Pesquisa de Staphylococcus spp. em queijos “Minas Frescal” feitos a partir de leite cru e comercializados no município de Formiga-MG

Autores

  • João Victor Ferreira Campos Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG) . Formiga, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0902-0000
  • Luiza Camattari Resende Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG) . Formiga, MG. Brasil.
  • Acácio Freire Bastos Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG) . Formiga, MG. Brasil.
  • Mariana Oliveira Silva Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) .Belo Horizonte, MG. Brasil.
  • Leonardo Borges Acurcio Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG) . Formiga, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2981-5479

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2021.32993

Palavras-chave:

Contaminação, Doenças transmitidas por Alimentos, Micro- organismo Patogênico

Resumo

O queijo “Minas Frescal”, de acordo com a legislação, é definido como o queijo fresco obtido por coagulação enzimática do leite com coalho e/ou outras enzimas coagulantes apropriadas, complementada ou não com ação de bactérias lácticas específicas. A legislação brasileira exige que estes sejam elaborados a partir de leites pasteurizados e proíbe a comercialização quando elaborados com leite cru pois, assim, podem ser importantes veículos de micro-organismos patogênicos. O objetivo deste trabalho foi analisar a presença de Staphylococcus spp. em queijos do tipo “Minas Frescal” elaborados de forma artesanal (com leite cru) e comercializados em mercados locais do município de Formiga – MG. O padrão microbiológico para este micro-organismo está definido em seu regulamento técnico de identidade e qualidade. O plaqueamento em Ágar Sal Manitol foi realizado em busca de Staphylococcus spp. e afim de diferenciar S. aureus de S. não aureus.  Os resultados das amostras analisadas foram sugestivos para a presença de Staphylococcus aureus (104 to 106 UFC/g), ultrapassando os limites máximos permitidos estabelecidos (102 UFC/g). Pode-se concluir que os queijos não estavam aptos para consumo pela elevada contagem de Staphylococcus spp., que pode se dar pelo fato destes serem elaborados a partir de leite cru.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. 1969. Decreto de lei nº 923. Comercialização do leite. Ministério da Marinha de Guerra, do exército e da Aeronáutica Militar. 31 de agosto de 1969.

Brasil. 1996. Portaria nº 146. Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade dos Produtos Lácteos. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 7 de março de 1996.

Brasil. 1997. Portaria nº 451. Boas Práticas de Produção de Alimentos e Prestação de Serviços na área da Alimentação. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. 19 de setembro de 1997.

Brasil. 2013. Instrução normativa nº 57. Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 11 de dezembro de 2013.

Dittmann, K.K.; Chaul, L.T.; Lee, S.H.I.; Corassin, C.H.; Carlos, A.F.O.; Martinis, E. C. P.; Alves F.V.; Lone, O.V.G. 2017. Staphylococcus aureus in Some Brazilian Dairy Industries: Changes of Contamination and Diversity. Frontiers in Microbiology, 8:2049. http://dx.doi.org/10.3389/fmicb.2017.02049

Filho, E.S.A.; Filho, A.N. 2000. Ocorrência de Staphylococcus aureus em queijo tipo “frescal.” Revista de Saúde Pública, 3: 578–580.

Forsythe, S.J. 2013. Microbiologia da segurança dos alimentos. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

Grace, F.W.; Havellar, A.H. 2020. Milk Symposium review: Foodborne diseases from milk and milk products in developing countries – Review of causes and health economic implications. Journal of Dairy Sciences, 103: 9715-9729. https://doi.org/10.3168/jds.2020-18323

Heilmann, C.; Ziebuhr, W.; Becker K. 2019. Are coagulase-negative staphylococci virulent? Clinical Microbiology and Infection, 25:1071-1080. https://doi.org/10.1016/j.cmi.2018.11.012

Lima, A.A.L.; Cardoso, A.J.V.S. 2019. Qualidade microbiológica de queijo Minas frescal, artesanal, comercializados em feiras livres do Distrito Federal. Brazilian Journal of Development, 5: 13673-13688. http://dx.doi.org/ 10.34117/bjdv5n9-005

Lindsay, D.; Robertson, R.; Fraser, R.; Engstrom, S.; Jordan, K. 2021. Heat induced inactivation of microorganisms in milk and dairy products, International Dairy Journal, 121: 105096. https://doi.org/10.1016/j.idairyj.2021.105096.

Martins, E. 2012. Associação de bacteriocinas e bactérias lácticas para inibição de Staphylococcus aureus em queijo Minas frescal. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 39f. Dissertação (Mestrado em Microbiologia Agrícola).

Rosa, D.L.S.O.; Acurcio, L.B.; Sant’Anna, F.M.; Castro, R.D.; Rosa, B.O.; Sandes, S.H.C.; Silva, A.M.; Souza, M.R.; Cerqueira, M.M.O.P. 2015. Detecção de genes toxigênicos, susceptibilidade antimicrobiana e antagonismo in vitro de Staphylococcus spp. isolados de queijos artesanais. Vigilância Sanitária Em Debate, 3:37–42. https://doi.org/10.3395/2317-269x.00226

Santos, T.S.; Carvalho, D. A. 2013. Atuação e importância do médico veterinário na cadeia produtiva do leite. Veterinária Em Foco, 10:149–158.

Santos, E.V.; Cesar, E.L.; Virginio, G.V.; Neto, J.F.; Santos, C.C.L.; Sousa, P.E. 2019. Influência do revestimento comestível à base de fécula de mandioca e óleo essencial na conservação de queijo minas frescal. Revista Principia - Divulgação Científica e Tecnológica do IFPB, 1:45. http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n45p76-89

Vinha, M.B.; Pinto, C.L.O.; Chaves, J.B.P. 2018. Estafilococos coagulase positiva em queijos Minas Frescal produzidos em agroindústrias familiares. Revista do Instituto Laticínios Cândido Tostes, 73: 62-72. https://doi.org/10.14295/2238-6416.v73i2.656

Zurita, J.; Mejía, C.; Blanco, M.G. 2010. Diagnóstico e teste de sensibilidade para Staphylococcus aureus resistente à meticilina na América Latina.The Brazilian Journal of Infectious Diseases, 14: 97-107. https://doi.org/10.1590/S1413-86702010000800005

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Campos, J. V. F. ., Resende, L. C. ., Bastos, A. F. ., Silva, M. O. ., & Acurcio, L. B. (2021). Pesquisa de Staphylococcus spp. em queijos “Minas Frescal” feitos a partir de leite cru e comercializados no município de Formiga-MG. Caderno De Ciências Agrárias, 13, 1–5. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2021.32993

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS