A inteligência artificial na educação

os desafios do ChatGPT

Autores

  • Karoline Santos Rodrigues Universidade Estadual do Goiás, Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias, Anápolis, Goiás, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5139-9950
  • Olira Saraiva Rodrigues Universidade Estadual do Goiás, Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias, Anápolis, Goiás, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2371-3030

DOI:

https://doi.org/10.1590/1983-3652.2023.45997

Palavras-chave:

Inteligência aumentada, Chatbots, Filosofia da tecnologia, ChatGPT

Resumo

Para discutir os impactos da difusão do acesso às plataformas de modelos de linguagem na educação, este estudo aponta para questões metodológicas e substantivas em torno da Inteligência Artificial (IA) generativa para o campo de humanidades digitais, que tem preocupado educadores, principalmente do Ensino Superior, em situações como plágio, desenvolvimento crítico e criatividade na textualidade contemporânea. Assim, o estudo tem como objetivo refletir, com base na Teoria Crítica da Tecnologia de Andrew Feenberg, como a IA pode ser potencializada frente ao embaraço aversivo comum ao que exige mudanças. Metodologicamente, a pesquisa é de natureza qualitativa, exploratória e o estudo apropria-se de uma pesquisa bibliográfica, cujas contribuições inerentes à concepção de IA têm base nas produções de Kaufman (2022) e Santaella (2021, 2023), que servem como premissa para relacionar as problematizações da IA com a Teoria Crítica da Tecnologia de Feenberg (2003, 2004). Dados apontam para duas vertentes: a primeira que situa a IA generativa como evento a ser inibido das instituições de ensino, devido à falta de regulamentações éticas, e outra que orienta potencializar o uso desses produtos com finalidade crítica, na perspectiva de inteligência aumentada. Em suma, o estudo aponta que a IA do tipo generativa é um campo que carece de regulamentações, mas que pode ser conduzida de maneira coletiva, principalmente dentro das Instituições de Ensino Superior, que têm o potencial de discutir essas questões de maneira crítica e com possibilidade de efeito de ação social, a considerar a tecnologia um estilo de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karoline Santos Rodrigues, Universidade Estadual do Goiás, Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias, Anápolis, Goiás, Brasil

Mestranda no programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias (PPG-IELT - UEG) e Bolsista da Fapeg. Especialista em Ensino de Humanidades e Linguagens (IFB) e em Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS (UCB). Licenciatura em Pedagogia e bacharel em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda. Professora na Secretaria Municipal de Educação Anápolis-GO. Membro do Grupo de Pesquisa LECCE - Letramentos, Cultura, Conectividade e educação, grupo que pertence à Secretaria Municipal de Educação de Anápolis e à Universidade Estadual de Goiás. Na linha de pesquisa estuda linguagem e práticas sociais na perspectiva da Cultura Digital.

Olira Saraiva Rodrigues, Universidade Estadual do Goiás, Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias, Anápolis, Goiás, Brasil

Professora e pesquisadora do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias da Universidade Estadual de Goiás (PPGIELT/UEG), Pós-doutorado pelo Departamento de Ciências da Comunicação e da Informação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto em Portugal (FLUP), Pós-doutorado em Estudos Culturais pela Faculdade de Letras (UFRJ), Doutorado em Arte e Cultura Visual (UFG), Mestrado em Educação (PUC-Goiás), Graduação em Letras (UEG). Líder do Grupo de Pesquisa LECCE - Letramentos, Cultura, Conectividade e Educação. Espelho do grupo: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/778741

Referências

BALTAR, Ronaldo. Professores serão substituı́dos pela inteligência artificial? Newsletters: LinkedIn Corporation, 2023.

BAUMAN, Zygmunt. A cultura no mundo lı́quido moderno. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

COECKELBERGH, Mark. AI ethics. Cambridge: MIT Press, 2020.

DE MORAES, João Antônio; MATILHA, Adriano. Todo poderoso GPT. Revista Humanitas, n. 162, p. 20–30, 2013.

DIJCK, José van. In data we trust? The implications of datafication for social monitoring. Matrizes, v. 11, n. 1, p. 39–59, abr. 2017. ISSN 1982-8160. DOI: 10.11606/issn.1982-8160.v11i1p39-59. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/131620. Acesso em: 1 set. 2023.

FEENBERG, Andrew. O que é filosofia da tecnologia. Tradução: Agustín Apaza. Conferência realizada para os estudantes universitários de Komaba em junho de 2003, sob o título de “What is Philosophy of Technology?”: [s.n.], 2003. Disponível em: https://www.sfu.ca/~andrewf/Feenberg_OQueEFilosofiaDaTecnologia.pdf. Acesso em: 25 mar. 2023.

FEENBERG, Andrew. Teoria Crítica da Tecnologia. Colóquio Internacional Teoria Crítica e Educação, Unimep, Ufscar, Unesp, 2004. Disponível em: https://www.sfu.ca/~andrewf/critport.pdf. Acesso em: 25 mar. 2023.

GOOGLE. Visualizador de livros Ngram. Disponível em: https://books.google.com/ngrams/. Acesso em: 1 mar. 2023.

KAUFMAN, Dora. Um projeto de futuro. Piauí, 2021. Disponível em: https://bit.ly/36SUw6S. Acesso em: 27 jul. 2023.

KAUFMAN, Dora. Desmistificando a inteligência artificial. Belo Horizonte: Autêntica, 2022.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MACLEAN, Ian. A discourse on the method of correctly conducting one’s reason and seeking truth in the sciences – Rene Descartes. New York: Oxford University Press, 2006.

MARQUES, Fabrício. O plágio encoberto em textos do ChatGPT. Pesquisa Fapesp, n. 326, p. 40–41, 2023. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/o-plagio-encoberto-em-textos-do-chatgpt/. Acesso em: 20 jul. 2023.

MASSAROO, João Carlos; MESQUITA, Dario (Ed.). Produção de Conteúdo: audiovisual multiplataforma. São Paulo: Soul, 2020.

NINIS, Alessandra Bortoni et al. O mito da neutralidade da ciência. In: NEDER, Ricardo T. (Ed.). Teoria crítica da tecnologia: experiências brasileiras. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina. UnB/Capes-Escola de Altos Estudos, 2013. p. 15–28.

RIBAS, Marcos. Aprendizagem e Inteligência na obra “Cibernética e Sociedade”, de Norbert Wiener. Linguagens, Tecnologias e pós-humanismo/ humanidades, Unicamp, 2020. Disponível em: https://www2.iel.unicamp.br/litpos/2020/06/12/aprendizagem-e-inteligencia-na-obra-cibernetica-e-sociedade-de-norbert-wiener/. Acesso em: 2 abr. 2023.

SANTAELLA, Lucia. Humanos hiper-hı́bridos: linguagens e cultura na segunda era da internet. São Paulo: Paulus, 2021.

SANTAELLA, Lucia. A inteligência artificial é inteligente? São Paulo: Almedina, 2023.

Downloads

Publicado

01-09-2023

Como Citar

RODRIGUES, K. S.; RODRIGUES, O. S. A inteligência artificial na educação: os desafios do ChatGPT. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 16, p. e45997, 2023. DOI: 10.1590/1983-3652.2023.45997. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/45997. Acesso em: 23 fev. 2024.