Proposta de sequência didática para disciplina de Química Geral explorando o uso de tecnologias digitais

  • Julliane D. Yoneda Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal Fluminense (UFF), Volta Redonda, RJ, Brasil.
  • José Augusto Oliveira Huguenin Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal Fluminense (UFF), Volta Redonda, RJ, Brasil.
Palavras-chave: Tecnologia de Informação e Comunicação. Ensino de Química. Aprendizagem Significativa.

Resumo

Este artigo apresenta um relato de experiência de uma proposta de sequência didática integrada envolvendo as disciplinas de Química Geral e Introdução à Computação, ambas para alunos do primeiro semestre de cursos de graduação em Química. As atividades foram planejadas com base em aspectos básicos da Teoria de Aprendizagem Significativa de Ausubel. O uso de análise de dados e a confecção de gráficos em ambientes computacionais, além da aplicação de computação simbólica, mostraram ser ferramentas interessantes no ensino de conceitos de Química. A proposta foi aplicada, e, com isso, observou-se um maior engajamento dos alunos no processo ensino-aprendizagem e um melhor aproveitamento dos estudantes nas avaliações. A sequência didática mostrou ter potencial para aplicação em outras disciplinas de Ciências Exatas do ensino superior.

Biografia do Autor

Julliane D. Yoneda, Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal Fluminense (UFF), Volta Redonda, RJ, Brasil.

Engenheira Química, licenciada e doutora em Química, é professora do Departamento de Química do Instituto de Ciências Exatas da UFF.

José Augusto Oliveira Huguenin, Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal Fluminense (UFF), Volta Redonda, RJ, Brasil.

Doutor, bacharel e licenciado em Física, é professor do Departamento de Física do Instituto de Ciências Exatas da UFF. É credenciado no Programa de Pós-Graduação em Física da UFF e no Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física, polo 15, UFF/Instituto Federal do Rio de Janeiro.

Referências

AUSUBEL, David P. Educational psychology – a cognitive view. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1968.

AUSUBEL, David P.; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen. Educational psychology: a cognitive view. 2. ed. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1978.

BOGISCH, Maria Inês P.; ALCANTARA, Paulo Roberto. Uma comparação entre estratégias de ensino da Química na educação superior. Revista Diálogo Educacional, v. 3, p. 95-104, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

CARLOS, Jairo G. Interdisciplinaridade no ensino médio: desafios e potencialidades. 2007. 171 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

FAZENDA, Ivani Catarina A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 4. ed. Campinas: Papirus, 1994.

LEITE, Bruno S. Tecnologias no Ensino de Química: Teoria e Prática na Formação Docente. Curitiba: Editora Appris, 2015.

LIMA, Érika R. P. O.; MOITA, Filomena Maria G. da S. C. A tecnologia e o ensino de Química: jogos digitais como interface metodológica. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

MENDONÇA, Leda G.; LEITE, Sidnei Q. M.; RODRIGUES, Lúcia R. Aprendizagem significativa nas aulas da graduação tecnológica de Química: Análise da prática pedagógica mediada por teatro. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 7., 2009, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ENPEC, 2009.

MOREIRA, Marco Antônio. Unidades de enseñanza potencialmente significativas – UEPS. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, v. 1, p. 43-63, 2011.

MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2012.

PAIVA, João; RAMOS, Isabel. Adivinhas: Quem é Quem na Tabela Periódica. Química e Ensino, v. 92, p. 61-63, 2004.

PEIXOTO, Joana; ARAÚJO, Cláudia H. S. Tecnologia e educação: algumas considerações sobre o discurso pedagógico contemporâneo. Educação & Sociedade, v. 33, p. 253-268, 2012.

PINHEIRO, Iânderson R. et al. Símbolos químicos com uso da planilha eletrônica do Microsoft Excel. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE QUÍMICA, 54., 2014, Rio Grande do Norte. Anais... Rio Grande do Norte: CBQ, 2014.

PONTE, Cristina. Uma geração digital? A influência familiar na experiência mediática de adolescentes. Sociologia, problemas e práticas, v. 65, p. 31 50, 2011.

RUSSELL, John B. Química Geral. São Paulo: Makron Books, 1994. v. 2. SANDES, Rafael D. D.; AMBROSIO, Renato C.; ANGELUCCI, Camilo A. Integração numérica de leis de velocidade diferenciais com o uso do SCILAB. Química Nova, v. 36, p. 181-186, 2013.

SERRA, Gladis M. D. Contribuição das TIC no ensino e aprendizagem de Ciências: tendências e desafios. 2009. 383 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

TAVARES, Ricarte; SOUZA, Rodolpho O. O.; CORREIA, Alayne O. Um estudo sobre a TIC e o ensino da Química. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 1., 2013, Sergipe. Anais... Sergipe: UFS, 2013. p. 657-669.

TERUYA, Leila C. et al. Visualização no ensino de Química: apontamentos para a pesquisa e desenvolvimento de recursos educacionais. Química Nova, v. 36, p. 561-569, 2013.
Publicado
2018-12-10
Seção
Artigos