Circulação, recepção e apropriação do método de ensino do desenho de Louise Artus-Perrelet

educação estética e modernismo na formação de professores primários no início do século XX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.20508

Palavras-chave:

Artus-Perrelet, Ensino do desenho, Modernismo na arte, Escola Nova

Resumo

O método de ensino do desenho para crianças da arte-educadora Louise Artus-Perrelet foi sistematizado no livro Le Dessin au Service de l’Éducation, traduzido e publicado no Brasil em 1930, quando a autora visitou o país para conferências. O trabalho de Artus-Perrelet é analisado como proposta de educação estética na formação de professores primários, relacionando-o aos princípios modernistas na arte e ao movimento da Escola Nova. Artus-Perrelet dialoga com processos pedagógicos e de criação de Paul Klee e Wassily Kandinsky, professores na Escola Bauhaus, e com a pedagogia ativa genebrina. Seu método foi apropriado no contexto brasileiro por meio de relatos da poeta Cecília Meireles publicados no Rio de Janeiro, e no trabalho de seu aluno Jean-Pierre Chabloz, artista plástico e educador.

 

Biografia do Autor

Marilene Oliveira Almeida, Escola Guignard - Universidade do Estado de Minas Gerais - Brasil

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação, FaE/Universidade Federal de Minas Gerais, professora e membro do Colegiado do Curso de Artes Plásticas Licenciatura da Escola Guignard/ Universidade do Estado de Minas Gerais, coordena o Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos sobre a Docência - LEDoc, e integra o Grupo de Pesquisa História da Psicologia e contexto Sócio-Cultural.

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ARTUS-PERRELET, Louise. El dibujo al servicio de la educación. Prefacio de Pierre Bovet. Traducción y prólogo de Víctor Masriera. 2.a ed. Madrid, Librería Beltrán, 1935.. (Actualidades Pedagógicas).

________. Le Dessin au service de l’Education. Neuchâtel: Delachaux & Nestlé S. A. Éditeurs, 1917. (Collection D’Actualités Pédagogiques).

________. O desenho a serviço da educação. Trad. Genesco Murta. Rio de Janeiro: Villas-Boas & Cia Editores, 1930. (Actualidades Pedagógicas).

ASSIS, Raquel Martins; ANTUNES, Mitsuko Aparecida Makino. Psiquismo da criança: psicologia divulgada pela imprensa educacional no Brasil (1930-1940). Psychologia Latina. 2014, v. 5, n. 1, p. 21-30.

BARBOSA, Ana Mae. John Dewey e o ensino de arte no Brasil. 5. Ed. – São Paulo: Cortez, 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Título original: L’Analyse de Contenu. Lisboa: Edições 70, 1997.

BÄTSCHMANN, Marie Therese ; GENTIL, Léa ; CHANAL, Tamara. Barthélemy Menn : peindre et enseigner. Un projet de recherche. In : Genava : La revue des Musées d’art et d’histoire de Genève, n. s. 61, 2013. ISSN 0072-0585 e ISBN 978-2-88474-350-1.

CAMPOS, Regina Helena de Freitas. Helena Antipoff (1892-1974) e a Perspectiva Sociocultural em Psicologia e Educação. 2010. 269 f. Tese (Professor Titular do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

________. Helena Antipoff (1892-1974): uma biografia intelectual. Rio de Janeiro: Fundação Miguel de Cervantes/Biblioteca Nacional, 2012. (Coleção Memória do Saber CNPq).

CHARTIER, Roger. A história cultural: Entre práticas e representações. Lisboa, Portugal: Difel, 1990.

CHEVALIER, Jean et al. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costues, gestos, formas, figuras, cores, números). Coordenação Carlos Sussekind; tradução Vera da Costa e Silva et al. - 9ª ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1995.

CLAPARÈDE, Édouard. A Educação Funcional. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 4º ed., 1954, Tradução nova e notas: J. B. Damasco Penna. (Atualidades Pedagógicas), 322 p.

CONCEIÇÃO, Gabriel Luís da; SILVA, Maria Célia Leme da. Saberes profissionais do professor que ensina Geometria: propostas belgas no Relatório de Luiz Reis (1892). In: Revista História da Educação (on-line), 2019, v. 23: e87519 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2236-3459/87519.


DAQUI E DALI. In: Revista do Ensino. Belo Horizonte: Secretaria de Educação. Ano V, Nº 41, jan. de 1930.

DEMPSEY, Amy. Estilos, escolas & movimentos. Guia enciclopédico da arte moderna. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

DUPRET, Franck. “Louise Artus-Perrelet”. Curso da Professora Madame Martine Ruchat : Une histoire culturelle et sociale de l´éducation spécialisée. Semestre d’automne 2014. (trabalho semestral não publicado).

ÉMILE Jaques-Dalcroze (1865-1950). Disponível em http://data.bnf.fr/en/13006869/emile_jaques-dalcroze/. Acesso em 22 de set. de 2018.

FERREIRA, Rosângela Veiga Júlio. A signatária Cecília Meireles: interfaces educacionais no discurso jornalístico (1930-1933). In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação, 2011, Vitória. Anais VI Congresso Brasileiro de História da Educação, 2011.

FERREIRA, Rosângela Veiga Júlio. ROCHA, Marlos Bessa Mendes da. A obra educacional de Cecília Meireles: um compromisso com a infância. Acta Scientiarum. Education Maringá, v. 32, n. 1, p. 93-103, 2010.

FIEDLER, Jeannine; FEIERABEND, Peter. Bauhaus. Trad. Mariona Gratacòs i Grau e Merit Xell Tena Ripolès. Barcelona, Espanha: H.F. Ullmann, 2006.

JÚNIOR; Marcílio Souza; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História das disciplinas escolares e história da educação: algumas reflexões. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 391- 408, set./dez., 2005.

KANDINSKY, Wassily. A Arte Concreta. In: CHIPP, Herschel B. [com a colaboração de Peter Selz e Joshua C. Taylor]. Trad. Waltensir Dutra et al. Teorias da arte moderna. 2.ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996. p. 351-353.

________. Curso da Bauhaus. Lisboa: Edições 70, 2009. (Grandes artistas).

KLEE, Paul. Credo Criativo In: CHIPP, Herschel B. [com a colaboração de Peter Selz e Joshua C. Taylor]. Trad. Waltensir Dutra et al. Teorias da arte moderna. 2.ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996. p. 183-188.

________. Sobre a arte moderna e outros ensaios. Prefácio e notas, Günter Rangel; tradução, Pedro Süssekind; revisão técnica, Cecilia Cotrim. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2001.

LAGÔA, Maria Beatriz da Rocha. O avesso do visível – poética de Paul Klee. ALEA Volume 8, Número 1, Janeiro - Junho de 2006.

LAZZARO, G. Di San. Paul Klee. Lisboa: Verbo, 1972.

LE DESSIN AU service de l'éducation. In : OCLC WordCat. Disponível em https://www.worldcat.org/title/dessin-au-service-de-leducation/oclc/715967282/editions?referer=di&editionsView=true. Acesso em 22 de ago. 2016.

LOURDIN, Mathieu. Documentation sur l’histoire et l'évolution des écoles d’art à Genève, 2012. Disponível em https://www.hesge.ch/head/lecole/qui-sommes-nous. Acesso em 23 de dez. de 2019.

LOURENÇO FILHO, Manuel Bergstrom. Introdução ao estudo da Escola Nova: bases, sistemas e diretrizes da pedagogia contemporânea. 14. Ed., Rio de Janeiro: EdUERJ: Conselho Federal de Psicologia, 2002.

LURKER, Manfred. Dicionário de simbologia. Tradução Mario Krauss, Vera Barkow. - 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MAIA, Nertan Dias Silva. A trajetória de Jean Pierre Chabloz na constituição do meio artístico da cidade de Fortaleza no âmbito das artes visuais. 2012. 148f. Dissertação (Mestrado em educação) - Universidade Estadual do Ceará, Centro de Educação, Fortaleza.

