O Uso do Livro Didático de Ciências de 6º a 9º Ano: Um Estudo com Professores Brasileiros

Palavras-chave: livro didático de Ciências, uso do livro didático, Ensino Fundamental, Programa Nacional do Livro Didático

Resumo

O livro didático (LD) de Ciências possui ainda em dias atuais um papel central nos processos pedagógicos nas escolas brasileiras. O objetivo desta investigação é identificar os usos do LD de Ciências nas práticas pedagógicas de professores dos anos finais do Ensino Fundamental. Para isso, realizou-se um estudo com a participação de 427 professores de Ciências das escolas públicas brasileiras deste nível de ensino. Os resultados revelam que o LD de Ciências continua a ser um recurso amplamente utilizado entre os professores investigados. Ainda, o LD possui grande importância como elemento norteador do planejamento, da preparação das aulas e como material de atualização e formação do docente. Por último, são sugestões deste trabalho a manutenção e o fortalecimento do Programa Nacional do Livro Didático enquanto uma política de Estado para o benefício dos estudantes da rede pública, bem como a adoção de um modelo desse programa em que o LD se torne um recurso consumível pelos alunos, podendo ser transportado livremente entre escolas e domicílios, potencializando o uso desse material. Sugere-se ainda um olhar mais atento às formações inicial e continuada de professores de Ciências para as questões referentes ao uso do LD nos processos pedagógicos da Educação Básica, acreditando que um docente que tenha acesso a essas possibilidades possa se tornar um profissional com maior conhecimento sobre as várias formas de usos do LD em seu trabalho.

Biografia do Autor

Marcelo D'Aquino Rosa, Unicamp / Programa de Pós-Graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática/PECIM

Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas (UFSC). Mestre em Educação Científica e Tecnológica pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT - UFSC). Doutorando no Programa de Pós-Graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM - Unicamp).

Referências

Agresti, A. (2010). Analysis of Ordinal Categorical Data. 2ª ed. New Jersey: John Wiley & Sons.

Alves-Mazzoti, A. J., & Gewandsznajder, F. (2004). O método nas ciências naturais e sociais. São Paulo: Ed. Pioneira.

Artuso, A. R. (2013). Usos do livro didático de física segundo alunos. In IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (IX ENPEC). Águas de Lindóia, SP.

Artuso, A. R. (2014). Para que serve o livro didático de Física? – as respostas dos professores. In VII Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (VII ENDIPE). Fortaleza, CE.

Artuso, A. R., & Appel, J. F. (2015a). A dinâmica de aula e sua relação com o livro didático segundo professores de física do Ensino Médio. In XXI Simpósio Nacional de Ensino de Física (XXI SNEF). Uberlândia, MG.

Artuso, A. R. (2015b). Diferenças da dinâmica de aula e sua relação com o livro didático de física. In XXI Simpósio Nacional de Ensino de Física (XXI SNEF). Uberlândia, MG.

Artuso, A. R., De Martino, L. H., Costa, H. V., & Lima, L. (2019). Livro didático de física – quais características os estudantes mais valorizam?. Revista Brasileira de Ensino de Física, 41(4), e20180292.

Artuso, A. R., Silva, K. V. D., & Portela, C. D. P. The uses of Brazilian high school physics textbooks: does the teachers’ academic background matter? In 15th IARTEM Conference. Odense, Dinamarca.

Baganha, D. E. (2010). O papel e o uso do livro didático de ciências nos anos finais do ensino fundamental. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Barboza, S. I. S., Carvalho, D. L. T., Neto, J. B. S., & Costa, F. J. (2013). Variações de Mensuração pela Escala de Verificação. Teoria e Prática em Administração, 3(2), 99–120.

Bizzo, N. M. V. (2009). Ciências: fácil ou difícil. São Paulo: Ed. Biruta.

Borges, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de Ciências. Cad. Bras. Ens. Fís., 19(3), 291–313.

Brasília. (2013). Guia de livros didáticos: PNLD 2014: Ciências: Ensino Fundamental: anos finais. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Brasília. (2015). Guia de livros didáticos: PNLD 2017: Ciências: Ensino Fundamental: anos finais. – Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Recuperado de http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guias-do-pnld/escolha-pnld-2017

Britto, T. F. (2011). O Livro Didático, o Mercado Editorial e os Sistemas de Ensino Apostilados. Brasília: Centro de Estudos da Consultoria do Senado.

Bolfarine, H., & Bussab, W. O. (2005). Elementos de Amostragem. São Paulo: Edgar Blucher.

Certeau, M. de. (2011). A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer. Petrópolis: Ed. Vozes.

