Potencialidades e desafios da metodologia ativa na perspectiva dos graduandos de Medicina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.19233

Palavras-chave:

Aprendizagem ativa, Escolas médicas, Docente, Estudante

Resumo

As metodologias ativas de ensino visam colocar o estudante no centro do processo ensino-aprendizagem. O estudo se desenvolveu a partir da análise de dados de uma pesquisa qualitativa que avaliou a perspectiva de estudantes de Medicina em relação a duas disciplinas que inserem os alunos nas atividades práticas desde o início da graduação, seguindo a proposta de análise de conteúdo. O objetivo foi compreender os benefícios e as restrições da metodologia para os estudantes. Foram selecionadas potencialidades e limitações de ambas as disciplinas. Destacou-se o papel ativo do aluno no processo e, entre as limitações, o tempo de estudo, a assimetria entre os estudantes e a pouca efetividade de disciplinas básicas do primeiro ano do curso. Foi proposta reformulação da carga horária e preparo do corpo docente para o método. Concluiu-se que a prática docente em metodologia ativa pode ser aprimorada para que se consiga extrair o máximo de suas potencialidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Terra Ribeiro, Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Brasília, DF, Brasil.

Acadêmica do sexto ano de Medicina pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Atuou como pesquisadora no Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (2018-2019), onde desenvolveu projetos relacionados ao prognóstico e desfecho de cirurgias cardiotorácicas. Monitora no eixo educacional de Habilidades Cirúrgicas no UniCEUB (2019-2020). As principais áreas de interesse concentram-se nos temas de clínica cirúrgica e ensino médico.

Natália Mariana Diógenes Silva de Albuquerque, Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Brasília, DF, Brasil.

Graduanda do sexto ano de Medicina pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Participou como primeira autora de dois projetos de iniciação científica (2018-2019). Monitora de habilidades cirúrgicas (2018-2020). Atua na área de pesquisa na Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte- HRAN – do Distrito Federal (2020).

Tania Inessa Martins de Resende, Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Brasília, DF, Brasil.

Psicóloga Clínica e Bacharela em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB). Mestrado em Psicologia Clínica e Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura pela UnB. Coordenadora do projeto interdisciplinar em Saúde Mental (PRISME) do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Professora e supervisora de estágio em Saúde Mental UniCEUB e líder do Grupo de Pesquisa Convivência e Saúde Mental no CNPq.

Referências

ALBUQUERQUE, Natália Mariana Diógenes Silva de; RIBEIRO, Juliana Terra; RESENDE, Tania Inessa Martins de. Análise comparativa sobre a percepção dos estudantes de Medicina acerca do impacto das disciplinas IESC e HA no contexto de atividades práticas durante a graduação. Programa de Iniciação Científica-PIC/UniCEUB-Relatórios de Pesquisa, Brasília, v. 3, n. 1, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5102/pic.n3.2017.5825.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 1. ed. rev. e atual. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos?. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 2, n. 2, p. 139-154, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32831998000100008.

BERNARDI, Jéssica Cristianne Mazer et al. Uso de metodologia ativa na formação de médicos veterinários residentes para atuação no Sistema Único de Saúde: potencialidades e fragilidades. Medicina Veterinária (UFRPE), Recife, v. 12, n. 2, p. 102-108, 2018. DOI: https://doi.org/10.26605/medvet-v12n2-2361.

BORDENAVE, Juan E. Diaz; PEREIRA, Adair Martins. O que é ensinar. In: BORDENAVE, Juan E. Diaz. Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1985. p. 39-58.

BRASIL. Ministério da Saúde. Promed-Programa de Incentivo às Mudanças Curriculares para as Escolas Médicas. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http:// www.saude.gov.br/sgte. Acesso em: 29 out. 2019.

COSTA, Nilce Maria da Silva Campos; CARDOSO, Cléia Graziele Lima do Valle; COSTA, Danilo Campos. Conceptions about the good professor of Medicine. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 499-505, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000600008.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.15536.

DOMINGUINI, Lucas; ORTIGARA, Vidalcir. Análise de conteúdo como metodologia para seleção de livros didáticos de Química. ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, Brasília, v. 15, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2018.v9i3.1002.

FERREIRA, Robinava; MOROSINI, Marília. Metodologias ativas: as evidências da formação continuada de docentes no ensino superior. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 9, p. 1-19, 2019. DOI: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2019.2543.

