O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u139

Palavras-chave:

currículo, formação de professores, ensino superior, ensino de ciências

Resumo

Apresentamos e analisamos o documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP), que foi encaminhado pelo Ministério da Educação (MEC) ao Conselho Nacional de Educação (CNE)em dezembro de 2018. Inicialmente descrevemos o contexto de formulação, as exigências normativas, a autoria, a estrutura e o conteúdo da BNCFP. Em seguida, identificamos dez pontos de análise que nos parecem cruciais para o campo da Educação em Ciências, uma vez que impactam fortemente os currículos e os princípios da formação e da atuação dos professores. Ao final do texto, trazemos um pós-escrito, de caráter informativo e complementar para analise da BNCFP, a fim de relatar os acontecimentos ocorridos de setembro a novembro de 2019 pertinentes a este documento no CNE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Pereira, UFSC/Doutorada do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica

É doutoranda do Programa de Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da UFSC, atuando na linha de formação de professores. É Licenciada em Ciências Biológicas pela UFSC e Mestra em Educação Científica e Tecnológica também pela UFSC. Participa das atividades do grupo Casulo: pesquisa e Educação em Ciências e Biologia.

Adriana Mohr, Professora do Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (MEN-CED-UFSC)

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988), mestre em Educação pelo IESAE/FGV (1994) e doutora em Educação: ensino de ciências naturais pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002) com doutorado-sanduíche na Université de Rouen e no Institut National de Recherche Pédagogique, França (1997-1998). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Santa Catarina no Departamento de Metodologia de Ensino e no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica. Também atua como membro do Conselho Deliberativo (Regional Sul) da Associação Brasileira de Ensino de Biologia e como parecerista de periódicos na área da Educação em Ciências. Tem experiência na área de Educação, trabalhando principalmente nos temas de ensino de ciências, educação em saúde, alfabetização científica, livro didático, formação de professores e classe hospitalar. É pesquisadora integrante do grupo CASULO - Pesquisa e Educação em Ciências e Biologia, da Universidade Federal de Santa Catarina.É associada à Associação Brasileira de Ensino de Biologia, à Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, à Associação Nacional de Pesquisa em Educação, à Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação e à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Referências

Andrade, E. P., Ferreira, M. S., Vilela, M. L., Ayres, A. C. M., & Selles, S. E. (2004). A dimensão da prática na formação inicial docente em Ciências Biológicas e em História: modelos formativos em disputa. Ensino em Re-vista, 12(1), 7–21. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/7912

Ayres, A. C. M. (2005). As tensões entre a licenciatura e o bacharelado: a formação dos professores de biologia como território contestado. In M. Marandino, S. Selles, M. Ferreira, & A. C. Amorim (orgs.), Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 182–197). Niterói: Editora Eduff.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (1988). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Calderano, M. A., Pereira, M. C., & Marques, G. F. C. (Org.). (2010). Campos e vertentes: formação, trabalho docente e avaliação sistêmica. Juiz de Fora: Editora UFJF.

CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior) (2018). Edital CAPES n. 06/2018 Programa de Residência Pedagógica. Chamada Pública para apresentação de propostas no âmbito do Programa de Residência Pedagógica. Recuperado de https://capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018-Edital-6-2018-Residencia-pedagogica.pdf

Cássio, F. L. (2018). Base Nacional Comum Curricular: ponto de saturação e retrocesso na educação. Retratos da Escola, 12(23), p. 239–253. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v12i23.887

CNE (Conselho Nacional de Educação) (2002). Parecer CNE/CP 09 de 08 de maio de 2001, publicado em 18 de janeiro de 2002. Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de Professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf

CNE (Conselho Nacional de Educação) (2015). Resolução CNE/CP 02 de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file

CNE (Conselho Nacional de Educação) (2016). Parecer CNE/CEB Nº: 10/2016. Consulta sobre a legalidade de Organizações Sociais administrarem escolas públicas em Goiás. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=49141-pceb010-16-pdf&category_slug=outubro-2016-pdf&Itemid=30192)

CNE (Conselho Nacional de Educação) (2017). Resolução n. 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Recuperada de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf

CNE (Conselho Nacional de Educação) (2019a). Resolução n. 1, de 2 de julho de 2019. Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=116731-rcp001-19&category_slug=julho-2019-pdf&Itemid=30192

