Lugar de fala entre a experiência e a compreensão:

Walter Mignolo, a localização do conhecimento e o direito epistêmico de falar em nome próprio

  • Rayann Kettuly Massahud de Carvalho UFMG
Palavras-chave: colonialidade, pensamento descolonial, lugar de fala

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar a relação entre o pensamento descolonial e a categoria teórico-social do lugar de fala. Isto é, verificar se para essa tradição somente aqueles e aquelas que sofrem com a violência, com a dominação e com a exploração moderna/colonial possuem o direito epistêmico de falar sobre as mazelas vivenciadas. Para isso, é apresentado o modo com que o pensamento descolonial compreende a localização do conhecimento, bem como o modo com que essa tradição contribui para o desvelamento do mito moderno da neutralidade da ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rayann Kettuly Massahud de Carvalho, UFMG

Mestre em Direito pela UFMG. Bacharel em Direito pela UFLA. Membro do Núcleo de Estudos Direito, Modernidade e Capitalismo (UFMG) e do Grupo de Pesquisa Trabalho e Capital (UFMG).

Referências

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, v. 2, p. 89-117. 2013.
BELLO, Enzo. O pensamento descolonial e o modelo de cidadania do novo constitucionalismo latino-americano. RECHTD. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, v. 7, p. 49-61, 2015.
BERCLAZ, Márcio Soares. Da injustiça à democracia: ensaio para uma Justiça de Libertação a partir da experiência zapatista. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.
BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1, p. 15-23, 2016.
BRAGATO, F.F.; CASTILHO, N.M. 2014. A importância do pós-colonialismo e dos estudos descoloniais na análise do novo constitucionalismo latino-americano. In: E. BELLO; E.M. VAL (orgs.), O pensamento pós e descolonial no novo constitucionalismo latino-americano. Caxias do Sul, EDUCS, p. 11-25.
CASTRO-GÓMEZ, Santiago. ¿Qué hacer con los universalismos occidentales?. Revista Ideação, n. 35, 2017.
DUSSEL, Enrique. A Filosofia da Libertação frente aos estudos pós-coloniais, subalternos e a pós-modernidade/The Philosophy of Liberation face the post-modernity and post-colonial and subalterns studies. Revista Direito e Práxis, [S.l.], v. 8, n. 4, p. 3232-3254, dez. 2017. ISSN 2179-8966. Disponível em: . Acesso em: mai. 2020.
DUSSEL, Enrique. Meditações Anti-Cartesianas sobre a Origem do Anti-Discurso Filosófico
da Modernidade. In: SANTOS, Boaventura; MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.
DUSSEL, Enrique. Para um diálogo Inter-filosófico Sul-Sul. Em: Filosofazer: Revista do instituto Superior de Filosofia Berthier. n. 41, p. 11-30. 2012.
DUSSEL, Enrique. Política de la liberación: historia mundial y crítica. Madrid: Editorial Trotta, 2007.
GOMES, David F. L. Brasil, 2020: tentativa de diagnóstico. Manuscrito — Texto escrito para integrar o livro GOMES, D.; CATTONI DE OLIVEIRA, M. 30 anos, e agora? Direito e política nos horizontes da República de 1988 – Em homenagem a Juarez Guimarães. Belo Horizonte: Livraria Conhecimento, com previsão de publicação para 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/42749730/Brasil_2020_tentativa_de_diagn%C3%B3stico. Acesso em: mai. 2020.
GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais. 80, Março 2008: 115-147.
MIGNOLO, Walter. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Em: RBCS. v. 32. n. 94. 2017a.
MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. Revista Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu, n. 1 v. 1, pp. 12-32, 2017b.
MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.
MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina (la derecha, la izquierda y la opción decolonial). Crítica y Emancipación. 2009.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, Poder, Globalização e Democracia. Em: Novos Rumos. nº 37. 2002.
QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad y modernidad/racionalidad”. Em: BONILLA, Heraclio (comp.). Los conquistados: 1492 y la población indígena de las Américas. Quito: FLACSO; Librimundi; Bogotá: Tercer Mundo, 1992.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Em: Palermo Zulma e Quinterom Pablo. Aníbal Quijano textos de fundacion. 1º ed. Buenos Aires: Del Signo, 2014.
QUIJANO, Aníbal. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos Avançados, 2005.
QUIJANO, Aníbal. La colonialidad y la cuestión del poder. texto inédito, Lima. 2001. p. 1-21.
QUIJANO, Aníbal; WALLERSTEIN, Immanuel. Americanidad como concepto, o America en el moderno sistema mundial. Em: Revista internacional de ciencias sociales. París: UNESCO, n. 134, diciembre 1992.
RIBEIRO, Djamila. O que é: lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, Justificando, 2017.
Publicado
2020-08-06
Como Citar
MASSAHUD DE CARVALHO, R. K. Lugar de fala entre a experiência e a compreensão:. Revista de Ciências do Estado, v. 5, n. 2, p. 1 - 18, 6 ago. 2020.