Chiarello, C. O. V. (2019). Promoção e prevenção de saúde mental na universidade com auxílio da análise fatorial: uma visão em Ciência, Tecnologia e Sociedade. (Dissertação de Mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade). Instituto Federal do Paraná, Paranaguá.

Choppin, A. (2004). História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, 30(3), 549–566.

Damásio, B. F. (2012). Uso da Análise Fatorial Exploratória em Psicologia. Avaliação Psicológica, 11(2), 213–228.

Decreto nº 91.542, de 19 de Agosto de 1985 (1985). Institui o Programa Nacional do Livro Didático, dispõe sobre sua execução e dá outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 - 20/8/1985, Página 12178 (Publicação Original) Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1980-1987/decreto-91542-19-agosto-1985-441959-publicacaooriginal-1-pe.html

Delizoicov, N. C. (1995). O professor de Ciências Naturais e o livro didático (No Ensino de Programas de Saúde). (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Di Giorgi, C. A. G., Militão, S. C. N., Militão, A. N., Perboni, F., Ramos, C. R., Lima, V. M. M., & Leite, Y. U. F. (2014). Uma proposta de aperfeiçoamento do PNLD como política pública: o livro didático como capital cultural do aluno/família. Ensaio – Aval. Pol. Públ. Educ., 22(85), 1027–1056.

Echeverría, A. R., Mello, I. C., & Gauche, R. (2010). Livro Didático: Análise e utilização no Ensino de Química. In W. L. P. Santos, & O. A., Maldaner (Orgs.). Ensino de Química em Foco (pp. 263–286). Ijuí, RS: Ed. Unijuí.

El-Hani, C. N., Roque, N., & Rocha, P. L. B. (2011). Livros Didáticos de Biologia do Ensino Médio: Resultados do PNLEM/2007. Educação em Revista, 27(1), 211–240.

Fracalanza, H. (2005). A pesquisa sobre o livro didático de Ciências no Brasil. In M. I. P., Rosa (Org.). Formar: encontros e trajetórias com professores de Ciências (pp. 41–80). São Paulo, SP: Escrituras Editora.

Fracalanza, H., & Megid Neto, J. (2006). Livro Didático de Ciências no Brasil: a pesquisa e o contexto. In H. Fracalanza, H. & J. Megid Neto (Orgs.). O Livro Didático de Ciências no Brasil. Campinas, SP: Ed. Komedi.

Garcia, N. M. D. (2012). Livro didático de Física e de Ciências: contribuições das pesquisas para a transformação do ensino. Educar em Revista, 44, 145–163.

Güllich, R. I. C., Kierepka, J. S. N., Knapp, J. S. F., & Pinheiro, E. C. (2014). Livro didático, formação e prática docente em Ciências. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, 4(1), 21–32.

Guimarães, F. M., Megid Neto, J., & Fernandes, H. L. (2011). Como os professores de 6º ao 9º anos usam o livro didático de ciências. In VIII Encontro nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (VIII ENPEC), Campinas, SP.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., Black, W. C. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Ed. Bookman.

Höfling, E. M. (2000). Notas para discussão quanto à implementação de programas de governo: em foco o Programa Nacional do Livro Didático. Educação & Sociedade, 21(70), 159–170.

Issitt, J. (2004). Reflections on the study of textbooks. History of Education, 33(6), 683–696.

Lajolo, M. (1996) Livro Didático: um (quase) manual de usuário. Revista Em Aberto (INEP), 16(69), 2–9.

Lima, A. A., Belmar, C. C., & Perrelli, M. A. S. (2013). A escolha e o uso do livro didático de Biologia, Ciências e Matemática pelo professor: as pesquisas que abordam essa temática. In IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (IX ENPEC), Águas de Lindóia, SP.

Magalhães Júnior, C. A. O., & Pietrocola, M. (2011). Atuação de Professores Formados em Licenciatura Plena em Ciências. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia (UFSC), 4(1), 175–198.

Maroco, J. (2011). Análise Estatística com o SPSS Statistics. 5ª ed., Portugal: Report Number.

Martins, I. (1997). O papel das representações visuais no ensino-aprendizagem de Ciências. In I Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Águas de Lindóia, São Paulo.

Megid Neto, J., & Fracalanza, H. (2003). O livro didático de Ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, 9(2), 147–157.

Mingotti, S. A. (2007). Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada – Uma Abordagem Aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Miranda, L. C. (2009). Alguns aspectos que influenciam a escolha e o uso do livro didático pelos professores de Ciências Naturais na Educação Básica. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Mohr, A. (2000). Análise do conteúdo de ‘saúde’ em livros didáticos. Ciência & Educação, 6(2), 89–106.

Molina, O. (1987). Quem engana quem: Professor x Livro didático. Campinas: Ed. Papirus.

Munakata, K. (2016). Livro didático como indício da cultura escolar. História da Educação, 20(50), 119–138.

Nardi, R. (1999). A avaliação de livros e materiais didáticos para o ensino de Ciências e as necessidades formativas do docente. In M. A. V., Bicudo, & C. A. S., Junior (Orgs.). Formação do educador e avaliação educacional (4, pp. 93–103). São Paulo, SP: Ed. Unesp.

Nuñez, I. B., Ramalho, B. L., Silva, I. K. P., & Campos, A. P. N. (2001). O livro didático para o ensino de ciências. Selecioná-los: um desafio para os professores do ensino fundamental. In III Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Atibaia, SP.

Pacheco, D. (1983). Tarefa de escola. Campinas: Ed. Papirus.

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2014). Análise de dados para Ciências Sociais: a complementaridade do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo.

Piccinini, C. L. (2012). Imagens no ensino de Ciências: uma imagem vale mais que mil palavras? In I. Martins, G. Gouvêa, & R. Vilanova (Orgs.). O livro didático de Ciências: contextos de exigência, critérios de seleção, práticas de leitura e uso em sala de aula (pp. 149–159). Rio de Janeiro, RJ: Ed. FAPERJ.

Pires, A. P. (2012). Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In J. Poupart, J.-P. Deslauriers, L.-H. Grouix, A. Laperrière, R. Mayer, & A. P. Pires. A pesquisa qualitativa: Enfoques epistemológicos e metodológicos (Trad: Ana Cristina Nasser) (pp. 154–214). Petrópolis, RJ: Ed. Vozes.

Rangel, M. (2005). Qualidade do livro didático: dos critérios da literatura acadêmica aos do Programa Nacional do Livro Didático. Linhas Críticas, 11(21), 187–200.

Rodrigues, L. Z. (2015). O professor e o uso do livro didático de Biologia. (Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Rosa, M. D. (2017). O uso do livro didático de Ciências na Educação Básica: uma revisão dos trabalhos publicados. Contexto & Educação, 32(103), 55–86.

Rosa, M. D., & Mohr, A. (2016). Seleção e uso do livro didático: um estudo com professores de Ciências na rede municipal de ensino de Florianópolis. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 18(3), 97–115.

Santos, W. L. P., & Carneiro, M. H. S. (2006). Livro Didático de Ciências: Fonte de Informação ou Apostila de Exercícios? Contexto & Educação, 21(76), 201–222.

Sasseron, L. H., & Duschl, R. A. (2016). Ensino de Ciências e as práticas epistêmicas: o papel do professor e o engajamento dos estudantes. Investigações em Ensino de Ciências (IENCI), 21(2), 52–67.

Siganski, B. P., Frison, M. D., & Boff, E. T. O. (2008). O Livro Didático e o Ensino de Ciências. In XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ), Curitiba, PR.

Silva, D., & Simon, F. O. (2005). Abordagem quantitativa de análise de dados de pesquisa: construção e validação de escala de atitude. Cadernos do CERU, 2(16), 11–27.

Silva, J. S. (2010). O livro didático de Física: qualidade e utilidade em sala de aula. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa.

Silva, M. A. (2012). A fetichização do livro didático no Brasil. Educação & Realidade, 37(3), 803–821.

Silva, K. V. D., & Portela, C. D. P. (2018). A visão dos alunos sobre a utilização do livro didático de física pelo professor. Ciência é minha praia, 5, 47–56.

Soares Neto, J. J., Jesus, G. R., Karino, C. A., & Andrade, D. F. (2013). Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em Avaliação Educacional – Fundação Carlos Chagas, 24(54), 78–99.

Stinner, A. (1992). Science Textbooks and Science Teaching: From Logic to Evidence. Science Education, 76(1), 1–16.

Tardif, M. (2012). Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Ed. Vozes.

Tolentino-Neto, L. C. B. (2003). O processo de escolha dos livros didáticos de ciências por professores de 1a a 4a séries. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Walczak, A. T., Mattos, K. R. C., & Güllich, R. I. C. (2018). A Ciência reproducionista nos livros didáticos de Biologia: um monólogo sobre a experimentação. Areté, 11(23), 1–10.

Publicado
2019-12-05
Como Citar
D’Aquino Rosa, M., & Artuso, A. R. (2019). O Uso do Livro Didático de Ciências de 6º a 9º Ano: Um Estudo com Professores Brasileiros. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 709-746. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u709746
Seção
Artigos