CNE (Conselho Nacional de Educação) (2019b). 3ª versão do parecer (Atualizada em 18/09/19) Assunto: Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=124721-texto-referencia-formacao-de-professores&category_slug=setembro-2019&Itemid=30192

CONSED (Conselho Nacional de Secretários de Educação) (2017). Formação de professores: sobre o grupo. Recuperado de http://www.consed.org.br/consed/formacao-continuada-de-professores/sobre-o-grupo-de-trabalho

Decreto n. 8.752, de 9 de maio de 2016 (2016). Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8752.htm

Decreto n. 9.099, de 18 de julho de 2017 (2017). Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro e do Material Didático. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9099.htm

Di Giovanni, G. (2009). Estruturas Elementares das Políticas Públicas. Cadernos de Pesquisa, 82, 2–23. Recuperado de https://www.nepp.unicamp.br/biblioteca/periodicos/issue/view/9/CadPesqNepp82

Diniz-Pereira, J. E. (2007). Formação de professores: pesquisas, representações e poder. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Farias, I. M. S. de (2019). O discurso curricular da proposta para BNC da formação de professores da educação básica. Retratos da Escola, 13(25), 155–168. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.961

Freitas, L. C. (2012). Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, 33(119), 379–404. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302012000200004

Freitas, L. C. (2014). Os empresários e a política educacional: como o proclamado direito à educação de qualidade é negado na prática pelos reformadores empresariais. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 6(1), 48–59. http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v6i1.12594

Freitas, L. C. (2016). Três teses sobre as reformas empresariais da educação: perdendo a ingenuidade. Caderno Cedes, 36(99), 137–153. http://dx.doi.org/10.1590/CC0101-32622016160502

Freitas, L. C. (2017). BNCC: o mito dos 12 milhões de participantes. Recuperado de https://avaliacaoeducacional.com/2017/12/03/bncc-o-mito-dos-12-milhoes-de-participantes/

Hypolito, A. M. (2019). BNCC, agenda global e formação docente. Revista Retratos da Escola, 13(25), p. 187–201. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.995

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências.

Lei n. 13.415, 2017 (2017). Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei n. 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei n. 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm

Lopes, A. C. (2019). Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Retratos da Escola, 13(25), 59–75. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.963

Macedo, E. F. de (2019). Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação. Retratos da Escola, 13(25), 39–58. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.967

Mainardes, J. (2006). Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, 27(94), 47–69. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302006000100003

MEC (Ministério da Educação) (2016). Base Nacional Comum Curricular. Recuperada de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/bncc-2versao.revista.pdf

MEC (Ministério da Educação) (2017). Base Nacional Comum Curricular. Recuperada de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

MEC (Ministério da Educação) (2018). Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=105091-bnc-formacao-de-professores-v0&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192

MEC (Ministério da Educação) (2018a). Base Nacional para formação do professor vai revisar cursos para conhecimento e valorização. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=71951

Monteiro, A. M. F. C. (2001). Professores: entre saberes e práticas. Educação & Sociedade, 74, 121–142. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302001000100008

Nóvoa, A. (2017). Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, 47(166), 1106–1133. http://dx.doi.org/10.1590/198053144843

Portaria n. 271, de 22 de março de 2019 (2019). Estabelece as diretrizes de realização do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) no ano de 2019.

Perrenoud, P. (2000). Dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora.

Santos, A. F. dos (2004). Teoria do Capital Intelectual e Teoria do Capital Humano: Estado, Capital e Trabalho na Política Educacional em dois momentos do processo de acumulação. In Anais da 27ª Reunião Anual da ANPEd. Caxambu, MG. Recuperado de http://27reuniao.anped.org.br/gt09/t095.pdf

Silva, M. R. da (2019). Impertinências entre trabalho, formação docente e o referencial de competências. Retratos da Escola, 13(25), 123–135. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.965

Silva, T. T. (2005). Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Tardif, M. (2013). A profissionalização do ensino passado trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação & Sociedade, 34(123), 551–571. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-7330201300020001

Downloads

Publicado

2020-01-24

Como Citar

Zancan Rodrigues, L., Pereira, B., & Mohr, A. (2020). O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 1-39. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u139

Edição

Seção

Artigos