UM CINEASTA BAIANO

Autores

  • Ana Luisa de Castro Coimbra Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil

Palavras-chave:

cinema, Bahia, história

Resumo

No final década de 1930, emerge do contexto cinematográfico da Bahia a figura de Alexandre Robatto Filho que desenvolve, por quase trinta anos, uma filmografia expressiva deixando como legado importantes filmes, de valor documental e artístico, para a história do cinema no Brasil. O interesse era registrar o cotidiano, tendo predileção pelos temas da cultura popular, deixando evidente, na cena posta, o profissionalismo e cuidado estético de quem escolheu a imagem como força poética para expressar o mundo a sua volta.

Biografia do Autor

Ana Luisa de Castro Coimbra, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG.

Referências

AMADO, Jorge. Bahia de Todos os Santos. São Paulo: Editora: Martins, 1951.

GATTI, José. Barravento - A estreia de Glauber. Florianópolis, Editora da UFSC, 1987.

MIRANDA, Luiz Felipe A. de & RAMOS, Fernão Pessoa (orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: SENAC São Paulo, 2000.

REVISTA CINEARTE. Da Bahia. Rio de Janeiro, v. 5, n° 216, 16 de abril de 1930.

RISERIO, Antônio. Avant-Garde na Bahia. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, 1995.

ROBATTO, Sílvio. Sílvio Robatto. Entrevista concedida à TV UFBA. Salvador: 2000.

ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo, Cosac e Naify, 2003.

SETARO, André; UMBERTO, José. Alexandre Robatto Filho: pioneiro do cinema baiano. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1992.

SILVEIRA, Walter da. O eterno e o efêmero. Salvador: Oiti, 2006.

Downloads

Publicado

2016-11-01

Como Citar

COIMBRA, A. L. de C. UM CINEASTA BAIANO. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 75–86, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15739. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática