Movimento de Mulheres Negras no Brasil

Rompendo com os silenciamentos e protagonizando vozes

Autores

  • Steffane Pereira Santos Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2020.24506

Palavras-chave:

Mulheres negras, Resistência, Movimento feminista negro

Resumo

Busca em caráter exploratório, reconstruir o legado de lutas do feminismo negro no Brasil, principalmente à partir da década de 1970, junto à organizações diversas. O movimento de mulheres negras atuou e atua desafiando e questionando o feminismo hegemônico, visibilizando demandas raciais, referente a sexualidade e classe. Mulheres negras feminilizaram o movimento negro e enegreceram o movimento feminista, assim presente retoma referencial teórico, acionando às lutas históricas de mulheres negras brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Steffane Pereira Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Ciências Sociais na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Integrante do Grupo EME (Pesquisa em Mídia e Esfera Pública)/UFMG.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6457-7517

Referências

ALVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. cadernos pagu (43), janeiro-junho de 2014.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Decolonial turn and Latin America. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 11, Brasília, maio-agosto de 2013, pp. 89-117.

BARRETO, Ana C. de Jesus. CALABAR: UMA RELEITURA DOS QUILOMBOS CONTEMPORÂNEOS. v. 16 n. 1 (2019): Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. cadernos pagu (26), janeiro-junho de 2006: pp.329-376.

CARDOSO, Cláudia Pons. A construção da identidade feminista negra: experiência de mulheres negras brasileiras.

FAZENDO GÊNERO, v. 10, 2013.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Tese de Doutorado. Tese de doutorado (Educação).

Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, v. 49, p. 49-58, 2003.

Gênero, Raça e Ascensão Social. Estudos Feministas. ano 3, 544, 2ª semestre de 1995.

Mulheres em Movimento. Estudos Avançados. 17, 2003.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Trad. Jamille Pinheiro Dias. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. A interseccionalidade na discriminação de raça e gênero. VV. AA. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, p. 7-16, 2004.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

DIAS, Sonia Maria Barbosa et al. O papel da internet para as redes de organizações não-governamentais: o caso da Articulação de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB). Mestrado-Pontifícia Universidade Católica–PUC. São Paulo, p. 111, 2009.

Declaração dos direitos da mulher da cidadã - 1791. Universidade de São Paulo - Biblioteca Virtual de Direitos Humanos. <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Documentos-anteriores-%C3%A0-cria%C3%A7%C3%A3o-da-Sociedade-das-Na%C3%A7%C3%B5es-at%C3%A9-1919/declaracao-dos-direitos-da-mulher-e-da-cidada-1791.html>. Acesso em 24 jul. 2020.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo [online]. 2007, vol.12, n.23, p.100-122.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Trad. Renato da Silveira. EDUFBA. Salvador, 2008.

FIGUEIREDO, Angela. Perspectivas e contribuições das organizações de mulheres negras e feministas negras contra o racismo e o sexismo na sociedade brasileira. Rev. Direito e Práxis., Rio de Janeiro, Vol. 9, N. 2, 2018, p.1080-1099.

GONZALEZ, Lélia. A cidadania e a questão étnica. (1985) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

As amefricanas do Brasil e a sua militância. (1988) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa.

Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

Debate: A cidadania e a questão étnica. (1985) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

Mulher negra (2000) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

Mulher negra, essa quilombola (1981) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

Por um feminismo afro-latino-americano. (1988) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

Racismo por omissão (1985) In: Primavera para as Rosas Negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea Organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA). Diáspora Africana, 2018.

HOOKS, bell. Feminismo: Uma Política Transformadora In: Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

A margem como um espaço de abertura radical In: Anseios: raça, gênero e políticas culturais. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Editora Cobogó, 2019.

LACERDA, T. C. TEREZA DE BENGUELA: IDENTIDADE E REPRESENTATIVIDADE NEGRA. Revista de Estudos Acadêmicos de Letras. v. 12, n. 02. out, 2019.

LEMOS, R. DE O. A MARCHA DAS MULHERES NEGRAS 2015: OLHARES DAS MULHERES NEGRAS BRASILEIRAS SOBRE O FEMINISMO NEGRO NO BRASIL, Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X.

MULHERES NEGRAS MARCHAM EM 201 PELO BEM VIVER. SER Social, v. 17, n. 36, p. 207, 7 nov. 2015.

LIMA, Solimar Oliveira. ESPERANÇA. Nossa Consciência tem nome. informe econômico, ano 10, nº 22, nov-dez, 2009.

MACHADO, B. A. (2019). O pensamento feminista “amefricano” e a ideia de articulação entre gênero, classe, raça e sexualidade: Ferramentas de análise para a história das sociedades americanas. Revista Eletrônica Da ANPHLAC, (27), 280-309.

MATOS, Marjorie Evelyn Maranhão Silva. Grupo de Mulheres Negras Mãe Andresa: um olhar à construção dos direitos humanos das mulheres negras a partir de suas vivências, experiências e posicionalidades. 2017. 153 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Jurídicas, Belém, 2017. Programa de Pós-Graduação em Direito. Disponível em: <http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10156>. Acesso em: 17 jun. 2020.

MOREIRA, Nubia Regina. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e São Paulo. 2007. 121p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/278996>. Acesso em: 8 ago. 2018.

NASCIMENTO, Beatriz. Historiografia do Quilombo. (1977) In. Beatriz Nascimento, Quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Filhos da África, 2018.

O Conceito de Quilombo e a Resistência Cultural Negra. (1985) In. Beatriz Nascimento, Quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Filhos da África, 2018.

O que é o Geledés Instituto da Mulher Negra. Geledés Instituto Mulher Negra. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/o-que-e-o-geledes-instituto-da-mulher-negra/>. Acesso em 21 jul. 2020.

Perfis Femininos - Luiza Bairros. Consuelo Pondé Biblioteca Virtual. Disponível em: <http://www.bvconsueloponde.ba.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=262>. Acesso em 21 jul. 2020.

Quem Somos - Criola. Criola Org. Disponível em: <https://criola.org.br/onepage/quem-somos/>. Acesso em 21 jul. 2020.

Quem Somos - ODARA Instituto da Mulher Negra. Instituto Odara. Disponível em: <https://institutoodara.org.br/quem-somos/>. Acesso em 21 jul. 2020.

PITKIN, Hanna Fenichel. Representação: Palavras, Instituições e Ideias. Lua Nova, São Paulo, 67: 15-47, 2006

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RODRIGUES, Cristiano. Atualidade do Conceito de Interseccionalidade para a Pesquisa e Prática Feminista no Brasil. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2013. ISSN 2179-510X.

As fronteiras entre a raça e gênero na cena pública brasileira: um estudo da construção da identidade coletiva do movimento de mulheres negras. 2006. Dissertação. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Belo Horizonte, MG. Disponível em: <http://hdl.handle.net/1843/VCSA-7WNM6C> Acesso em 22 jul. 2020.

RODRIGUES, Cristiano Santos; PRADO, Marco Aurélio Máximo. Movimento de mulheres negras: trajetória política, práticas mobilizatórias e articulações com o estado brasileiro. Psicologia & Sociedade, v. 22, n. 3, p. 445-456, 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Autêntica, 2019.

SANTOS, Ellen Mendonça Silva dos. MOVIMENTO DE MULHERES NEGRAS NO RIO DE JANEIRO: AFROPERSPECTIVAS, AMEFRICANIDADE E A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO PERÍODO DA CONSTITUINTE DE 1988. v. 1 n. 1 (2015): ENCRESPANDO Seminário Internacional: Refletindo a Década Internacional dos Afrodescendentes ONU.

SANTOS, Sônia Beatriz dos. As ONGs de mulheres negras no Brasil. Sociedade e Cultura, v. 12, n. 2, p. 275-288, jul. dez. 2009

Feminismo Negro Diaspórico. Revista Gênero. Niterói, 2007.

Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Biblioteca Presidência da República. Disponível em: <http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/base-legal-de-governo/orgaos-extintos/secretaria-de-politicas-de-promocao-da-igualdade-racial>. Acesso em 21 jul. 2020.

SILVA, Livia Maria Baêta da., FREITAS, Joseania Miranda. A Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte: uma perspectiva museológica e de gênero. I Enecult, 2005. Disponível em: <http://www.cult.ufba.br/enecul2005/LiviaMariaBaetadaSilva.pdf.>. Acesso em 09 out. 2020.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SOUZA, Elio Ferreira de. A carta da escrava ‘Esperança Garcia’de Nazaré do Piauí: uma narrativa de testemunho precursora da literatura afro-brasileira. 2018.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020, 144 p.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. Motta, Ivania Pocinho. São Paulo: Boitempo, 2016.

Downloads

Publicado

23-12-2020

Como Citar

SANTOS, S. P. Movimento de Mulheres Negras no Brasil: Rompendo com os silenciamentos e protagonizando vozes. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, p. 1–22, 2020. DOI: 10.35699/2525-8036.2020.24506. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/24506. Acesso em: 28 maio. 2024.