Maneiras de Conhecer e Implicações para a Equidade de Gênero na Educação em Ciências

Palavras-chave: gênero, maneira de conhecer das mulheres, ensino de ciências

Resumo

Nos últimos anos, o debate sobre questões de gênero tem se tornado foco de interesse da pesquisa em educação em ciências no Brasil. No entanto, existe uma escassez de artigos na literatura nacional que apresentem uma base teórica para os estudos de gênero na educação em ciências. Assim, apresentamos neste trabalho as maneiras de conhecer das mulheres, segundo a abordagem de Mary F. Belenky e suas colaboradoras, como possível referencial teórico para os estudos nessa área. São delineadas cinco perspectivas através das quais as mulheres tiram conclusões sobre verdade, conhecimento e realidade: o Silêncio; o Conhecimento recebido; o Conhecimento subjetivo; o Conhecimento processual; e o Conhecimento construído. Após descrever as cinco posições epistemológicas, mostramos como o estudo dessas autoras tem sido utilizado na pesquisa em educação em ciências e como suas ideias podem contribuir para o planejamento de intervenções em sala de aula que busquem promover um ensino de ciências que seja mais equitativo com relação ao gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Banks-Wallace, J. (2000). Womanist ways of knowing: Theoretical considerations for research with African American women. Advances in Nursing Science, 22(3), 33–45. https://doi.org/10.1097/00012272-200003000-00004

Barton, A. C. (1998). Feminist science education. Teachers College Press.

Belenky, M. F., Clinchy, B. M., Goldberger, N. R., & Tarule, J. M. (1986). Women’s ways of knowing: The development of self, voice, and mind. Basic Book.

Belenky, M. F. (1996). Public homeplaces: Nurturing the development of people, families, and communities. In N. R. Goldberger, J. M. Tarule, B. Clinchy McVicker, & M. F. Belenky (Eds.), Knowledge, difference, and power: Essays inspired by “Women’s Ways of Knowing.” (pp. 393–430). Basic Books.

Brickhouse, N. W. (2001). Embodying science: a feminist perspective on learning. Journal of Research in Science Teaching, 38(3), 282–295. https://doi.org/10.1002/1098-2736(200103)38:3<282::AID-TEA1006>3.0.CO;2-0

Brotman, J. S., & Moore, F. M. (2008). Girls and science: A review of four themes in the science education literature. Journal of Research in Science Teaching, 45(9), 971–1002. https://doi.org/10.1002/tea.20241

Buck, G.A., Clark, V.L., Leslie-Pelecky, D.L., Lu, Y., & Cerda-Lizarraga, P.R. (2008). Examining the Cognitive Processes Used by Adolescent Girls and Women Scientists in Identifying Science Role Models: A Feminist Approach. Science Education, 92(4), 688–707. https://doi.org/10.1002/sce.20257

Clinchy, B. M. (1989). The Development of Thoughtfulness in College Women: Integrating Reason and Care. American Behavioral Scientist, 32(6), 647–657. https://doi.org/10.1177/0002764289032006005

Clinchy, B. M. (1990). Issues of Gender in Teaching and Learning. Journal of excellence in college teaching, 1, 52–67.

Clinchy, B. M. (2002). Revisiting Women’s Way of Knowing. In B. K. Hofer & P. R. Pintrich (Eds.), Personal epistemology: The psychology of beliefs about knowledge and knowing (pp. 63–87). Lawrence Erlbaum Associates Publishers.

Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos (2007). Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Ministério da Educação, Ministério da Justiça, Unesco, 2007.

Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Senado Federal.

Costa, C. D. L. (2002). O sujeito no feminismo: Revisitando os debates. Cadernos Pagu, (19), 59–90. https://doi.org/10.1590/S0104-83332002000200004

Crawford, M. (1989). Agreeing to differ: Feminist epistemologies and women’s ways of knowing. In M. Crawford & M. Gentry (Eds.), Gender and thought: Psychological perspectives (pp. 128–145). Springer.

Cruz, M. H. S. (2014). A Crítica Feminista à Ciência e Contribuição à Pesquisa nas Ciências Humanas. Revista Tempos e Espaços em Educação, 7(12), 15–27, 2014. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.2949

Eick, C. J., & Reed, C. J. (2001). What Makes an Inquiry-Oriented Science Teacher? The Influence of Learning Histories on Student Teacher Role Identity and Practice. Science Education, 86(3), 401–416. https://doi.org/10.1002/sce.10020

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. 17a ed. Paz e Terra.

Galotti, K. M., Lavin, B., Mansfield, A., Ainsworth, K., & Clinchy B. (1999). A new way of assessing ways of knowing: The attitudes toward thinking and learning survey (ATTLS). Sex Roles, 40, 745–766. https://doi.org/10.1023/A:1018860702422

Gilligan, C. (1983). In a Different Voice: Psychological Theory and Women’s Development. Harvard University Press.

Haraway, D. (1988). Situated Knowledges: The Science Question in Feminism and the Privilege of Partial Perspective. Feminist Studies, 14(3), 575–599. https://doi.org/10.2307/3178066

Harding, S. (1986). The Science Question in Feminism. Cornell University Press.

