Cinema baianamericano

domínio da narrativa clássica em Redenção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.36138

Palavras-chave:

Cinema, Narrativa clássica, Roberto Pires

Resumo

A influência dos filmes estadunidense é perceptível nas diversas produções do cinema mundial, quer seja nas tentativas de narrar uma história a partir de uma linguagem cinematográfica dita clássica ou ainda nos enredos transgressores pautados, quase sempre, na desconstrução de tais parâmetros narrativos já estabelecidos. O objetivo deste trabalho é analisar Redenção (1959), crucial filme de ficção produzido na Bahia, ressaltando as características técnicas empregadas em sua criação e também evidenciar como a sua construção teve como base primordial o fascínio que o cinema feito nos Estados Unidos provocava em Roberto Pires – cineasta responsável pela obra em questão – que viu na narrativa clássica a forma mais adequada de transpor para imagem e som uma fábula policial.

Referências

ANDRADE, Ana Lúcia Menezes de. O filme dentro do filme: a metalinguagem no cinema. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: proposta para uma história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

BORDWELL, David. O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. In: RAMOS, Fernão Pessoa (Org). Teoria Contemporânea do Cinema. Vol. II. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.

CAPUZZO, Heitor. Considerações sobre a linguagem clássica. In: Aldred Hitchcock: o cinema em construção. Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1995.

COIMBRA, Ana Luisa de Castro. Rodar filmes, fazer cinema: Alexandre Robatto Filho e as imagens dos povos. Tese (Doutorado em Artes) – EscolA de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2019.

HEREDERO, Carlos F.; SANTAMARINA, Antonio. El cine negro: maduración y crisis de la escritura clásica. Barcelona: Paidós, 1996.

LEAL, Hermes. Orlando Senna: o homem da montanha. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008.

MASCARELLO, Fernando. Film Noir. In: ______ (Org.) História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006.

O GUARANI. Direção: Cláudio Marques e Marília Hughes. Fotografia: Nicolas Hallet. Bahia: Panorama de Cinema, 2008. 1 filme (20 min), son., color., 35mm.

REZENDE, Eron. Cenas de uma aventura. Rumos Jornalismo Cultural, 2011. Disponível em: https://issuu.com/itaucultural/docs/cenasdeumaventura

REVISTA CINEARTE. Da Bahia. Rio de Janeiro, v. 5, n° 216, 16 de abril de 1930.

ROCHA, Glauber. Redenção - primeiro filme baiano. Jornal da Bahia, Salvador, 1958.

ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. Cosac&Naify, São Paulo, 2003.

RUBIM, Antônio Albino Canelas. Cultura, política e mídia na Bahia contemporânea. Comunicação & Política, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 93-117, jan./abr. 2003.

SANTANA, Oscar. Entrevista. CineCachoeira – Revista de Cinema e Audiovisual da UFRB, Ano I, Nº 1, 2010. Disponível em: <http://www3.ufrb.edu.br/cinecachoeira/2010/11/sonhando-com-oscar/>. Acesso em: 18 mar. 2015.

SETARO, André. Panorama do Cinema Baiano. Salvador: FUNCEB / Diretoria de Imagem e Som, 2012.

SILVEIRA, Walter. Redenção: passado e futuro do cinema da Bahia (II). Diário de Notícias, Salvador, 15 de mar. 1959, p. 3.

SILVEIRA, Walter da. A História do cinema vista da província. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1978.

SILVEIRA, Walter da. O eterno e o efêmero. Salvador: Oiti, 2006.

Downloads

Publicado

2022-04-28

Como Citar

COIMBRA, A. L. de C. Cinema baianamericano: domínio da narrativa clássica em Redenção. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 200–216, 2022. DOI: 10.35699/2237-5864.2022.36138. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/36138. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática