Facebook como ferramenta complementar de aprendizado em uma disciplina de Medicina de Família e Comunidade: relato de experiência

  • Leonardo Cançado Monteiro Savassi Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6780-0377
  • Bárbara Rodrigues Toneli Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.
  • Álisson Oliveira dos Santos Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4648-9951
  • Rodrigo Pastor Alves Pereira Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0764-4197
Palavras-chave: Rede social. Educação. Medicina de Família e Comunidade.

Resumo

O uso de redes sociais no processo de aprendizagem expandiu-se nos últimos anos devido à sua popularidade entre os estudantes, à flexibilidade do tempo gasto na rede e ao seu potencial de interação entre professores e alunos. Apresenta-se a experiência da disciplina “Medicina de Família e Comunidade”, da Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto, em que a rede social Facebook é utilizada como ferramenta complementar no processo de aprendizado acadêmico. Em um grupo controlado e secreto dessa rede, alunos matriculados na disciplina convertem dúvidas clínicas cotidianas em objetivos de aprendizado sob a mediação dos professores responsáveis. A participação dos acadêmicos não é obrigatória nem possui caráter avaliativo. Trata-se de estratégia complementar na qual houve participação ativa a partir das dúvidas levantadas nos atendimentos ambulatoriais, tornando as interações dos alunos qualificadas e o processo de aprendizagem contextual e significativo.

Biografia do Autor

Leonardo Cançado Monteiro Savassi, Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Médico de Família e Comunidade, pediatra, mestre e doutor em Educação em Saúde, Especialização em Saúde da Família, Qualificação em Gestão do SUS. Docente do Departamento de Medicina de Família e Comunidade, Saúde Mental e Coletiva (DEMSC) da Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Docente do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Bárbara Rodrigues Toneli, Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Acadêmica do curso de Medicina da UFOP, vice-presidente da Liga Acadêmica de Saúde da Mulher (LASMU) da UFOP, bolsista do Programa Pró-Ativa intitulado “Avaliação das Redes Sociais como ferramenta complementar de aprendizado na graduação em uma disciplina de Medicina de Família e Comunidade”.

Álisson Oliveira dos Santos, Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Médico pela UFOP, atualmente é médico residente na mesma instituição. Mestrando em Telemedicina e Telessaude pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e colaborador técnico da Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS).

Rodrigo Pastor Alves Pereira, Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Especialista em Medicina de Família e Comunidade, mestre em Saúde Pública, docente do DEMSC da Escola de Medicina da UFOP.

Referências

ALBUQUERQUE, Reginaldo et al. Nativos digitais, Millenials, eLearning, pedagogia digital e a Web 4.0. Educação para Milhares, 30 nov. 2015. Disponível em: . Acesso em: 6 out. 2018.

BATES, Tony. Educar na Era Digital: design, ensino e aprendizagem. São Paulo: Artesanato Educacional, 2016. 637 p. (Coleção tecnologia educacional, 7). ISBN 978-85-64803-06-0.

BENNETT, Sue; MATON, Karl; KERVIN, Lisa. The “digital natives” debate: A critical review of the evidence. British Journal of Educational Technology. v. 39, n. 5, p. 775-786, fev. 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 23 jun. 2014. Sessão 1, p. 8-11.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução CNE/CES nº 4, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 9 nov. 2001. Sessão 1, p. 38-9.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde, 1997. 37 p. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 22 out. 2011. Disponível em:. Acesso em: 3 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção À Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 68 p.

CARRACCIO, Carol et al. Shifting Paradigms. Academic Medicine, v. 77, n. 5, p. 361-367, maio 2002.

CFM – CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Despacho SEJUR nº 373, de 13 de julho de 2016. Assunto: Análise Jurídica. Utilização de novas tecnologias. Necessidade de regulamentação pelo CFM. Utilização de aplicativos de conversa simultânea. Sigilo médico. Grupos de discussão por meio do “WhatsApp”. Brasília: CFM, 2016a.

CFM – CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Parecer CFM nº 24, de 19 de maio de 2016. Assunto: Criação de aplicativo de chat para discussão e troca de informações, fotos e casos clínicos entre médicos. Brasília: CFM, 2016b.

CORDOVA, Tania; FAVRETTO, Rosani Aparecida Dias. As redes sociais e a educação: o uso do Facebook na modalidade de educação de jovens e adultos do SESI em Santa Catarina. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. 20., Curitiba (PR), 2014. Anais... [s.l.]: ABED, 2014.

