Árbitro ou arbitrário? Análise da autobiografia de Dalmo Bozzano

Conteúdo do artigo principal

Daniel Minuzzi de Souza
André Mendes Capraro
Wanderley Marchi Júnior

Resumo

Este artigo faz uma análise historiográfica esportiva da obra Dalmo Bozzano: Árbitro ou Arbitrário, fonte autobiográfica publicada em 2007. No livro, são apresentadas memórias deste ex-árbitro de futebol, o primeiro catarinense a integrar o quadro da FIFA. Objetivamos conhecer o contexto de produção da autobiografia, verificar as fontes utilizadas pelo autor, identificar os principais momentos da sua carreira a partir de suas memórias e dialogar com os conceitos de memória individual e coletiva propostos por Pollak. Para o desenvolvimento do trabalho, foi feita a leitura da autobiografia e uma entrevista semiestruturada com o autor por meio de videochamada. Dividimos a análise em dois eixos: 1) o livro de cunho autobiográfico; 2) a arbitragem na vida de Dalmo Bozzano. A partir destas, foi possível observar a presença de um discurso lúdico, o envolvimento e manutenção da família Bozzano com o futebol e a idealização do passado baseada em um discurso individual e coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUZA, D. M. de; BOSCHILIA, B. .; CAPRARO, A. M.; MARCHI JÚNIOR, W. Árbitro ou arbitrário? Análise da autobiografia de Dalmo Bozzano. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 6, n. 3, p. 130–152, 2022. DOI: 10.35699/2526-4494.2021.33458. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/33458. Acesso em: 24 abr. 2024.
Seção
PARALELAS
Biografia do Autor

Bruno Boschilia, UFPR

Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2005), Especialista em Gestão Pública pela Faculdade Bagozzi (2016), Mestre em Educação Física - UFPR (2008) e doutorando em Educação Física - UFPR (2020-2024). Atua como Orientador em Esporte e Lazer na Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude da Prefeitura Municipal de Curitiba. Árbitro assistente de futebol integrante dos quadros da Fedération Internationale de Football Association (FIFA), Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Federação Paranaense de Futebol (FPF). Tem experiência na área de Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: educação física, sociologia do esporte e futebol.

André Mendes Capraro, UFPR

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (1997), graduação em Psicologia pela Universidade Tuiuti do Paraná (1999), mestrado em História pela Universidade Federal do Paraná (2002) e doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná (2007). Cursou o estágio pós-doutoral na Università Ca Foscari di Venezia (2012-2013). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Paraná. Também é professor permanente do programa de Pós Graduação (mestrado/doutorado) em Educação Física; parecerista de revistas científicas nas áreas de Educação Física, História e Ciências Humanas; integrante do Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva (parceria entre Ministério da Cidadania e UFPR); avaliador institucional e de cursos de graduação (INEP); e membro da International Sociology of Sport Association (ISSA) e da Società Italiana di Storia dello Sport (SISS). Tem experiência na área de Educação Física e História, com ênfase na confluência entre Humanidades e esporte. Pesquisa atualmente os seguintes temas: literatura esportiva, história das lutas, artes marciais e esportes de combate (com ênfase no MIxed Martial Arts - MMA), história do futebol, o conceito de esporte, memória esportiva (História Oral) e a turismo esportivo.

Wanderley Marchi Júnior, UFPR

possui graduação em Educação Física e Técnico Desportivo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1987), mestrado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1994), doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2001) e pós-doutorado em Sociologia do Esporte pela West Virginia University/USA (2012). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Sociologia do Esporte, atuando principalmente nos seguintes temas: esporte, voleibol, educação física, sociologia do esporte e história do esporte. Atua nos programas de pós-graduação, nível de mestrado e doutorado, respectivamente nos departamentos de Educação Física e de Ciências Sociais da Universidade Federal do Paraná. Coordena o grupo de pesquisa CEPELS/Centro de Pesquisas em Esporte, Lazer e Sociedade/UFPR, cadastrado no CNPq. Foi presidente da Asociación Latinoamericana de Estudios Socioculturales del Deporte/ALESDE (2014-2018). É Editor-Correspondente da International Review for the Sociology of Sport/IRSS - Revista da International Sociology of Sport Association/ISSA e foi membro do Editorial Board do Journal of Sport Sociology/JSS da North American Society of Sport Sociology/NASSS. Foi Editor-chefe da JLASSS/Revista da ALESDE (2010-2014) e membro do Extended Board da International Sociology of Sport Association/ISSA (2012-2019). É pesquisador do Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva/UFPR/Ministério da Cidadania/Brasil.

Share |

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memória, narrativas e pesquisa au-tobiográfica. In: Revista História da Educação, 2003, n. 14, p. 79-95.

ALBERTI, Verena. Histórias dentro da História. In: PINSKY, Carla Bassanezi. (Org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2020.

BARROS, José D’Assunção. Fontes Históricas – um caminho percorrido e perspectivas sobre os novos tempos. In: Revista Albuquerque, v. 3, n. 1, 2010.

BOZZANO, Dalmo. Dalmo Bozzano: árbitro ou arbitrário. Florianópolis, 2007.

BOZZANO, Dalmo. Entrevista de Dalmo Bozzano. Transcrição da entrevista concedida a Bruno Boschilia e Daniel Minuzzi de Souza. 05 jan. 2021.

CAMARGO, Rosa Rodrigues Martins de. Sobre leitura e escritos autobiográfi-cos: apontamentos teóricos. In: ______. (Org.). Leitura e escrita como espa-ços autobiográficos de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. DOI: https://doi.org/10.7476/9788579831263

CANDAU, Joël. Antropologia da memória. Lisboa: Instituto Piaget, 2013.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2014.

CARVALHO, Edilson Pereira de. Cartão vermelho. São Bernardo do Campo: Mundo Editorial, 2006.

CORNELSEN, Elcio Loureiro. Memória e futebol no Brasil: escritas da vida de jogadores brasileiros. História: Questões & Debates, v. 68, n. 2, p. 133-159, ago. 2020. Disponível em: https://bityli.com/vfXXab. Acesso em: 12 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.5380/his.v68i2.72559

IFAB. Regras de Futebol 2021/2022. Rio de Janeiro: Confederação Brasileira de Futebol, 2021.

COELHO, Arnaldo Cezar. A regra é clara. São Paulo: Globo, 2002.

CBF. Relatório de impacto do Futebol Brasileiro. Rio de Janeiro, CBF, 2019.

DESTRO, Daniel. Grandes árbitros do futebol brasileiro. São Paulo, 2018.

GIGLIO, Sérgio Settani; PRONI, Marcelo Weishaupt. (Orgs.). O futebol nas ci-ências humanas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2020. DOI: https://doi.org/10.7476/9786586253467

GIGLIO, Sérgio Settani; SPAGGIARI, Enrico. A produção das ciências huma-nas sobre futebol no Brasil: um panorama (1990-2009). Revista de História, n. 163, p. 293-350, 2010. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i163p293-350

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

LINO, Teodoro Castro. Segue o jogo! 100 anos da arbitragem brasileira de fu-tebol. Rio de Janeiro: Bonecker, 2018.

MARSIGLIA, Renato. Por dentro da Copa de 1994. Porto Alegre: Editora Tchê, 1994.

MARTIN, Lucas Ferreira. A figura do árbitro de futebol no Brasil: um livro-reportagem sobre a arbitragem de futebol desde a formação até a atuação em jogos profissionais. Relatório (mestrado profissional). Universidade Federal de Uberlândia, 2017.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 2005.

NOSSO CRAQUE. “Nosso craque” com Dalmo Bozzano, o maior árbitro de Santa Catarina. Balanço Geral Blumenau, 30 ago. 2019. Disponível em https://bityli.com/WbgmQ. Acesso em: 11 fev. 2022.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2012.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Rio de Janeiro: Estudos Históricos, v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Rio de Janeiro: Estudos His-tóricos, v. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

POLIDORO JÚNIOR. “Polidoro entrevista Dalmo Bozzano, o árbitro número 1 do futebol catarinense de todos os tempos”. Disponível em: https://bityli.com/hFGtlt. Acesso em: 11 fev. 2022.

QUARANTA, André Marsiglia et al. Interseções entre os campos esportivos e científico: a sociologia do esporte como elemento comum (2011-2018). Movimento, Porto Alegre, dez. 2021. Disponível em: https://bityli.com/wAUUoR. Acesso em: 11 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.117275

SANTOS-LISE, Natasha. Arsenal, We’re on your Side: uma análise do futebol em Nick Hornby. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

SILVA, Valdete Nunes. Limites entre o real e o ficcional uma leitura de douleur exquise, de Sophie Calle. Disponível em: https://bityli.com/nsDUb. Acesso em: set. de 2021.

TAYLOR, Matthew. De fonte a objeto: esporte, história e autobiografia. Recor-de: Revista de História do Esporte, v. 6, n. 2, jul.-dez. 2013, p. 1-40.