Discutindo o Processo de Criação Científica por meio de uma Abordagem Histórica da Anatomia Humana em um Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas

Palavras-chave: história da ciência, natureza da ciência, anatomia humana

Resumo

O objetivo desse estudo foi analisar o papel de uma estratégia de intervenção pedagógica focalizada na história da ciência na (re)construção de concepções de futuros professores sobre o processo de criação científica, considerado uma das várias dimensões da natureza da ciência. Trata-se de uma intervenção pedagógica centrada na abordagem histórica do sistema circulatório humano, desenvolvida e avaliada com um grupo de 22 alunos da disciplina Anatomia Humana, de um curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Na avaliação da intervenção empregou-se dois instrumentos de investigação, atividades de aprendizagem e roteiro da entrevista dos grupos focais, sendo que as respostas dos alunos às questões contidas nestes instrumentos foram analisadas por intermédio da análise de conteúdo. Os resultados da investigação indicam que a estratégia de intervenção pedagógica implementada contribuiu para que os alunos (re)construíssem suas concepções sobre o processo de criação científica, pois estes passaram a reconhecer a pluralidade de processos mobilizados pelos cientistas e a inexistência de um único método científico.

Biografia do Autor

Gabriel Ribeiro, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Bacharel em Fisioterapia pela Universidade Católica do Salvador, especialista em Fisioterapia Musculoesquelética pela Universidade de Ribeirão Preto, mestre em Morfologia e Medicina Experimental pela Universidade de São Paulo e doutor em Ciências da Educação, especialidade Educação em Ciências, pela Universidade do Minho. Atualmente é professor Adjunto do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas (CCAAB) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.
José Luís de Jesus Coelho da Silva, Universidade do Minho

Licenciado em Ensino de Biologia e Geologia, mestre em Educação, especialidade Informática no Ensino e doutor em Metodologia do Ensino das Ciências. Atualmente é professor Auxiliar do Instituto de Educação (IE) da Universidade do Minho.

Referências

Abd-El-Khalick, F. (2005). Developing deeper understandings of nature of sience: The impact of a philosophy of science course on preservice science teachers’ views ans instructional planning. International Journal of Science Education, 27(1), 15–42. https://doi.org/10.1080/09500690410001673810

Agutter, P. & Wheatley, D. (2008). Thinking about life: the history and philosophy of biology and other sciences. Dordrecht: Springer.

Alkhawaldeh, S. A. (2007). Facilitating conceptual change in ninth grade students’ understanding of human circulatory system concepts. Research in Science & Technological Education, 25(3), 371–385. http://dx.doi.org/10.1080/02635140701535331

Almeida, M. J. & Sorpreso, T. P. (2010). Memória e Formação Discursivas na Interpretação de Textos por Estudantes de Licenciatura. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 10(1), 1–16.

Alves-Mazzotti, A. J. (2006). Uso e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa, 36(129), 637–651. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742006000300007.

Ávila, G. C. (2013). Epistemologia em conflito: uma contribuição à história das Guerras da Ciência. Belo Horizonte: Fino Traço.

Bächtold, M. (2013). What Do Students “Construct” According to Constructivism in Science Education? Research in Science Education, 43(6), 2477–2496. https://doi.org/10.1007/s11165-013-9369-7

Bardin, L. (2000). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Chalmers, A. F. (1993). O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense.

Cheng, M. M. & Gilbert, J. K. (2015). Students’ Visualization of Diagrams Representing the Human Circulatory System: The use of spatial isomorphism and representational conventions. International Journal of Science Education, 37(1), 136–161. https://doi.org/10.1080/09500693.2014.969359

Coelho da Silva, J. L. (2007). Natureza da Ciência em Manuais Escolares de Ciências Naturais e de Biologia e Geologia: imagens veiculadas e operacionalização na perspectiva dos professores e autores. (Tese de Doutoramento). Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga.

Colomina, R. & Onrubia, J. (2004). Interação educacional e aprendizagem escolar: a interação entre alunos. In C. Coll; A. Marchesi & J. Palacios (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação escolar (pp. 280–293). Porto Alegre: Artmed.

Delizoicov, N. C., Carneiro, M. H., & Delizoicov, D. (2004). O movimento do sangue no corpo humano: do contexto da produção do conhecimento para o do seu ensino. Ciência & Educação, 10(3), 443–460. https://doi.org/10.1590/S1516-73132004000300009.

Echeverría, J. (1995). Filosofia de la ciencia. Madrid: Akal.

Gil Pérez, D., Fernández, I., Carrascosa, J., Cachapuz, A. & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125–153. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000200001

Giordan, A. (2011). La historia de la biología y la geología y la enseñanza de las ciencias. In P. Cañal (Coord.). Biología y geologia: complementos de formación disciplinar (pp. 31–51). Barcelona: Editorial Graó.

Haack, S. (2012). Six signs of scientism. Logos & Episteme, 3(1), 75–95. https://doi.org/10.5840/logos-episteme20123151

IBGE (2010). Sinopse do censo demográfico 2010, Brasil. Recuperado de http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=12

Japiassú, H. & Marcondes, D. (2001). Dicionário básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Jonnaert, P. (2012). Competências e socioconstrutivismo. Lisboa: Instituto Piaget.

Key, J. D., Keys, T. E., & Callahan, J. A. (1979). Historical development of concept of blood circulation: an anniversary memorial essay to William Harvey. The American Journal of Cardiology, 43(5), 1026–1032. https://doi.org/10.1016/0002-9149(79)90370-9

Kincheloe, J. (2006). Construtivismo crítico. Mangualde: Edições Pedago.

Kuhn, T. (2000). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva.

Lin, H. & Chen, C. (2002). Promoting Preservice Chemistry Teachers’ Understanding about the Nature of Science through History. Journal of Research in Science Teaching, 39(3), 773–792. https://doi.org/10.1002/tea.10045

Matthews, M. (1994). Science teaching: the role of history and philosophy of science. New York: Routledge.

McComas, W. (2002). The principles elements of the nature of science: dispelling the myths. In W. McComas (Org.). The nature of science in science education: rationales and strategies (pp. 53–70). New York: Kluwer academic publishers. https://doi.org/10.1007/0-306-47215-5_3

Moreira, M. A. & Osterman, F. (1993). Sobre o ensino do método científico. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 10(2), 108–117.

Morgan, D. (1996). Focus Groups. Annual Review of Sociology, 22(1), 129–152. https://doi.org/10.1146/annurev.soc.22.1.129

Morgan, D. (1997). Focus group as qualitative research. London: Sage.

Oki, M. C., & Moradillo, E. (2008). O ensino de história da química: contribuindo para a compreensão da natureza da ciência. Ciência & Educação, 14(1), 67–88. https://doi.org/10.1590/S1516-73132008000100005

Oliva, A. (2010). Filosofia da Ciência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Pedrinaci, E. (2012). El ejercicio de una ciudadanía responsable exige disponer de cierta competencia científica. In E. Pedrinaci (Coord.). 11 ideas clave: el desarrollo de la competencia cientifica (pp. 15–37). Barcelona: Editorial Graó.

Rivero, A. & Wamba, A. (2011). La naturaleza de la ciencia y construcción del conocimiento científico. La naturaleza de la ciencia como objetivo de enseñanza. In P Cañal (Coord.). Biología y geologia: complementos de formación disciplinar (pp. 9–30). Barcelona: Editorial Graó.

Rudge, D. W. & Howe, E. M. (2009). An explicit and reflective approach to the use of history to promote understanding of the nature of science. Science & Education, 18(5), 561–580. https://doi.org/10.1007/s11191-007-9088-4

Rudge, D. W., Cassidy, D. P., Fulford, J. M., & Howe, E. M. (2013). Changes Observed in Views of Nature of Science During a Historically Based Unit. Science & Education, 23(9), 1879–1909. https://doi.org/10.1007/s11191-012-9572-3

Teixeira, E. S., Freire Júnior, O. & El-Hani, C. N. (2009). A influência de uma abordagem contextual sobre as concepções acerca da natureza da ciência de estudantes de física. Ciência & Educação, 15(3), 529–556. https://doi.org/10.1590/S1516-73132009000300006

Trad, L. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(3), 777–796. https://doi.org/10.1590/S0103-73312009000300013

Woodcock, B. (2014). ‘‘The Scientific Method’’ as Myth and Ideal. Science & Education, 23(10), 2069–2093. https://doi.org/10.1007/s11191-014-9704-z

Zabala, A. (1998). A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed.

Zanotello, M. (2011). Leituras de textos originais de cientistas por estudantes do ensino superior. Ciência & Educação, 17(4), 987–1013. https://doi.org/10.1590/S1516-731320110004000

Publicado
2019-05-04
Como Citar
Ribeiro, G., & Coelho da Silva, J. L. (2019). Discutindo o Processo de Criação Científica por meio de uma Abordagem Histórica da Anatomia Humana em um Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 67-94. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u6794
Seção
Artigos