Avaliação do conhecimento e práticas dos pais quanto a saúde bucal dos filhos de 3 a 9 anos de idade: um estudo piloto

  • Yara Mendes dos Santos
  • Maria Letícia Ramos- Jorge Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri -UFVJM
  • Saul Martins Paiva Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Meire Coelho Ferreira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri -UFVJM

Resumo

Objetivo: Avaliar o conhecimento e práticas de pais quanto a saúde bucal dos filhos entre 3 e 9 anos de idade, atendidos em um consultório particular. Materiais e Métodos: A amostra foi composta de 21 crianças/pais. A coleta de dados foi realizada através de exame clínico das crianças e de questionário
auto-aplicado aos pais durante as consultas odontológicas. Os dados foram submetidos à análise descritiva e aos testes Qui-quadrado (χ2) e Exato de Fisher (a < 0,05). Resultados: Para 85,7% dos responsáveis, o fator causal para cárie dentária foi “não escovar os dentes”, assim como para a amostra total quanto à doença periodontal. Somente 14,3% dos responsáveis considerou que a alimentação influencia na saúde dental, 57% não souberam dizer qual a função do flúor e 52,4% não souberam dizer quais produtos contém flúor. Em 57% das crianças, a higiene bucal era executada pelo responsável, no entanto, somente 38% desses dispensava o creme dental na escova. Noventa por cento das crianças consumiam açúcar mais de 3X/semana, sendo que 47,6% do consumo ocorria durante as refeições principais. Associação significativa foi observada entre “responsável assalariado ou não” e “frequência de higiene bucal da criança”, entre “renda familiar mensal” e “frequência de higiene bucal da criança” (p = 0,030; 0,032, respectivamente). Conclusão: Apesar dos responsáveis já terem tido contato com o cirurgião dentista e seus filhos estarem em tratamento odontológico, os conhecimentos que detém sobre saúde bucal são superficiais, tanto quanto aos fatores causais das doenças
bucais mais prevalentes, como em relação a produtos de higiene. Desta forma, é preciso que ações educativopreventivas sejam construídas em bases sólidas a fim de que o conhecimento repassado aos responsáveis/
filhos possibilite o estabelecimento de práticas de forma constante e segura para a manutenção e/ou aquisição de saúde bucal.
Descritores: Prática privada. Saúde bucal. Pais. Criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yara Mendes dos Santos
Cirurgiã-dentista
Maria Letícia Ramos- Jorge, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri -UFVJM

Departamento de Odontologia, Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG, Brasil

Saul Martins Paiva, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Odontopediatria e Ortodontia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo
Horizonte, MG, Brasil

Meire Coelho Ferreira, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri -UFVJM
Departamento de Odontologia, Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG, Brasil

