Por uma epistemologia do encontro

aproximações para outro pensar-sentir na formação em saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.25046

Palavras-chave:

Formação superior, Saúde, Epistemologias

Resumo

A arquitetura curricular de cursos da saúde que predomina nas universidades dos países industrializados remonta a uma origem comum, ancorada na cientificidade representativa do modelo biomédico hegemônico. Essa estrutura formativa está na gênese do que convencionou-se nomear de crise da saúde, com o predomínio de procedimentos de intervenção e medicalização. Diante dessa constatação, propostas de mudanças na arquitetura curricular, centradas no modelo ampliado de saúde, vêm sendo implementadas na atualidade. Este ensaio tem como objetivo abrir um diálogo com os docentes sobre a importância do debate epistemológico para a emergência de um outro pensar-sentir no contexto da formação, que tome as noções de encontro e de experiências do sensível como orientadoras de novas possibilidades. Conclui-se que uma formação em saúde mediada pelo encontro depende de uma abertura epistêmica a outros paradigmas fora do marco exclusivo da racionalidade científica, na qual o docente desempenha papel fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Beatriz Barreto do Carmo, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Professora adjunta do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da Universidade Federal da Bahia (IHAC/UFBA). Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade (PPG-EISU/UFBA). Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo e mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde Coletiva da UFBA.

Referências

ALMEIDA-FILHO, Naomar. Higher education and health care in Brasil. Lancet, v. 377, n. 9781, p. 1898-1900, 2011. DOI: https://www.researchgate.net/deref/http%3A%2F%2Fdx.doi.org%2F10.1016%2FS0140-6736(11)60326-7.

ALMEIDA-FILHO, Naomar. A universidade brasileira num contexto globalizado de mercantilização do ensino superior: colleges vs. Vikings. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 32, n. 32, p. 11-30, jul. 2016.

ALMEIDA-FILHO, Naomar; NUNES, Tania Celeste Matos. Inovações curriculares para formação em saúde inspiradas na obra de Anísio Teixeira. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 18, supl. 1, e0025486, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00254.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 8, n. 14, p. 73-92, set. 2003/fev. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832004000100005.

BATISTELLA, Carlos. Abordagens contemporâneas de saúde. In: FONSECA, Angélica Ferreira; CORBO, Ana Maria D’Andrea (org.). O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV, FIOCRUZ, 2007. p. 51-86.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CASTRO GÓMEZ, Santiago. La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Editorial Pontificia Universidad Javeriana, 2005.

CAVALCANTE, Lucíola Inês Pessoa; BISSOLI, Michelle de Freitas; ALMEIDA, Maria Isabel de; PIMENTA, Selma Garrido. A docência no ensino superior na área da saúde: formação continuada/desenvolvimento profissional em foco. Revista Eletrônica Pesquiseduca, v. 3, n. 6, p. 162-182, 2011.

CZRESNIA, Dina. Do contágio à transmissão: ciência e cultura na gênese do conhecimento epidemiológico. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997.

DESCARTES, René. Discurso do método. Porto Alegre: L&PM, 2005.

DUARTE JÚNIOR, João Francisco. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 3. ed. Curitiba: Criar, 2004.

GOMES, Nilma Lino. Intelectuais negros e produção do conhecimento: algumas reflexões sobre a sociedade brasileira. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 419-441.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, 2012.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GUEDES, Carlos Ribeiro; NOGUEIRA, Maria Inês; CAMARGO JR, Kenneth Rochel. A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 1093-1103, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000400030.

LUZ, Madel Therezinha. Natural, racional, social: razão médica e racionalidade científica moderna. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

LUZ, Madel Therezinha. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis, Rio de Janeiro, v. 15, supl. p. 145-176, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312005000300008.

MELLO, Thiago de. A vida verdadeira. In: MELLO, Thiago de. Faz escuro mas eu canto. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

MERHY, Emerson Elias. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde − uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In: CAMPOS, C. R. et al. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte − reescrevendo o público. Belo Horizonte: Xamã/VM Ed., 1998. p. 103-120.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O desencantamento do mundo: todos os passos do conceito em Max Weber. 3. ed. São Paulo: USP/Editora 34, 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: BONILLA, Heraclio (org.). Los conquistados. Tradução de: Wanderson Flor do Nascimento. Bogotá: Tecer Mundo Ediciones; FLACSO, 1992. p. 437-449.

ROCHA, Marcelo Nunes Dourado. Revisão da produção científica brasileira sobre o ensino de graduação em saúde (1974-2011). In: COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas; TEIXEIRA, Carmen Fontes (org.). Interdisciplinaridade na educação superior: o bacharelado em saúde. Salvador: EDUFBA, 2016. p. 25-42.

SPINOZA, Baruch. Ética. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo. Coimbra: Edições Almedina, 2018a.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. São Paulo: Cortez, 2018b.

TEIXEIRA, Carmen Fontes; COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas. O campo da saúde na contemporaneidade: desafios da prática. In: TEIXEIRA, Carmen Fontes; COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas (org.). Problematizando o campo da saúde: concepções e práticas no bacharelado interdisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2017. p. 17-50.

Publicado

2021-03-30

Como Citar

BARRETO DO CARMO, M. B. Por uma epistemologia do encontro: aproximações para outro pensar-sentir na formação em saúde. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 11, p. 1–13, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.25046. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/25046. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos