Práticas lúdicas no ensino de Fisiologia

o perfil socioeconômico é um fator interveniente de eficácia?

Autores

  • Alexsandro Ferreira Guimarães Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.
  • Bianca Silva da Rocha Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5318-6206
  • Rebeca Kollar Vieira da Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.
  • Marilene Porawski Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3680-5815
  • Lucila Ludmila Paula Gutierrez Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6189-144X

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.32452

Palavras-chave:

Aprendizagem, Práticas lúdicas, Perfil discente

Resumo

No processo de ensino-aprendizagem, alunos e professores estabelecem troca de saberes, e as práticas lúdicas podem auxiliá-los nessa trajetória. O objetivo deste estudo foi verificar se o perfil socioeconômico dos discentes interfere na percepção que eles têm do próprio aprendizado em Fisiologia utilizando-se práticas lúdicas. A coleta de dados foi realizada na disciplina de Fisiologia do curso de Farmácia noturno da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Ao longo do ano de 2016, os alunos vivenciaram aulas expositivas e dialogadas intercaladas com práticas lúdicas; aplicou-se, também, um questionário para avaliação da percepção discente quanto ao uso destas metodologias. Verificou-se que o sucesso da utilização de práticas lúdicas em sala de aula independe de um perfil socioeconômico dos alunos. Os resultados demonstram que a utilização de diferentes modalidades de práticas lúdicas, em combinação com aulas expositivas e dialogadas, no contexto da educação superior, pode ser boa adjuvante no aprendizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexsandro Ferreira Guimarães, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.

Possui graduação em Teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo (2010). Atualmente, é graduando do curso de Física Médica da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Física Médica.

Bianca Silva da Rocha, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (2017). Mestra em Ciências da Saúde com ênfase em Farmacologia e Toxicologia pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (2020). Especialista em Bloco Cirúrgico e Centro de Materiais pelo Instituto Brasileiro de Formação (2019). Atualmente é enfermeira assistencial no Bloco Cirúrgico do Hospital Dom Vicente Scherer (ISMPA).

Rebeca Kollar Vieira da Silva, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Foi membro diretor da Liga Acadêmica de Dermatologia da UFCSPA. Foi bolsista do Programa de Iniciação à Docência vinculado à disciplina de Fisiologia Humana sobre metodologias lúdicas no ensino e bolsista de projeto de extensão vinculado à disciplina de Parasitologia Humana. Possui interesse nas áreas de Medicina Interna e Qualidade de vida.

Marilene Porawski, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1990), mestrado em Ciências Biológicas (Fisiologia) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994) e doutorado em Ciências Biológicas (Fisiologia) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999). É professora adjunta da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Lucila Ludmila Paula Gutierrez, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000), graduação em Bioquímica em Análises Clínicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001), mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Fisiologia) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002 e 2007). É professora adjunta na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Referências

ABBA, Katia; LOPES, Amanda Kelen. Impacto dos fatores pessoais, institucionais e estilos de aprendizagem no desempenho acadêmico: uma análise com estudantes de contabilidade. Revista Catarinense de Ciência Contábil, Florianópolis, v. 19, e3020, p. 1-31, 2020. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-766220203020.

ANGELI, Andrea do Amparo Carotta de; LUVIZARO, Nathália Azevedo; GALHEIGO, Sandra Maria. O cotidiano, o lúdico e as redes relacionais: a artesania do cuidar em terapia ocupacional no hospital. Interface, Botucatu, v. 16, n. 40, p. 261-272, mar. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000016.

BACHUR, Tatiana Paschoalette Rodrigues et al. Paródias e contação de história: formas lúdicas de ensinar parasitologia no ensino superior. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, Salvador, v. 18, n. 1, p. 79-88, jan./abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.9771/cmbio.v18i1.27390.

BARAHONA, Planck. Factores determinantes del rendimiento académico de los estudiantes de la Universidad de Atacama. Estudios pedagógicos, Valdivia, v. 40, n. 1, p. 25-39, 2014. Disponível em: http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-07052014000100002&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 12 jul. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-07052014000100002.

BATISTA, Gabriel; NOVAES, Luiza; FARBIARZ, Alexandre. Jogos: desenvolvendo competências e habilidades. In: BRAZILIAN SYMPOSIUM ON GAMES AND DIGITAL ENTERTAINMENT, 8., 2009, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: IEEE, 2009. Disponível em: http://www.sbgames.org/papers/sbgames09/artanddesign/60516.pdf. Acesso em: 12 jul. 2020.

BIANCONI, M. Lucia; CARUSO, Francisco. Educação não-formal. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 57, n. 4, p. 20, dez. 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000400013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 jul. 2020.

BRANDÃO, Amanda dos Santos; CALIATTO, Susana Gakyia. Contribuições da neuroeducação para a prática pedagógica. Revista Exitus, Santarém, v. 9, n. 3, p. 521-547, jul./set. 2019. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n3ID926.

CARDOZO, Lais Tono et al. Effect of a puzzle on the process of students’ learning about cardiac physiology. Advances in Physiology Education, v. 40, n. 3, p. 425-431, 2016. DOI: https://doi.org/10.1152/advan.00043.2016

CASTELLANOS, Marcelo Eduardo Pfeiffer et al. Estudantes de graduação em saúde coletiva: perfil sociodemográfico e motivações. Ciência da Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 6, p. 1657-1666, jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000600017.

COSCRATO, Gisele; PINA, Juliana Coelho; MELLO, Débora Falleiros de. Utilização de atividades lúdicas na educação em saúde: uma revisão integrativa da literatura. Acta Paulista Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 257-263, abr. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000200017.

FELICETTI, Vera Lucia; MOROSINI, Marília Costa. Do compromisso ao comprometimento: o estudante e a aprendizagem. Educar em Revista, Curitiba, n. especial 2, p. 23-43, 2010.

FERNANDES, Marcelo Costa et al. Universidade e a extensão universitária: a visão dos moradores das comunidades circunvizinhas. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 28, n. 4, p. 169-194, dez. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982012000400007.

FERRARI, Rosani de Fátima; CANCI, Adriana. Investigação psicopedagógica das dificuldades de aprendizagem no ensino superior. Revista de Ciências Humanas e Educação, Frederico Westphalen, v. 6, n. 7, p. 479-493, set. 2005. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v23i2.12654.

FERRAZ JÚNIOR, Antônio Márcio Lima et al. Percepção de estudantes de Odontologia sobre metodologias ativas no processo de ensino-aprendizagem. Revista da ABENO, Londrina, v. 16, n. 3, p. 66-77, jul./set. 2016. DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v16i3.272.

FERREIRA, Martins. Como usar a música na sala de aula. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2002.

FIALHO, André Tadeu dos Santos. Sistema educacional hipermídia para o ensino de fisiologia animal: modelagem e implementação. 2004. Monografia (Bacharelado em Ciência da Computação ) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2004. Disponível em: http://repositorio.ufla.br/bitstream/1/9431/2/ARTIGO_Sistema_educacional_hipermidia_para_o_ensino_de_fisiologia_animal_modelagem_e_implementacao.pdf. Acesso em: 06 ago. 2015.

FLETCHER, Robert H.; FLETCHER, Suzanne W.; FLETCHER, Grant S. Epidemiologia Clínica: Elementos Essenciais. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

GUIMARÃES, Adriana Inácio; SILVA, Carlos Alberto Stechhahn da. A neurociência do lúdico na aprendizagem. Revista de Pós-Graduação Multidisciplinar, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 121-130, mar./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.22287/rpgm.v1i1.475.

GUTIERREZ, Lucila Ludmila Paula; ROCHA, Bianca Silva da; PORAWSKI, Marilene. A resistência dos alunos sobre a utilização de práticas lúdicas no aprendizado de fisiologia. Enfermagem Moderna: Bases de Rigor Técnico e Científico, Ponta Grossa, v. 1, p. 18-23, 2019. DOI: https://doi.org/10.22533/at.ed.7981905063.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brincadeira e educação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciências da Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018 .

NETTO, Cristiane Mendes et al. Sistema tutorial hipermídia de auxílio ao ensino de fisiologia oral. INFOCOMP Journal of Computer Science, Lavras, v. 3, n. 2, p. 19-25, nov. 2004.

PIVETTA, Hedioneia Maria Floretto; BACKES, Dirce Stein; CARPES, Adriana. Ensino, pesquisa e extensão universitária: em busca de uma integração efetiva. Linhas Críticas, Brasília. v. 16, n. 31, p. 377-390, set. 2017. DOI: https://doi.org/10.26512/lc.v16i31.3634.

RAVELLI, Ana Paula Xavier. A inserção da música no ensino superior de enfermagem: um relato de experiência. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 4, n. 2, p. 177-181, set. 2005. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v4i2.5246.

SEMIM, Gabriela Maschio; SOUZA, Maria Conceição Bernardo de Mello; CORRÊA, Adriana Kátia. Professor como facilitador do processo ensino-aprendizagem: visão de estudante de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 484-91, set. 2009.

SOUZA, Cacilda da Silva; IGLESIAS, Alessandro Giraldes; PAZIN-FILHO, Antônio. Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais – aspectos gerais. Medicina, Ribeirão Preto. v. 47, n. 3, p. 284-292, nov. 2014. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p284-292.

SOUZA, Juliana Maciel de; WESCHENFELDER, Helena Corrêa; TOASSI, Ramona Fernanda Ceriotti. Expansão da educação superior no Brasil a partir do REUNI: o curso noturno de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 63-78, mar. 2014. DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2014v7n1p63.

SANT’ANNA, Alexandre; NASCIMENTO, Paulo Roberto. A história do lúdico na educação. Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 19-36, maio 2011. DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2011v6n2p19.

TERRIBILI FILHO, Armando. Ensino superior noturno no Brasil: as dificuldades do entorno educacional e a importância do relacionamento social no ambiente educacional. Educação (UFSM), Santa Maria, p. 21-36, nov. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444.

TESSARO, Josiane Patrícia; JORDÃO, Ana Paula Martinez. Discutindo a importância dos jogos e atividades em sala de aula. Psicologia.pt. 2007. Disponível em: http: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0356.pdf. Acesso em: 25 abr. 2020.

TOBASE, Lúcia; GESTEIRA, Elaine Cristina Rodrigues; TAKAHASHI, Regina Toshie. Revisão de literatura: a utilização da dramatização no ensino de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem, [S.l], v. 9, n. 1, p. 214-228, jan./abr. 2007. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v9i1.7149.

Downloads

Publicado

06-10-2021

Como Citar

GUIMARÃES, A. F.; ROCHA, B. S. da .; SILVA, R. K. V. da; PORAWSKI, M. .; GUTIERREZ, L. L. P. Práticas lúdicas no ensino de Fisiologia: o perfil socioeconômico é um fator interveniente de eficácia?. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 11, p. 1–20, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.32452. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/32452. Acesso em: 5 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)