digital material analysed, despite presenting the possibility of exploring several authentically oral genres, presents misunderstandings regarding the use of concepts and terminology, as standard norm and cultured norm, and limitations, considering the theoretical positions presented in this paper, concerning the approach of teaching oral genres.

KEYWORDS: oral genres; language norm; digital didactic material.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Chaves Pinheiro, Universidade Estadual do Ceará

Mestre em Linguística Aplicada - Universidade Estadual do Ceará

Referências

ALMEIDA, N.; ZAVAM, A. (org.). A língua na sala de aula: questões práticas para um ensino produtivo. Fortaleza: Perfil Cidadão, 2004.

AZEVEDO, V. T. G. Oralidade no livro didático: análise e concepção docente. 2016. 139f. Dissertação (Pós-Graduação em Letras) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 15. ed. Loyola: São Paulo, 2002.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BONINI, A. Mídia/suporte e hipergênero: os gêneros textuais e suas relações. RBLA, Belo Horizonte, v. 11, n. 3, p. 679-704, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v11n3/05.pdf. Acesso em: 09 abr. 2018.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília: SEF/MEC, 1998.

CEREJA, W.; COCHAR, T. Manual do Professor. In: Português Linguagens. 6º ano. 8. ed. (reformulada). São Paulo: Atual, 2014a.

CEREJA, W.; COCHAR, T. Português Linguagens. 6º ano. 8. ed. (reformulada). São Paulo: Atual, 2014b.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, B., DOLZ, J. (org.) Gêneros orais e escritos na escola. 2. ed. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2010, p. 125 a 155.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FARACO, C. A, ZILLES, A. M.. Para conhecer norma linguística. São Paulo: Contexto, 2017.

MARCUSCHI, L. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARCUSCHI, L. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros Textuais: configurações, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. São Paulo: Parábola, 2011, p. 17-31.

OLIVEIRA, M. L. G. A oralidade no livro didático de Língua Portuguesa. V Encontro de pesquisa, ensino e extensão da Faculdade Senac. 2011. Disponível em: http://www.faculdadesenacpe.edu.br/encontro-de-ensinopesquisa/2011/V/anais/poster/010_2011_poster.pdf. Acesso em: 02 fev. 2018.

PINHEIRO, L. C. Ferramentas digitais e livro didático: análise de uma proposta de ensino de oralidade. Dissertação (mestrado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza: CE, 2014.

ROJO, R.; SCHNEUWLY, B. As relações oral/escrita nos gêneros orais formais e públicos: o caso da conferência acadêmica. Linguagem em Discurso, v. 6, n. 3, 2006. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/346. Acesso em: 15 fev. 2017.

TRAVAGLIA, L. C. Gêneros orais – conceituação e classificação. Olhares & Trilhas, Uberlândia, vol. 19, n. 2, p. 1-8, jul./dez. 2017. Disponível em: http://www.ileel.ufu.br/anaisdosilel/wp-content/uploads/2014/04/silel2013_1528.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

Downloads

Publicado

2019-07-22

Como Citar

CHAVES PINHEIRO, L. Gêneros orais e normas linguísticas: análise de uma proposta de ensino no contexto digital . Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Belo Horizonte-MG, v. 12, n. 2, p. 47–61, 2019. DOI: 10.17851/1983-3652.12.2.47-61. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16842. Acesso em: 26 nov. 2021.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia