As Percepções de um Professor e Alunos sobre o Ensino e as Questões de Ciências do PISA de 2015

Palavras-chave: PISA, Alfabetização Científica, Ensino de Ciências

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo de caracterizar as percepções de um professor e dos seus alunos sobre o ensino e as questões de Ciências do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) de 2015. Os dados foram coletados por meio de um grupo focal com 12 alunos que participaram da edição do PISA em 2015 e por uma entrevista semiestruturada com o professor de Ciências da escola. A partir da Análise Textual Discursiva (ATD), emergiram categorias e subcategorias para as percepções destes dois grupos de sujeitos da pesquisa. Para o professor, emergiram três categorias, a saber: 1) Percepções sobre o PISA: 2) Percepções sobre os conteúdos de Ciências; e 3) Percepções sobre a formação docente. Para o grupo de alunos, emergiram três categorias pela ATD: 1) Percepções sobre o PISA; 2) Percepções sobre os tipos de conhecimento científico; e 3) Percepções sobre o letramento científico do discente. Foi possível verificar que a prova do PISA não é valorizada nem pela escola e nem pelos estudantes, que existe uma falta de interesse dos alunos em relação aos objetivos da escola e pelas avaliações sistêmicas. Também verificou-se uma dificuldade em desenvolver a alfabetização científica, assinalando possíveis indicadores para o baixo resultado na avaliação de Ciências do PISA.

Biografia do Autor

Adriana Aparecida Ranulfo, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas

Departamento de Ciências Biológicas - DCBIO/FCBS

Geraldo Rocha Fernandes, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Prof. Dr. Geraldo W. Rocha Fernandes 

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) - Campus JK

Ensino de Física e Ciências
Departamento de Ciências Biológicas - DCBIO/FCBS

Luciana Resende Allain, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) - Campus JK

Ensino de Ciências e Biologia
Departamento de Ciências Biológicas - DCBIO/FCBS

Referências

Afonso, A. J. (2009). Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável: Crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, 13, 13–29.

André, M. (2011). Pesquisa sobre formação de professores: tensões e perspectivas do campo. Coleção ANPED Sudeste 2011 (pp. 24–36). Rio de Janeiro, RJ: livro 2. Recuperado de http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/ebook2.pdf.

MEC (2014). Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Recuperado de http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/125099097/lei-13005-14.

Carvalho, L. M. (2009). Governando a Educação pelo Espelho do Perito: Uma Análise do PISA como Instrumento de Regulação. Educação & Sociedade, Campinas, 30(109), 1009-1036. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302009000400005.

Coll, C. (2000). As contribuições da psicologia para a educação: teoria genética e aprendizagem escolar. In. L. Banks-Leite. (Org.), Piaget e a Escola de Genebra (pp. 164–197). São Paulo, SP: Cortez.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. C. A. (2011) Ensino de ciências: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 364 p.

Fernandes, G. W. R., & Santos, D. L. (2018). O ensino de Ciências na atualidade: alguns obstáculos e outros enfoques. In Tamanine, P. A. (Org.). O ensino em perspectivas: múltiplas abordagens, outros enfoques e a interdisciplinaridade no ofício docente (pp. 51–63). Curitiba: Editora CRV.

Fernandes, G. W. R., Rodrigues, A. M., & Ferreira, C. A. (2018). Elaboração e validação de um instrumento de análise sobre o papel do cientista e a natureza da ciência e da tecnologia. Investigações em Ensino de Ciências, 23(2), 256–290. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n2p256.

Fernandes, G. W. R., Rodrigues, A. M., & Ferreira, C. (2015). Módulos temáticos virtuais: uma proposta pedagógica para o ensino de ciências e o uso das TICs. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 32(3), 934–962. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2015v32n3p934.

Gatti, B. A. (2009). Licenciatura: Crises Sem Mudanças? In A. I. L. F. Dalben, J. Diniz, L.Leal, & L.Santos. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. (pp. 485–509). Belo Horizonte: Autêntica.

Gonçalves, F. P., & Marques, C. A. (2006). Contribuições pedagógicas e epistemológicas em textos de experimentação no ensino de química. Investigações em Ensino de Ciências, 11 (2), 219–238.

Gui, R. (2003). Grupo focal em pesquisa qualitativa aplicada: intersubjetividade e construção de sentido. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 3(1), 135–159.

Hazen, R. M., & TrefiL, J. (1995). Saber ciência. São Paulo: Cultura Editores Associados.

Inep. (2010). OECD, PISA 2009. Results: What Students Know and Can Do – Student Performance in Reading, Mathematics and Science (Volume I), http://dx.doi.org/10.1787/9789264091450-en.

Inep. (2011). PISA. Brasília, 2011. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/pisaprograma-internacional-de-avaliacao-de-alunos.

Inep. (2013). OECD, PISA 2012. Résultats du PISA 2012: Savoirs et savoir-faire des élèves (Volume I): Version préliminaire - Performance des élèves en mathématiques, en compréhension de l’écrit et en sciences, 2013. Recuperado de http://www.oecd-ilibrary.org/education/resultats-du-pisa-2012-savoirs-et-savoir-faire-des-eleves-volume-i_9789264204508-fr.

Inep. (2015a). Análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiro. Recuperado de http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/resultados/2015/pisa2015_completo_final_baixa.pdf.

Inep. (2015b). OECD PISA 2015 - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Matriz de Avaliação de Ciências. Relatório 2015. Recuperado de http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/marcos_referenciais/2015/matriz_de_ciencias_PISA_2015.pdf

Inep. (2016a). Brasil no PISA 2015: sumário executivo. Relatório INEP 2016. Recuperado de.http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/documentos/2016/pisa_brasil_2015_sumario_executivo.pdf.

Inep. (2016b). OECD, PISA 2015 - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Exemplos de Itens liberados de Ciências, 2016. Recuperado de http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/itens/2015/itens_liberados_ciencias_pisa_2015.pdf

Inep. (2016c). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes – PISA 2015 OECD, 2016b..Recuperado.de.http://portal.inep.gov.br/pisa-programa-internacional-de-avaliacao-de-alunos.

José, W., Angotti, J., & Bastos, F. (2016). Ensino de Física por meio de questões do PISA associadas a Temas Estruturadores e Conceitos Unificadores. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 33(2), 333–354. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2016v33n2p333

Lebrun. (2008). Teorias e Métodos Pedagógicos para Ensinar e Aprender. Lisboa: Instituto Piaget.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Maia, P. F., & Justi, R. (2008). Desenvolvimento de habilidades no ensino de ciências e o processo de avaliação: análise da coerência. Ciência & Educação, Bauru, 14(3), 431–450. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000300005.

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2011). Análise Textual Discursiva. Ijuí: UNIJUÍ.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191–211. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000200004.

Nora, P. Dos S., & Broietti, F. C. D. (2017). Um estudo das questões de ciências do PISA: analisando os conceitos transversais. ACTIO: Docência em Ciências, 2(3), 60–78. https://doi.org/10.3895/actio.v2n3.6991.

Nora, P. Dos S., Broietti, F. C. D., & Passos, M. M. (2016). Análise das Práticas Científicas em questões que envolvem conceitos químicos do PISA. Anais do XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (XVIII ENEQ). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R1558-1.pdf.

Pinto, J. S., Silva, J. C., & Bixirão Neto, T. (2016). Fatores influenciadores dos resultados de matemática de estudantes portugueses e brasileiros no PISA: revisão integrativa. Ciência & Educação , 22(4), 837–853. https://dx.doi.org/10.1590/1516-731320160040002

Rodrigues A. P. de N., & Cruz, L. G. (2017). Por que vamos mal em Ciências?”- O que dizem os professores do munícipio de Ivinhema (MS) sobre os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Atas do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC. Florianópolis-SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1876-1.pdf.

Roberts, D. A. (2007). Scientifc literacy/science literacy. In: Abell, S. K.; Lederman, N. G. (Ed.). (2007). Handbook of research on science education (pp. 729–782). Londres: Lawrence Erbaum Associates.

Saldanha, P. (2018). Alunos brasileiros não chegam ao fim de prova em avaliação mundial. [Artigo]. Educação. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/07/alunos-brasileiros-nao-chegam-ao-fim-de-prova-em-avaliacao-mundial.shtml.

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2008). Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 333–352.

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2011). Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências. 16(1), 59–77.

Sjøberg. S. (2017). PISA as a challenge for science education: inherent problems and problematic results from a global assessment regime. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 17(1), 327–363. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017171327

Sousa, A. B. (2009). Investigação em Educação (2nd ed.). Lisboa: Livros Horizonte.

Vieira, A. M. (2017). Acordes e dissonâncias do letramento científico proposto pelo PISA 2015. Estudos em Avaliação Educacional. 28(68), 478–510. http://dx.doi.org/10.18222/eae.v28i68.4410

Wittmann, M. J. M. (2008). Avaliação da educação básica em larga escala em nível nacional: previstos e acontecidos. In 8º Congresso Nacional de Educação da PUCPR (EDUCERE). Anais do 8º EDUCERE. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Recuperado de http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/92_60.pdf.

Publicado
2019-06-14
Como Citar
Ranulfo, A., Rocha Fernandes, G., & Allain, L. (2019). As Percepções de um Professor e Alunos sobre o Ensino e as Questões de Ciências do PISA de 2015. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 299-328. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u299328
Seção
Artigos