Harding, S. (1992). Rethinking standpoint epistemology: what is “strong objectivity?” The Centennial Review, 36(3), 437–470.

Heerdt, B., Santos, A., Bruel, A., Ferreira, F., Anjos, M., Swiech, M., & Banckes, T. (2018). Gênero no ensino de Ciências publicações em periódicos no Brasil: O estado do conhecimento. Revista Brasileira de Educação em Ciências e Educação Matemática, 2(2), 217–241. http://dx.doi.org/10.33238/ReBECEM.2018.v.2.n.2.20020

Howes, E. V. (2002). Connecting girls and science. Constructivism, feminism, and education reform. Teachers College Press.

International Labour Organization (ILO) (2000). ABC of Women Worker’s Rights and Gender Equality. ILO.

Ireland, D. T., Freeman, K. E., Winston-Proctor, C. E., DeLaine, K. D., McDonald Lowe, S., & Woodson, K. M. (2018). (Un)hidden figures: A synthesis of research examining the intersectional experiences of black women and girls in STEM education. Review of Research in Education, 42(1), 226–254. https://doi.org/10.3102/0091732X18759072

Jones, M. G., Howe, A. N. N., & Rua, M. J. (2000). Gender Differences in Students’ Experiences, Interests, and Attitudes toward Science and Scientists. Science Education, 84(2), 180–192. https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(200003)84:2<180::AID-SCE3>3.0.CO;2-X

Kang, N., & Wallace, C. S. (2004). Secondary Science Teachers’ Use of Laboratory Activities: Linking Epistemological Beliefs, Goals, and Practices. Science Education, 89(1), 140–165. https://doi.org/10.1002/sce.20013

Keller, E. F. (1982). Feminism and Science. Sings: Journal of Women in Culture and Society, 7(3), 589–602.

Khine, M. S., & Hayes, B. (2010). Investigating women’s ways of knowing: An exploratory study in the UAE. Issues in Educational Research, 20(2),105–117.

Kohlberg, L. (1981). The philosophy of moral development. Harper & Row.

Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006 (2006). Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República. Brasília, DF.

Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014 (2014). Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Presidência da República. Brasília, DF.

Lemke, J. L. (1990). Talking Science: Language, Learning and Values. Ablex Publishing Corporation.

MEC (2001). Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 17 200, de 17 de agosto de 2001. Brasília: Diário Oficial da União.

MEC (2004). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Parecer CNE/CP nº 3 de 2004. Brasília: Diário oficial da União.

MEC(2010). Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 3, de 15 de junho de 2010. Brasília: Diário Oficial da União.

MEC (2012a). Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n.º 8, de 6 de março de 2012. Brasília: Diário Oficial da União.

MEC (2012b). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Resolução CNE/CP n° 2, de 15 de junho de 2012. Brasília: Diário Oficial da União.

MEC (2012c). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 5, de 22 de junho de 2012. Brasília: Diário Oficial da União.

MEC (2012d). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012. Brasília: Diário Oficial da União.

Perry, W. G. (1970). Forms of intellectual and ethical development in the college years. Holt, Rinehart & Winston.

Proença, A. O., Baldaquim, M. J., Batista, I. L., & Broietti, F. C. (2019). Tendências das Pesquisas de Gênero na Formação Docente em Ciências no Brasil. Química Nova na Escola, 41(1), 98–107. https://doi.org/10.21577/0104-8899.20160145

Sardenberg, C. M. B.(2002) Da crítica feminista à Ciência a uma Ciência Feminista?. In A. A. Costa, & C. M. B. Sardenberg (Org.) Feminismo, Ciência e Tecnologia (pp. 89–120). REDOR/NEIM-FFCH/UFBA, vol.8 Coleção Bahianas, 2002.

Scantlebury, K., Martin, S., & Butler Kahle, J. (2010). Women in science Education: Introduction and historical overview. In K. Scantlebury, J. Butler Kahle & S. N. Martin (Eds.), Re-visioning Science Education from Feminist Perspectives: Challenges, Choices, and Careers (pp. 3–7). Sense Publishers.

Sinnes, A. T., & Løken, M. (2014). Gendered education in a gendered world: Looking beyond cosmetic solutions to the gender gap in science. Cultural Studies of Science Education, 9(2), 343–364. https://doi.org/10.1007/s11422-012-9433-z

Zohar, A., & Sela, D. (2003). Her physics, his physics: Gender issues in Israeli advanced placement physics classes. International Journal of Science and Education, 25(2), 245–268. https://doi.org/10.1080/09500690210126766

Zohar, A. (2006). Connected Knowledge in Science and Mathematics Education. International Journal of Science Education, 28(13), 1579–1599. https://doi.org/10.1080/09500690500439199

Publicado
2020-08-17
Como Citar
Gedoz, L., Pereira, A. P. de, & Pavani, D. B. (2020). Maneiras de Conhecer e Implicações para a Equidade de Gênero na Educação em Ciências. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 775-798. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u775798
Seção
Artigos