Perfil dos participantes de um curso de aprimoramento em enfermagem obstétrica

Autores

  • Grazielly Alós Valim Carlos Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brazil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EEUFMG, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG – Brasil http://orcid.org/0000-0003-4172-0488
  • Fernanda Penido Matozinhos Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brazil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EEUFMG, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG – Brasil http://orcid.org/0000-0003-1368-4248
  • Juliana Maria Almeida do Carmo Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brazil, UFMG, EEUFMG. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-1572-0513
  • Bruna Figueiredo Manzo Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brazil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EEUFMG, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG – Brasil http://orcid.org/0000-0003-0064-9961
  • Elysângela Dittz Duarte Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brazil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EEUFMG, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG – Brasil http://orcid.org/0000-0001-8170-7523
  • Kleyde Ventura de Souza Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brazil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EEUFMG, Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG – Brasil http://orcid.org/0000-0002-0971-1701

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49812

Palavras-chave:

Enfermagem Obstétrica, Enfermeiras Obstétricas, Educação Continuada em Enfermagem, Assistência Perinatal, Parto

Resumo

OBJETIVOS: analisar o perfil dos participantes do Curso de Aprimoramento para Enfermagem Obstétrica (EO). MÉTODOS: estudo transversal, conduzido com participantes do Curso de Aprimoramento para EO dos anos de 2014 a 2016. As variáveis incluídas neste estudo referem-se às características sociodemográficas, econômica e de trabalho dos participantes. Para comparar as proporções e verificar as associações foi utilizado o teste exato de Fisher. RESULTADOS: analisou-se 129 formulários dos participantes. A maioria era do sexo feminino, de cor branca, casadas e com mediana de idade de 35 anos. Em relação às regiões de atuação no país, houve predomínio da Nordeste. Houve diferença estatisticamente significativa entre a Instituição de Ensino Superior (IES) de especialização em EO segundo a área de atuação e de residência por regiões brasileiras, anos de conclusão de especialização e bolsa de estudos. CONCLUSÕES: a formação é, indubitavelmente, fator relevante para que as melhorias na assistência obstétrica se perpetuem. Observou-se que, mais recentemente, as IES privadas vêm oferecendo mais oportunidades de formação do que as IES públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. 2011. [citado em 2018 mar. 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/artigo_saude_brasil_2.pdf

Bussadori JCC. Ações da equipe de Enfermagem no ciclo gravídico puerperal e as competências essenciais para atenção qualificada ao parto [tese]. Riberão Preto: Escola de Enfermagem da USP; 2009. 153 f.

Narchi NZ, Cruz EF, Gonçalves R. O papel das obstetrizes e enfermeiras obstetras na promoção da maternidade segura no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013[citado em 2018 mar. 15];18(4):1059-68. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000400019.

Dotto LMG. Atenção qualificada ao parto: a realidade da assistência de Enfermagem em Rio Branco - AC [tese]. Riberão Preto: Escola de Enfermagem da USP; 2006. 143f.

Moura FMJSP, Crizostomo CD, Nery IS, Mendonça RCM, Araujo OD, Rocha SS. A humanização e a assistência de Enfermagem ao parto normal. Rev Bras Enferm. 2007[citado em 2018 jan. 18];60(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000400018

Dias MAB, Domingues RMSM. Desafios na implantação de uma política de humanização da assistência hospitalar ao Parto. Ciênc Saúde Coletiva. 2005[citado em 2018 mar. 18];10(3):699-705. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000300026

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 0478/2015. Normatiza a atuação e a responsabilidade civil do enfermeiro obstetra e obstetriz nos centros de parto normal e/ou casas de parto e dá outras providências. Brasília: COFEn; 2015.

Vieira BDG, Moura MAV, Alves VH, Rodrigues DP. A prática dos enfermeiros obstetras egressos da especialização da Escola de Enfermagem Anna Nery. Rev Enferm UERJ. 2012[citado em 2018 mar. 18];20(esp.1):579-84. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v20nesp1/v20e1a05.pdf

Ministério da Saúde (BR). Decreto n 94.406/87. Regulamenta a Lei 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. Brasília: MS; 1987.

Vogt ES, Silva KS, Dias MAB. Comparação de modelos de assistência ao parto em hospitais públicos. Rev Saúde Pública. 2014[citado em 2018 mar. 18];48(2):304-13. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004633.

Ferrari RAP, Thomson Z, Melchior R. Estratégia da saúde da família: perfil dos médicos e enfermeiros, Londrina, Paraná. Semina. 2005[citado em 2018 mar. 18];26(2):101-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2005v26n2p101

Marsiglia RMG. Perfil dos trabalhadores da atenção básica em saúde no município de São Paulo: região norte e central da cidade. Saude Soc. 2011[citado em 2018 mar. 18];20(4):900-11. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000400008.

Costa LHR. Corpo, poder e o ato de partejar: reflexões à luz das relações de gênero. Rev Bras Enferm. 2000[citado em 2018 mar. 18];53(1):39-46. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672000000100006

Ristoff D, organizador. A mulher na educação brasileira: 1991-2005. Brasília: INEP; 2007.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública. 2014[citado em 2018 mar. 18];30(Suppl. 1):S192-S207. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00133213

Rabelo LR, Oliveira DL. Percepções de enfermeiras obstétricas sobre sua competência na atenção ao parto normal hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2010[citado em 2018 mar. 18];44(1):213-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000100030

Melo AAN, Schirmer J. Atuação dos enfermeiros egressos do curso de especialização em obstetrícia no nordeste do Brasil: da proposta à operacionalização. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012[citado em 2018 mar. 18];16(2):332-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000200018

Merighi MAB, Yoshizato E. Seguimento das enfermeiras obstétricas egressas dos cursos de habilitação e especialização em Enfermagem obstétrica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Rev Latino-Am Enferm. 2002[citado em 2018 mar. 18];10(4):493-501. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692002000400005.

Rosa SD, Lopes RE. Residência multiprofissional em saúde e pós-graduação lato sensu no Brasil: apontamentos históricos. Trab Educ Saúde. 2009[citado em 2018 mar. 18]; 7(3):479-98. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462009000300006.

Rodrigues EAB. Desafios na formação de enfermeiras obstetras no Brasil e as diretrizes para a Rede Cegonha. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

Sacramento MTP, Tyrell MAR. Vivências das enfermeiras nos cursos de especialização em Enfermagem obstétrica. Rev Enferm UERJ. 2006[citado em 2018 mar. 18];14(3):425-33.Disponivel em: http://www.facenf.uerj.br/v14n3/v14n3a15.pdf

Monticelli M, Brüggemann OM, Santos EKA, Oliveira ME, Zampieri MFM, Gregório VRP. Especialização em Enfermagem obstétrica: percepções de egressas quanto ao exercício profissional e satisfação na especialidade. Texto Contexto Enferm. 2008[citado em 2018 mar. 18];17(3):482-91. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000300009

Costa DT, Martins MCF. Estresse em profissionais de Enfermagem: impacto do conflito no grupo e do poder do médico. Rev Esc Enferm USP. 2011[citado em 2018 mar. 18];45(5):1191-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000500023.

Silva JLL, Melo ECP. Estresse e implicações para o trabalhador de Enfermagem. Promoção da Saúde. 2006[citado em 2018 jan. 23];2(2):16-8. Disponível em: http://www.uff.br/promocaodasaude/informe

Schirmer J. Formação da enfermeira obstetra: contribuição para o resgate da atuação na assistência ao parto e nascimento [tese]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem USP; 2001.

Patah LEM, Malik AM. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Rev Saúde Pública. 2011[citado em 2018 mar. 18];45(1):185-94. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011000100021

World Health Organization. Declaração da OMS sobre taxas de cesáreas. Genebra: WHO; 2015. [citado em 2018 fev. 12]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/161442/who_rhr_15.02_por.pdf;jsessionid=59659F1D28D05005CD48FB3268FE5602?sequence=3

Sandall J, Soltani H, Gates S, Shennan A, Devane D. Midwife-led continuity models versus other models of care of childbearing women. Cochrane Database Syst Rev. 2015[citado em 2018 ago. 24];45(1):185-94. Disponível em: 10.1002/14651858.CD 004667.pub5.

Cunha MA, Mamede MV, Dotto LMG, Mamede FV. Assistência pré-natal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009[citado em 2018 mar. 18];13(1):145-53. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452009000100020

Publicado

09-05-2019

Como Citar

1.
Carlos GAV, Matozinhos FP, Carmo JMA do, Manzo BF, Duarte ED, Souza KV de. Perfil dos participantes de um curso de aprimoramento em enfermagem obstétrica. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 9º de maio de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49812

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>