Referências

1. Silva RHA, Castro RFM, Bastos JRM, Camargo LMA. Análise das diferentes manifestações de cultura quanto aos cuidados em saúde bucal em moradores da região rural ribeirinha em Rondônia Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15:1475-80.
2. Ismail AI, Sohn W. The impact of universal access to dental care on disparites in caries experience in children. J Am Dent Assoc. 2001; 132:295-303.
3. Peterson GH, Isberg PE, Twetman S. Caries risk assessment in school children using a reduced cariogram model without saliva test. BMC Oral Health. 2010; 10:5.
4. Peres KGA, Bastos JRM, Latorre MRDO. Severidade de cárie em crianças e relação com aspectos sociais e comportamentais. Rev Saúde Pública. 2000; 4:402-8.
5. Mashoto KO, Astrom NA, Skeie MS, Masalu JR. Socio-demographic disparity in oral healf among the poor: a cross sectional study of early
adolescents in kilwa district, Tanzânia. BMC Oral Health. 2010; 10:7.
6. Pauleto ARC, Pereira MLT, Cyrino EG. Saúde bucal: uma revisão crítica sobre programações educativas para escolares. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9:121-31.
7. Santos APP, Soviero VM. Caries prevalence and risk factors among children aged 0 to 36 months. Pesqui Odontol Bras. 2002; 16:203-8.
8. Masiga MA. Presenting chief complaints and clinical characteristics among patients attending the Department of Paediatric Dentistry Clinic at the University of Nairobi Dental Hospital. East
Afr Med J. 2005; 82:652-5.
9. Hausen H, Seppa L, Poutanen R, Niinimaa A, Lahti S, Kärkkäinen S, et al. Noninvasive controlof dental caries in children with active initial lesions. A randomized clinical trial. Caries Res. 2007; 41:384-91.
10. Moskovitz M, Abud W, Ram D. The influence of an oral health education program provided in a community dental clinic on the prevalence of caries among 12-14 year-old children. J Clin
Pediatr Dent. 2009; 33:259-64.
11. Christensen LB, Petersen PE, Hede B. Oral health in children in Denmark under different public dental health care schemes. Community Dent Health. 2010; 27:94-101.
12. Seow WK, Clifford H, Battistutta D, Morawska A, Holcombe T. Case-control study of early childhood caries in Australia. Caries Res 2009; 43:25-35.
13. Organização Mundial de Saúde. Levantamentos básicos em saúde bucal. 4ª ed. São Paulo: Santos; 1999.
14. Petry PC, Pretto SM. Educação e motivação em saúde bucal. In: Kriger L (coord.). ABOPREV: Promoção de Saúde Bucal. 2ª ed. São Paulo: Artes Médicas; 1999. p.363-70.
15. Cypriano S, Sousa MLR, Wada RS. Avaliação de índices CPOD simplificados em levantamentos epidemiológicos de cárie dentária. Rev Saúde Pública. 2005; 39:285-92.
16. Migliato KL, Mendes ER, Souza LZ, Cortellazzi KL, Mistro FZ, Paganini GA, et al. Avaliação de um programa educativo preventivo desenvolvido entre a Uniararas e a usina São João de Araras,
SP. RFO UPF. 2008; 13:14-8.
17. Fadel CB, Saliba NA, Moimaz AS. Relação materno infantil: uma abordagem interdiciplinar e seus desdobramentos para odontologia. Arq Odontol. 2008; 44:42-8.
18. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Resultados principais. Série C. Projetos, Programas e Relatórios. Brasília – DF. 2004.
19. Murthy GA, Mohandas U. The knowledge, attitude and practice in prevention of dental caries amongst pediatricians in Bangalore: a
cross-sectional study. J lndian Soc Pedod Prev Dent. 2010; 28:100-3.
20. Tomita NE, Nandanovsky P, Vieira AL, Lopes ES. Preferências por alimentos doces e cárie dentária em pré-escolares. Rev Saúde Pública.
1999; 33:542-6.
21. Verrips GH, Kaisbeek H, Eijkman MAJ. Ethnicity and maternal education as risk indicators for dental caries, and the role of dental behaviour. Community Dent Oral Epidemiol. 1993; 21:209- 14.
22. Couto CMM, Rio LMSP, Martins RC, Martins CC, Paiva SM. A percepção de mães pertencentes a diferentes níveis sócio-econômicos sobre a saúde bucal dos seus filhos bebês. Arq Odontol. 2001; 37:121-32. Conhecimento e práticas dos pais quanto a saúde bucal dos filhos
219-229, Arq Odontol, Belo Horizonte, 47(4): out/dez 2011 229
23. Figueira TR, Leite ICG. Conhecimento e práticas de pais quanto à saúde bucal e suas influências sobre cuidados dispensados aos filhos. Pesqui Bras Odontopediatria Clin Integr. 2008; 8:87-92.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Santos, Y. M. dos, Jorge, M. L. R.-, Paiva, S. M., & Ferreira, M. C. (2016). Avaliação do conhecimento e práticas dos pais quanto a saúde bucal dos filhos de 3 a 9 anos de idade: um estudo piloto. Arquivos Em Odontologia, 47(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3582
Seção
Artigos