GARCIA, Maria Betânia de Oliveira; OLIVEIRA, Michelly Macedo de; PLANTIER, Amanda Pavani. Interatividade e mediação na prática de metodologia ativa: o uso da instrução por colegas e da tecnologia na educação médica. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 43, n. 1, p. 87-96, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1rb20180154.

GOMES, Andréia Patrícia; REGO, Sergio. Transformação da educação médica: é possível formar um novo médico a partir de mudanças no método de ensino-aprendizagem?. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 35, n. 4, p. 557-66, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000400016.

LIMA, Hilderlânia; MENDES, Igor Cordeiro; LIMA, Liene Ribeiro de. Aplicação da metodologia ativa na monitoria acadêmica da Enfermagem Cirúrgica: relato de experiência. ENCONTRO DE EXTENSÃO, DOCÊNCIA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA (EEDIC), Quixadá, v. 5, n. 1, 2019.

MARCILIO, Daniela Signorini. Aprendizagem baseada na resolução de problemas. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2019.

MORAN, José Manuel. Como utilizar a internet na educação. Ciência da informação, Brasília, v. 26, n. 2, 1997. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19651997000200006.

OLIVEIRA, Eliana et al. Análise de conteúdo e pesquisa na área da Educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 4, n. 9, p.11-27, 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v4i9.6479.

OLIVEIRA, Stefan Vilges de. Metodologia ativa de ensino em bioestatística: uma experiência com a abordagem baseada na problematização. Revista Brasileira de Educação e Saúde, Pombal, v. 9, n. 2, p. 34-40, 2019. DOI: https://doi.org/10.18378/rebes.v9i2.6405.

OLIVEIRA, Tobias Espinosa de; ARAUJO, Ives Solano; VEIT, Eliane Angela. Aprendizagem Baseada em Equipes (Team-Based Learning): um método ativo para o ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 33, n. 3, p. 962-986, 2016. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2016v33n3p962.

PAULA, Sílvio Luiz de et al. Metodologias ativas: uma ação colaborativa para a formação de multiplicadores. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, v. 5, p. 24-34, 2019. DOI: https://doi.org/10.33467/conci.v1i2.10268.

PASQUALINI, Bianca. A aprendizagem baseada em problemas como foco da pesquisa nos cursos de Medicina. In: XIX MOSTRA CIENTÍFICA, 2016, Lages. Anais da XIX Mostra científica. Lages: uniplac, 2016. v. 4.

PINTO, Antônio Sávio da Silva et al. Inovação didática-projeto de reflexão e aplicação de metodologias ativas de aprendizagem no ensino superior: uma experiência com “Peer Instruction”. Janus, Lorena, v. 9, n. 15, p. 75-87. 2018.

SADOYAMA, Adriana dos Santos Prado et al. Metodologias ativas no ensino superior: por uma formação ativa dos docentes em Medicina. CIAIQ2019, v. 1, p. 763-771, 2019.

SOBRAL, Fernanda Ribeiro; CAMPOS, Claudinei José Gomes. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de Enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 208-218, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000100028.

SOUZA, Maria Leilane Azevedo de. A paleontologia como ferramenta comparativa do método de ensino tradicional e metodologia ativa. 2018. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) – Departamento de Biologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão/SE, 2018.

TAMASHIRO, Eliza Maria et al. Desafios e sucessos de um Serviço de Saúde Mental para estudantes da saúde. Revista de Medicina, São Paulo, v. 98, n. 2, p. 148-151, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v98i2p148-151.

VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; GERALDINI, Alexandra Fogli Serpa. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.DS07.

VIEIRA, Cinthia Regina Sales Furtado et al. Utilização de metodologia ativa de ensino na formação do profissional de Nutrição. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 11, n. 9, p. e297-e297, 2019. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e297.2019.

VINHAS, Otávio; JUNGBLUT, Helena; GOMES, Rafael Peduzzi. Da razão à performance: a educação sob a constituição do pós-humano na era da internet ubíqua. RELACult-Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, Foz do Iguaçu, v. 5, n. 4, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1370.

WALL, Marilene Loewen; PRADO, Marta Lenise do; CARRARO, Telma Elisa. A experiência de realizar um Estágio Docência aplicando metodologias ativas. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 515-519, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002008000300022.

Downloads

Publicado

2020-07-14

Como Citar

RIBEIRO, J. T.; ALBUQUERQUE, N. M. D. S. de; RESENDE, T. I. M. de . Potencialidades e desafios da metodologia ativa na perspectiva dos graduandos de Medicina. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 10, p. 1–19, 2020. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.19233. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/19233. Acesso em: 2 dez. 2020.

Edição

Seção

Artigos