Reflexôes à luz do pensamento de Giorgio Agamben, Roberto Esposito e Zygmunt Bauman sobre o adolescente negro e pobre no Rio de Janeiro

Autores

  • Anna Carolina Cunha Pinto Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5100

Palavras-chave:

Estado de exceção, Homo sacer, Communitas, Modernidade Líquida, Adolescentes

Resumo

Este artigo pretende analisar à luz de conceitos de Agamben, Esposito e Bauman a situação dos adolescentes negros, pobres e periféricos do Estado do Rio de Janeiro, por muitos considerados inimigos públicos, numa sociedade que busca cada vez mais minimizar o contato entre os desiguais em tempos de modernidade líquida. A fim de poupar a interação entre estranhos que tem chance de se encontrar, a comunidade marcada pela falta de vínculo explicitada por roberto esposito, em communitas, aniquila o outro de variadas formas. Através da realidade destes adolescentes, nota-se que tal aniquilação dá-se de distintos modos sob a perspectiva do permanente estado de exceção, apregoado por Giorgio Agamben, passando pelo isolamento em suas comunidades, rotina de violação de direitos e rotulação como inimigo público. Este último justifica para determinada parcela da sociedade, assim como era para a figura do homo sacer, que estas vidas sejam ceifadas em nome de questões de segurança pública.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Carolina Cunha Pinto, Universidade Federal Fluminense

Graduação em Direito pela UCAM. Mestrado em andamento pelo PPGSD/UFF. Contato: annacarolinapinto@id.uff.br. http://orcid.org/0000-0001-7842-9905

Referências

AGAMBEN, Giorgio. (2004) Estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo.

______ (2002) Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua 1.Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG

_____ (2010). Signatura Rerum-sobre el método. Tradução de Flavia Costa e Mercedes Ruvituso. Barcelona: Editorial Anagrama.

ANISTIA INTERNACIONAL (2017) Anistia Internacional –Informe 2016/ 2017 –O estado dos direitos humanos no mundo. Tradução: Verve Traduções. Londres: Anistia Internacional

______ (2015).Você matou meu filho!: homicídios cometidos pela polícia militar na cidade do Rio de Janeiro.Rio de Janeiro: Anistia Internacional.

BAUMAN, Zygmunt (2001) Modernidade Líquida.Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar.

______ (1999) Globalização: As conseqüências humanas. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Zahar.

BERMAN, Marshall. (1986). Tudo que é sólido se desmancha no ar.São Paulo: Cia das Letras.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos (SDH). (2013) Levantamento Anual dos/as Adolescentes em Conflito com a Lei–2012. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

CARVALHO, Deize. Vencendo as adversidades. (2014). São Paulo: Nós por nós. Conselho Nacional do Ministério Público. Relatório da Infância e Juventude –Resolução nº 67/2011: Um olhar mais atento às unidades de internação e semiliberdade para adolescentes. Brasília: Conselho Nacional do Ministério Público, 2013.

ESPOSITO, Roberto (2003). Communitas: origen y destino de la comunidad. 1ªed. Buenos Aires: Amorrortu.

FOUCAULT, Michel. (2014) Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 42ª edição. Petrópolis: Vozes.

FROMM, Erich. (2006) A arte de amar. Tradução de Milton Amado.São Paulo: Martins Fontes.

HUMAN RIGHTS WATCH (2016). O bom policial tem medo. Os custos da violência policial no Rio de Janeiro.Rio de Janeiro: Human Rights Watch.

MALKES, Renata. Na praia, Rio se confronta com velhas divisões. Carta Capital, 29 set. 2015. Disponível em: < https://www.cartacapital.com.br/sociedade/na-praia-rio-se-confronta-com-velhas-divisoes-9924.html> Acesso em 30/11/2017.

MARTÍN, María. O eco dos 111 tiros de Costa Barros. El País, 25 dez. 2016. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2016/11/28/politica/1480370686_545342.html> Acesso em: 30/11/2017.

Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro (2014). Relatório Anual 2014.Rio de Janeiro: ALERJ.

MOLINA, Antonio García-Pablos de; e GOMES, Luiz Flávio. (2006) Criminologia.5ª. Edição. São Paulo: Revista dos Tribunais.

NOCELLI,Charles;FERNANDES,Eder(Org.); HANSEN, Gilvan (Org.) ; NEVES, Edson Alvisi (Org.) . Democracia, Cidadania e Estado de Direito: ensaios.1. ed. Niteroi: Light, 2014. v. 1. P.149

ROQUE, Átila. A violência no Brasil tem cor. Carta Capital, 9 jan. 2015. Disponível em: <https://anistia.org.br/tragedia-de-ferguson-e-rotina-brasil/> Acesso em: 30/11/2017.

STAHL, Gary. UNICEF é contra a redução da maioridade penal. UNICEF Brasil. 18 mar. 2015. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/media_29163.htm> Acesso em: 30/12/2017.

ZACCONE, Orlando (2015). Indignos da vida: a desconstrução do poder punitivo. Rio de Janeiro: Renvan. ZAFFARONI, Eugenio Raúl. (2014) O Inimigo no Direito Penal.3ª edição. Rio de Janeiro: Revan.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. (2015) Mapa da violência: mortes matadas por arma de fogo.Brasília: Secretaria Geral da Presidência

Downloads

Publicado

19-07-2018

Como Citar

PINTO, A. C. C. Reflexôes à luz do pensamento de Giorgio Agamben, Roberto Esposito e Zygmunt Bauman sobre o adolescente negro e pobre no Rio de Janeiro . Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 389–408, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5100. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5100. Acesso em: 22 jun. 2024.