FLEXNER, Abraham. Medical Education in the United States and Canada. A report to the Carnegie Foundation for the advancement of teaching. New York: The Carnegie Foundation, 1910. Disponível em: Acesso em: 4 jan. 2018.

FLYNN, Leslie; JALALI, Alireza; MOREAU, Katherine A. Learning theory and its application to the use of social media in medical education. Postgrad Med J, v. 91, p. 556–560, out. 2015.

GALLARDO-ECHENIQUE, Eliana Esther et al. Let’s talk about digital learners in the digital era. The International Review of Research in Open and Distributed Learning, v. 16, n. 3, jun. 2015. ISSN 1492-3831. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2018. DOI: 10.19173/irrodl.v16i3.2196.

GRIPA, Marcelo. Brasil é o 2o em acesso diário ao Facebook. Olhar Digital, 12 set. 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

GUSSO, Gustavo D. F.; BENSENOR, Isabela J. M.; OLMOS, Rodrigo D. Terminologia da atenção primária à saúde. Revista Brasileira Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, p. 93-99, mar. 2012.

HILLMAN, Toby; SHERBINO, Jonathan. Social media in medical education: a new pedagogical paradigm? Postgrad Med J, v. 91, n. 1080, out. 2015.

KAKUSHI, Luciana E.; ÉVORA, Yolanda D. M. As redes sociais na educação em enfermagem: revisão integrativa da literatura. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 24, n. 2709, 2016.

LORENZO, Eder M. A utilização das redes sociais na Educação. 3. ed. Joinville: Clube de Autores, 2013. 126 p.

MADANICK, Ryan D. Education Becomes Social: The Intersection of Social Media and Medical Education. Gastroenterology, n. 149, p. 844-847, 2015.

MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p. ISBN: 978-85-7967-075-6.

MINHOTO, Paula Maria Lino Veigas. A utilização do Facebook como suporte à aprendizagem da biologia: estudo de caso numa turma do 12º ano. 2012. 122 f. Dissertação (Mestrado em Ensino das Ciências) – Escola Superior de Educação. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança, 2012.

OLIVEIRA, Estevão D. S. et al. Análise comparativa de interações discursivas nas aplicações Moodle e WhatsApp. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 22., Águas de Lindóia (SP), 2016. Anais... [s.l.]: ABED, 2016.

PAGE, Douglas; BARANCHUK, Adrian. The Flexner report: 100 years later. International Journal Of Medical Education, v. 1, p.74-75, out. 2010.

PANDER, Tanja et al. The use of Facebook in medical education – A literature Review. GMS Zeitschrift für Medizinische Ausbildung, v. 31, n. 3, p. 1-19, 2014.

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants Part 1. On the Horizon, v. 9, n. 5, p.1-6, 2001. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2018.

RECUERO, Raquel. Curtir, compartilhar, comentar: trabalho de face, conversação e redes sociais no Facebook. Verso e Reverso, n. XXVIII, v. 68, p. 114-124, maio/ago. 2014.

SAWADA, Thiago. Facebook supera 1,7 bilhão de usuários. O Estado de São Paulo, São Paulo, 27 jul. 2016. Disponível em: supera-1-7-bilhao-de-usuarios,10000065340>. Acesso em: 2 out. 2018.

SIEMENS, George. Connectivism: A Learning Theory for the Digital Age. Elearn space: everything elearning, 2004. Disponível em: Acesso em: 4 fev 2018.

SOTO-AGUILERA, Carlos A. et al. Actividades profesionales confiables (APROC): un enfoque de competencias para el perfil médico. FEM, Barcelona, v. 19, n. 1, p. 55-62, fev. 2016.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. United Nations Childrens’ Fund. Primary Health Care: report of the International Conference on PHC, Alma-Ata, USSR. Geneva: WHO, 1978.

ZANCANARO, Airton et al. Redes Sociais na Educação a Distância: uma análise do projeto e-Nova. Datagramazero: Revista da Informação, Florianópolis, v. 13, n. 2, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2018.
Publicado
2018-12-10
Como Citar
SAVASSI, L. C. M.; TONELI, B. R.; SANTOS, ÁLISSON O. DOS; PEREIRA, R. P. A. Facebook como ferramenta complementar de aprendizado em uma disciplina de Medicina de Família e Comunidade: relato de experiência. Revista Docência do Ensino Superior, v. 8, n. 2, p. 156-177, 10 dez. 2018.
Seção
Artigos