Preferência da criança pelo gênero do odontopediatra

  • Daniela Barbabela Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • João Paulo Tibães Mota Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Poliana Gonçalves Magalhães Maia Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Karina Bonanato Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Saul Martins Paiva Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Isabela Almeida Pordeus Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Resumo

O objetivo deste trabalho é avaliar a preferência da criança pelo gênero do cirurgião dentista quanto ao seu atendimento odontopediátrico. A amostra consistiu de 34 crianças, 16 meninas e 18 meninos, matriculados em uma escola pública de Belo Horizonte, MG, e seus pais. A idade das crianças variou de 4 a 6 anos. Foram enviados aos pais das crianças o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e um questionário abordando as experiências da criança com o atendimento médico e odontológico. A seguir, para cada criança foram mostradas 2 fotografias, sendo uma de um dentista do gênero masculino e outra do gênero feminino, e perguntado qual dos dois ela gostaria que fosse o seu dentista. A maioria das crianças entrevistadas (62%) preferiu ser atendida pelo dentista do sexo feminino, assim como os pais (68%). O gênero da criança mostrou ser a única variável que influenciou sua escolha. A chance de uma criança ter preferência por ser atendida por dentista de gênero igual ao dela foi 15 vezes maior do que a de ela preferir um profissional de gênero oposto, independentemente das demais variáveis (p=0,04). Conclui-se que o gênero da criança está diretamente associado à sua opção pelo gênero do cirurgião dentista que o atenderá, ou seja, as meninas preferencialmente gostariam de ser atendidas por dentistas mulheres, enquanto que os meninos preferiram ser atendidos por dentistas homens.
Descritores: Odontopediatria. Comportamento. Assistência odontológica para crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Barbabela, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Cirurgião-dentista, FO-UFMG
João Paulo Tibães Mota, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Cirurgião-dentista, FO-UFMG
Poliana Gonçalves Magalhães Maia, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Cirurgião-dentista, FO-UFMG
Karina Bonanato, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Doutoranda em Odontologia, FO-UFMG. Profa. da UNINCOR-BH
Saul Martins Paiva, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Prof. Adjunto, Dept. Odontopediatria e Ortodontia, FO-UFMG
Isabela Almeida Pordeus, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Profa. Titular, Dept. Odontopediatria e Ortodontia, FO-UFMG

Referências

1 - Aragone PN, Vicente SP. Aspectos psicológicos na clínica Odontopediátrica aplicados à relação criança X família X dentista. J Bras
Odontopediatr Odontol Bebê 1999; 2:23-7.
2 - Ramos-Jorge ML, Paiva SM. Comportamento Infantil no Ambiente Odontológico: Aspectos Psicológicos e Sociais. J Bras Odontopediatr
Odontol Bebê 2003; 6:70-4.
3 - Delgado A, Martinez-Cañavate T, Garcia V, Frias J, Rueda T, Morata J. Preferencias y estereotipos de los pacientes sobre el género del médico de familia. Aten Primaria 1999; 5:268-74.
4 - Ahmad F, Gupta H, Rawlins J, Stewart DE. Preferences for gender of family physician among Canadian European-descent and South-
Asian immigrant women. Fam Pract. 2002; 2:146-53.
5 - Rosenblatt A, Colares V. As emoções da criança pré-escolar no consultório odontológico-uma abordagem psicossomática. JBP Rev Ibero-Am Odontopediatr Odontol Bebê 2004; 7:198-203.
6 - Turow JA, Sterling RC. The role and impact of gender and age on children´s preferences for pediatricians. Amb Ped. 2004; 4:340-3.
7 - Watt RG. Emerging theories into the social determinants of heath: implications for oral heath promotion. Community Dent Oral Epidemiol.
2002; 30:241-7.
8 - Peretz B, Zadik D. Attitudes of parents towards their presence in the operatory during dental treatments to their children. J Clin Pediatr Dent.
1998; 23:27-30.
9 - Peretz B, Glaicher H, Ram D. Child-management techniques. Are there differences in the way female and male pediatric dentists in Israel
practice? Braz Dent J. 2003; 14:82-6.
10 - Scott A, Watson MS, Ross S. Eliciting preferences of the community for out of hours care provided by general practitioners: a stated discrete choice experiment. Soc Sci Med. 2003; 56: 803-14.
11 - Spitz RA. O papel das relações mãe-filho no desenvolvimento do bebê. In: ______. O Primeiro Ano de Vida. 2 ed. São Paulo: Martins
Fontes, 1998; 123-47.
12 - Moraes ABA. Psicologia e saúde bucal: circunscrevendo o campo. In: Kerbauy RR. Comportamento e Saúde. Santo André: Arbytes; 1999.
13 - Campbell A, Shirley L, Caygill L. Sex-typed preferences in three domains: do two-year-olds need cognitive variables? Br J Psychol. 2002;
93:203-17.
14 - Filder H, Hartnet A, Cheng-Man K, Derbyshire I, Sheil M. Sex and familiarity of colonoscopists: patient preferences. Endoscopy
2000; 32:481-2.
15 - Wassem M, RyanM. “Doctor” or “Doctora”:do Patients Care? Pediatr Emerg Care 2005;21:515-7.
Publicado
2016-03-14
Como Citar
Barbabela, D., Mota, J. P. T., Maia, P. G. M., Bonanato, K., Paiva, S. M., & Pordeus, I. A. (2016). Preferência da criança pelo gênero do odontopediatra. Arquivos Em Odontologia, 44(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3467
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)