Tendência temporal da prevalência dos fatores de risco e de proteção para doenças crônicas não transmissíveis em belo horizonte, mg

Autores

  • Barbara de Sá Menezes Teixeira Reis Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-3658-4891
  • Ísis Eloah Machado Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-4678-2074
  • Maria Imaculada de Fátima Freitas UFMG, EE, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brasil, UFMG, EE, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0273-9066
  • Alzira de Oliveira Jorge UFMG, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Preventiva e Social, Belo Horizonte MG , Brasil, UFMG, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Preventiva e Social. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-1366-1732
  • Alanna Gomes Silva Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2587-5658
  • Deborah Carvalho Malta UFMG, EE, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brasil, UFMG, EE, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8214-5734

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49953

Palavras-chave:

Inquéritos Epidemiológicos, Doença Crônica, Vigilância

Resumo

Introdução: as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) constituem o maior problema global de saúde e são a principal causa de morte no mundo, juntamente com seus fatores de risco conhecidos, evitáveis e passíveis de intervenção. Objetivo: analisar as tendências temporais da prevalência dos fatores de risco e proteção para as DCNTs no município de Belo Horizonte. Métodos: estudo de tendência de indicadores de fatores de risco e de proteção para DCNT do inquérito Vigitel para a cidade de Belo Horizonte entre 2006 e 2016, estratificados segundo sexo, idade e escolaridade. Para estimar a tendência, foi utilizado o modelo de regressão linear simples, considerando a=0,05. Resultados: a análise de série temporal mostrou aspectos positivos, como aumento das tendências de fatores de proteção - a prática de atividade física no lazer e o consumo recomendado de frutas e legumes. Houve também redução de fatores de risco: o tabagismo, o consumo de refrigerantes e de carne e leite com gordura, no período de 2006 a 2016. Conclusão: a vigilância dos fatores de risco e de proteção para DCNT permite identificar condicionantes sociais, econômicos e ambientais, e a análise dos dados por capitais pode subsidiar o planejamento de programas e ações locais de prevenção de doenças crônicas e seus fatores de risco, tanto individuais quanto coletivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: WHO; 2014[citado em 2019 ago. 25]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/148114/9789241564854_eng.pdf;jsessionid=B094CFCE8202B1A3187B1C491B14D690?sequence=1

Malta DC, França E, Abreu DMX, Perillo RD, Salmen MC, Teixeira RA, et al. Mortalidade por doenças não transmissíveis no Brasil, 1990 a 2015, segundo estimativas do estudo de Carga Global de Doenças. São Paulo Med J. 2017[citado em 2019 ago. 25];135(3):213-21. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/spmj/v135n3/1806-9460-spmj-135-03-00213.pdf

Prefeitura de Belo Horizonte. VIGITEL - Belo Horizonte 2006-2013. Belo Horizonte: PBH; 2015[citado em 2019 ago. 25]. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/sites/default/files/estrutura-de-governo/saude/2018/publicacaoes-da-vigilancia-em-saude/cartilha_vigitel-print-2013-saida.pdf

World Health Organization. Country profiles: Brazil 2014. Geneva: WHO; 2014.

Duncan BB, Chor D, Aquino EM, Benseñor IJ, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012[citado em 2019 fev. 12];46(supl.1):126-34. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v46s1/17.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2017[citado em 2019 mar. 28]. 160 p. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/02/vigitel-brasil-2016.pdf

Malta DC, Bernal RT, Iser BP, Stopa SR, Claro RM, Nardi AC, et al. Fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico nas capitais brasileiras, Vigitel 2014. Rev Bras Epidemiol. 2015[citado em 2019 ago. 25];18(supl. 2):238-55. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v18s2/1980-5497-rbepid-18-s2-00238.pdf

Duarte MB, Bernal BR, Carvalho MD. Fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis na população de Belo Horizonte: Vigitel 2008. Rev Bras Epidemiol. 2013[citado em 2019 maio 25];16(3):572-81. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v16n3/pt_1415-790X-rbepid-16-03-00572.pdf

Malta DC, Bernal RI, Almeida MC, Ishitani LH, Girodo AM, Paixão LMMM, et al. Desigualdades intraurbanas na distribuição dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis, Belo Horizonte, 2010. Rev Bras Epidemiol. 2014[citado em 2019 ago. 25];17(3):629-41. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v17n3/pt_1415-790X-rbepid-17-03-00629.pdf

Pessoa MC, Mendes LL, Caiaffa WT, Malta DC, Velásquez-Meléndez G. Availability of food stores and consumption of fruit, legumes and vegetables in a Brazilian urban area. Nutr Hosp. 2015[citado em 2019 ago. 25];31(3):1438-43. Disponível em: doi: 10.3305/nh.2015.31.3.8245

Bernal RT, Iser BP, Malta DC, Claro RM. Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel): mudança na metodologia de ponderação. Epidemiol Serv Saúde. 2017[citado em 2019 ago. 25];26(4):701-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v26n4/2237-9622-ress-26-04-00701.pdf

World Health Organization. From burden to “best buys”: reducing the economic impact of non-communicable diseases in low- and middle-income countries. Geneva: WHO; 2011[citado em 2019 ago. 25]. 12 p. Disponível em: https://www.who.int/nmh/publications/best_buys_summary.pdf?ua=1

Monteiro CA, Cavalcante TM, Moura EC, Claro RM, Szwarcwald CL. Population-based evidence of a strong decline in the prevalence of smokers in Brazil (1989-2003). Bull World Health Organ. 2007[citado em 2019 maio 25];85(7):527-34. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/pmid/17768501/

Malta DC, Oliveira TP, Luz M, Stopa SR, Silva Junior JB, Reis AAC. Tendências de indicadores de tabagismo nas capitais brasileiras, 2006 a 2013. Ciênc Saúde Colet. 2015[citado em 2019 ago. 25];20(3):631-40. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n3/pt_1413-8123-csc-20-03-00631.pdf

Malta DC, Stopa SR, Santos MAS, Andrade SSCA, Oliveira TP, Cristo EB, et al. Evolução de indicadores do tabagismo segundo inquéritos de telefone, 2006-2014. Cad Saúde Pública. 2017[citado em 2019 ago. 25];33(supl.3):e00134915. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33s3/1678-4464-csp-33-s3-e00134915.pdf

Santos JDP. Avaliação da efetividade do programa de tratamento do tabagismo no Sistema Único de Saúde [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011[citado em 2019 ago. 25]. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/31883

Machado RHV, Feferbaum R, Leone C. Fruit intake and obesity Fruit and vegetables consumption and obesity in Brazil. J Hum Growth Dev. 2016[citado em 2019 ago. 25];26(2):243-52. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-12822016000200016&lng=pt&nrm=iso&tlng=en

Jaime PC, Stopa SR, Oliveira TP, Vieira ML, Szwarcwald CL, Malta DC. Prevalência e distribuição sociodemográfica de marcadores de alimentação saudável, Pesquisa Nacional de Saúde, Brasil 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015[citado em 2019 ago. 25];24(2):267-76. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v24n2/2237-9622-ress-24-02-00267.pdf

Camelo LV, Figueiredo RC, Oliveira-Campos M, Giatti L, Barreto SM. Comportamentos saudáveis e escolaridade no Brasil: tendência temporal de 2008 a 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2019 ago. 25];21(4):1011-21. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n4/1413-8123-csc-21-04-1011.pdf

Organização Pan-Americana da Saúde. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília: OPAS; 2003[citado em 2019 ago. 25]. 58 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_cronico_degenerativas_obesidade_estrategia_mundial_alimentacao_atividade_fisica.pdf

Levy RB, Claro RM, Bandoni DH, Mondini L, Monteiro CA. Disponibilidade de “açúcares de adição” no Brasil: distribuição, fontes alimentares e tendência temporal. Rev Bras Epidemiol. 2012[citado em 2019 ago. 25];15(1):3-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v15n1/01.pdf

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012[citado em 2019 ago. 25];380(9838):219-29. Disponível em: doi: 10.1016/S0140-6736(12)61031-9

Malta DC, Andrade S, Santos M, Rodrigues G, Mielke G. Tendências dos indicadores de atividade física em adultos: Conjunto de capitais do Brasil 2006-2013. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2015[citado em 2019 ago. 25];20(2):141-51. Disponível em: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/5059

Simões EJ, Hallal PC, Siqueira FV, Schmaltz C, Menor D, Malta DC, et al. Effectiveness of a scaled up physical activity intervention in Brazil: a natural experiment. Prev Med. 2016[citado em 2019 ago. 25];31(2):S66-S72. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/308795015_Effectiveness_of_a_scaled_up_physical_activity_intervention_in_Brazil_A_natural_experiment

Wilson DK, Kirtland KA, Ainsworth BE, Addy CL. Socioeconomic status and perceptions of access and safety for physical activity. Ann Behav Med. 2004[citado em 2019 ago. 25];28(1):20-8. Disponível em: https://academic.oup.com/abm/article-lookup/doi/10.1207/s15324796abm2801_4

Organização Mundial de Saúde. Global Status Report on Alcohol and Health 2014. Geneva: WHO; 2014[citado em 2019 ago. 25]. 390 p. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/112736/9789240692763_eng.pdf;jsessionid=0D04D23D6C84B1A5F09433F7F51803B4?sequence=1

Congresso Nacional (BR). Lei nº 12.760, de 20 de dezembro de 2012. Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2012[citado em 2019 ago. 25]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12760.htm

Congresso Nacional (BR). Lei n° 11.705, de 19 de junho de 2008. Dispõe sobre o consumo de bebida alcoólica por condutor de veículo automotor, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2008[citado em 2019 ago. 25]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11705.htm

Malta DC, Berna RTI, Silva MMA, Claro RM, Silva Júnior JB, Reis AAC. Consumption of alcoholic beverages, driving vehicles, a balance of dry law, Brazil 2007-2013. Rev Saúde Pública. 2014[citado em 2019 ago. 25];48(4):692-6. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005633

Bacchieri G, Barros AJD. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Rev Saúde Pública. 2011[citado em 2019 ago. 25];45(5):949-63. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000069

Maty SC, Everson-Rose SA, Haan MN, Raghunathan TE, Kaplan GA. Education, income, occupation, and the 34-year incidence (1965-99) of Type 2 diabetes in the Alameda County Study. Int J Epidemiol. 2005[citado em 2019 ago. 25];34(6):1274-81. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/pmid/16120636/

Malta DC, Bernal RTI, Iser BPM, Szwarcwald CL, Duncan BB, Schmidt MI. Fatores associados ao diabetes autorreferido segundo a Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rev Saúde Pública. 2017[citado em 2019 ago. 25];51(Supl 1):12s. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051000011

Publicado

07-08-2020

Como Citar

1.
Reis B de SMT, Machado Ísis E, Freitas MI de F, Jorge A de O, Silva AG, Malta DC. Tendência temporal da prevalência dos fatores de risco e de proteção para doenças crônicas não transmissíveis em belo horizonte, mg. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 7º de agosto de 2020 [citado 23º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49953

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.