A dor como quinto sinal vital, desafios para a incorporação na formação em saúde

Autores

  • Maria Fernanda Muniz Ferrari Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Niterói RJ , Brasil, Universidade Federal Fluminense – UFF, Mestrado Profissional em Ensino na Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Niterói, RJ – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6606-8938
  • Donizete Vago Daher Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Niterói RJ , Brasil, Universidade Federal Fluminense – UFF, Mestrado Profissional em Ensino na Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Niterói, RJ – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6249-0808
  • Juliane de Macedo Antunes Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Niterói RJ , Brasil, Universidade Federal Fluminense – UFF, Mestrado Profissional em Ensino na Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Niterói, RJ – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-9763-8291
  • Eleinne Felix Amim Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Niterói RJ , Brasil, UFF, Mestrado Acadêmico em Ciências do Cuidado na Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Niterói, RJ – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-5049-6372
  • Camila Moreira Jesus Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Niterói RJ , Brasil, UFF, Mestrado Acadêmico em Ciências do Cuidado na Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Niterói, RJ – Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0888-1570
  • Marina de Almeida Geraldo Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Enfermagem, Rio de Janeiro RJ , Brasil, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Departamento de Enfermagem. Rio de Janeiro, RJ – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-7012-7291

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49819

Palavras-chave:

Saúde, Capacitação de Recursos Humanos em Saúde, Conhecimento, Assistência Centrada no Paciente, Dor

Resumo

Objetivo: refletir sobre a abordagem do tema dor nos cursos de formação profissional em saúde na perspectiva de quinto sinal vital. Métodos: estudo reflexivo, realizado nos meses de maio e junho de 2018, baseado na literatura científica e análise crítica dos autores. Resultados: educar para o manejo da dor na perspectiva de incorporá-la como quinto sinal vital, numa abordagem transdisciplinar, da integralidade do cuidado, da prevenção e da promoção da saúde, torna-se imprescindível e prioritário, por indicar um redirecionamento da formação, podendo representar expressivo avanço e consequente atendimento humanizado aos indivíduos que convivem com a dor. Conclusão: evidenciou-se como importante a realização de revisão dos currículos dos cursos da área da saúde e das estratégias de ensino-aprendizagem com vistas a dar ao conteúdo dor um lugar de destaque, com ênfase nas estratégias ativas e interativas, com olhar especial para a assistência centrada no paciente. Com isso, desenvolvem-se competências técnicas e comportamentais que valorizem o trabalho em equipe e a interdisciplinaridade, com o objetivo de oferecer um cuidado de alto padrão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Merskey H, Bogduk N. IASP Terminology. Seattle: IASP Press; 1994[citado em 2018 abr. 15]. Disponível em: https://www.iasp-pain.org/terminology?navItemNumber=576#backtotop

Twycross R. Cuidados paliativos. Lisboa: Climepsi; 2003.

Kerns RD, Philip EJ, Lee AW, Rosenberger PH. Implementation of the veterans health administration national pain management strategy. Transl Behav Med. 2011[citado em 2018 abr. 18];1(4):635-43. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s13142-011-0094-3

Posso IP, Grossmann E, Fonseca PRB, Perissinotti DMN, Oliveira Júnior JO, Souza JB, et al. Tratado de dor: publicação da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor. São Paulo: Atheneu; 2017.

Joint Commission International. Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais. 5ª ed. Oakbrook Terrace: JCI; 2014[citado em 2018 jun. 15]. Disponível em: https://www.jcrinc.com/assets/1/14/EBJCIH14B_Sample_Pages.pdf

Kopf A, Patel NB, editors. Guia para o tratamento da dor em contextos de poucos recursos. Seattle: IASP; 2010[citado em 2018 jun. 18]. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/rdcms-iasp/files/production/public/Content/ContentFolders/Publications2/FreeBooks/GuidetoPainManagement_Portuguese.pdf

Gaskin DJ, Richard P. The economic costs of pain in the United States. J Pain. 2012[citado em 2018 maio 05];13(8):715-24. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jpain.2012.03.009

Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor. O mapa da dor crônica no Brasil. São Paulo: SBED; 2017[citado em 2018 mar. 15]. Disponível em: http://www.sbed.org.br/lermais_materias.php?cd_materias=807&friurl=_-O-mapa-da-dor-cronica-no-Brasil-

Barros SRAF, Pereira SSL, Almeida Neto A. Nursing students qualification as to pain perception in two universities. Rev Dor. 2011[citado em 2018 maio 08];12(2):131-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-00132011000200010

Sociedade Brasileira Para o Estudo da Dor. Projeto Brasil sem Dor. São Paulo: SBED; 2018[citado em 2018 mar. 15]. Disponível em: http://www.sbed.org.br/materias.php?cd_secao=144#887&friurl=_-Projeto-Brasil-sem-Dor-_

Watt-Watson J, Hogans BB. Current status of pain education and implementation challenges. Seattle: IASP; 2018.

Wilkinson P. 2018 Global Year for Excellence in Pain Education. Message from Global Year Task Force. Seattle: IASP; 2018.

Ribeiro CON, Costa IN, Ribeiro CJN, Nunes MS, Santos B, DeSantana JM. Conhecimento dos Profissionais de Saúde sobre dor e analgesia. Rev Dor. 2015[citado em 2018 mar. 15];16(3):204-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20150041

Kipel AGB, Franco SC, Muller LA. Práticas de enfermagem no manuseio da dor em hospitais de um município de Santa Catarina. Rev Dor. 2015[citado em 2018 mar. 14];16(3):198-203. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20150040

Dowell D, Haegerich TM, Chou R. CDC Guideline for prescribing opioids for chronic pain - United States. MMWR Recomm Rep. 2016[citado 2018 mar. 21];65(RR-1):1-49. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.rr6501e1

Ischkanian PC, Pelicioni MCF. Desafios das práticas integrativas e complementares no SUS visando à promoção da saúde. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2012[citado em 2018 mar. 28];22(1):233-8. Disponível em: https://doi.org/10.7322/jhgd.44936

Pedroso RA, Celich KLS. Pain: fifth vital sign, a challenge for the care in nursing. Texto Contexto Enferm. 2006[citado em 2018 jun. 15];15(2):270-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000200011

Publicado

20-12-2019

Como Citar

1.
Ferrari MFM, Daher DV, Antunes J de M, Amim EF, Jesus CM, Geraldo M de A. A dor como quinto sinal vital, desafios para a incorporação na formação em saúde. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de dezembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49819

Edição

Seção

Artigo de Reflexao

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.