Uma breve história das Ciências do Estado

Autores

  • Lucas Parreira Álvares Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2016.4982

Resumo

O presente artigo pretende analisar o surgimento, bem como o desenvolvimento das Ciências do Estado no século XVIII, em sua origem na Alemanha, numa hipótese que atravessa três pilares fundamentais: as “Ciências Camerais”, a “Ciência de Polícia” e a “Razão do Estado”, essa última, fundamental corrente filosófica do início da Modernidade. Assim, traçar-se-á parâmetros para o contexto de desafios atuais predispostos às Ciências do Estado através de uma relação entre duas experiências específicas de tal disciplina - uma europeia, e outra brasileira – por meio de comparações curriculares, e de perfil do egresso.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Parreira Álvares, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduando em Ciências do Estado pela UFMG.      

Referências

ADAM, Ulrich. The Political Economy of J.H.G. Justi. Bern: Peter Lang, 2006.

BOBBIO, Norberto. Ciência Política. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUI-NO, Gianfranco. Dicionário de Política: volume I. 11. ed. Brasília: Unb, 1998. p. 164-169.

BONNIN, Carlos Juan. Compendio de los Principios de Administración. Madrid: Imprenta de José Palácios. 1834.

CUNHA, Alexandre Mendes. Johann Heinrich Gottlob von Justi (1717-1771) e o pensa-mento econômico cameralista. Anais do 41º Encontro Nacional de Economia. Foz do Iguaçu: ANPEC, 2013, 25p.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. São Paulo: Saraiva, 1989, 259p.

GETTEL, Raymond Garfield. História das Ideias Políticas. Lisboa: Inquérito, 1936, 686p.

GONÇALVES, Eugênio Mattioli. Princípios da Razão de Estado em O Príncipe, de Nicolau Maquiavel. Filogenese. Marília: v. 3, n. 1, p.7-14, jul. 2010.

GUERRERO, Omar. Estudio Introductorio. In: JUSTI, Juan Enrique Von. Ciencia del EstadoToluca: 1996, p.10-55.

HEGEL, G. W. F. Princípios da Filosofia do Direito. São Paulo: Ícone, 2005, 279p.

HELLER, Hermann. Teoria do Estado. São Paulo: Mestre Jou, 1968, 375p.

JELLINEK, Georg. Teoría General del Estado. Ciudad de Mexico: B de F, 2005, 948 p.

KRAUS, Hans-cristoph. Del Cameralismo a la Economía Nacional: la tradición alemana de las ciencias politicas hasta el comienzo del siglo XX. Historia 396, Viña del Mar, v. 2011, n. 1, p.103-125, 04 abr. 2011.

MANHART, Sebastian. In den Feldern des Wissens: Die Entstehung von Fach und diszip-linärer Semantik in den Geschichts- und Staatswissenschaften (1780 - 1860). Würzburg: K&n, 2011.

MEINECKER, Friedrich. Die Idee der Staatsräson in der neueren Geschichte. Munique e Berlin: Druck Und Verlag von R. Oldenbourg, 1926. 188 p.

____________________. Machiavelism:The Doctrine of Raison d’Etat and its Place in Mod-ern History. London: Routledge and Kegan Paul, 1957.

SCHAUER, Reinbert. Rechnungswesen in öffentlichen Verwaltungen. Verlag Linde, Wien, 2007.

SCHIERA, Pierangelo. Cameralismo. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUI-NO, Gianfranco. Dicionário de Política: volume I. 11. ed. Brasília: Unb, 1998. p. 137-141.

SECKENDORFF, Ludwig Von. Teutscher Fürsten-Staat. Frankfurt: Jena, 1754.

SENELLART, Michel. As artes de governar. São Paulo: Editora 34, 2006, 336p.

Downloads

Publicado

2016-07-27

Como Citar

ÁLVARES, L. P. Uma breve história das Ciências do Estado. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 13–29, 2016. DOI: 10.35699/2525-8036.2016.4982. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e4982. Acesso em: 18 ago. 2022.