MEIRELES, Cecília. A criação dos jogos educativos brasileiros e o seu valor no futuro da nossa educação - Uma pedagogista (Especial para a “Pagina de Educação”). Diario de Noticias, Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1931, p. 7.

________. Desenho, modelagem e jogos educativos. A décima terceira lição do curso de aperfeiçoamento de mme. Artus-Perrelet - Cecília Meireles (Exclusividade da “Pagina de Educação”). Diario de Noticias, Rio de Janeiro, 26 de abril de 1931, p. 6.

________. O emblema da Escola de Aperfeiçoamento, de Belo Horizonte - (De uma observadora pedagógica). Diario de Noticias, Rio de Janeiro, 9 de janeiro de 1931, p. 7.

________. Uma visão poética do ensino - As linhas geométricas no conceito de mme. Artus-Perrelet. Diario de Noticias, Rio de Janeiro, 2 de dezembro de 1930, p. 7.

MEYLAN, Jean-Louis. La formation des artistes et ses enjeux : le cas de Genève, de l'école de dessin à l’école supérieure d’art visuel, 1704-1980. Saint-Denis, France : Éditions Connaissances et Savoirs, 2016.

MIGUEL, Jair Diniz. Arte, Ensino, Utopia e Revolução - Os Ateliês Artísticos Vkhutemas/Vkhutein (Rússia/URSS 1929-1930), 2006. ) (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

MORAES, Ana Carolina Albuquerque de. Rumo à Amazônia, Terra da Fartura: Jean-Pierre Chabloz e os cartazes concebidos para o serviço especial de mobilização de trabalhadores para a Amazônia, 2012. 353 f. (Dissertação de Mestrado em Artes Visuais), Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

NEIVA, Ismael Krisna de Andrade. Educação estética na Revista do Ensino (1925-1940). VII Congresso Brasileiro de História da Educação - CBHE7, 2013, Cuiabá. In: Anais do VII Congresso Brasileiro de História da Educação - CBHE7, 2013.

________. Educação musical escolar: O canto orfeônico na Escola Normal de Belo Horizonte (1934-1971), 2008. 192 f. (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

NOBRE, Jaderson Gonçalves. A educação estética de Schiller: da fragmentação à integralidade. In: Revista Lampejo, nº 9 - 1º semestre de 2016. pp. 02-11.

PEREIRA, Denise Perdigão. Que arte entra nas escolas através dos currículos? Entre o utilitarismo e a possibilidade de emancipação humana pela arte, nos Programas de 1928 e 1941, na Escola Nova em Minas Gerais. 2006. 158 f.. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

PERROT, Michelle. Histoire des femmes et féminisme, Journal français de psychiatrie 2011/1 (n° 40), p. 6-9. DOI 10.3917/jfp.040.0006.

SCHILLER, Friedrich Von. A Educação Estética do Homem. São Paulo: Iluminuras, 1995.

SIMIONI, Ana Paula. Profissão Artista: pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: FAPESP, 2008.

SUZUKI, Márcio. O belo como imperativo. In: SCHILLER, Friedrich von. A Educação Estética do Homem. São Paulo : Iluminuras, 1995. (pp. 11-19).

TABORDA DE OLIVEIRA, Marcus Aurélio & BELTRAN, Cláudia Ximena Herrera. Uma educação para a sensibilidade: circulação de novos saberes sobre a educação do corpo no começo do século XX na Ibero-América. In: Rev. bras. hist. educ., Campinas-SP, v. 13, n. 2 (32), pp. 15-43. maio/ago. 2013.

TABORDA DE OLIVEIRA, Marcus Aurélio. Natureza e Educação dos Sentidos: forjando novas sensibilidades no âmbito da educação para todos (Brasil e Espanha, finais do Séc. XIX e início do Séc. XX). In: Licere, Belo Horizonte, v.15, (3), pp. 1-35, set. 2012.

WERNER, Michael; ZIMMERMANN, Bénédicte. De la comparaison à l’histoire croisée. Paris: Seuil, 2004.

WICK, Rainer. Pedagogia da Bauhaus. Trad. João Azenha Jr. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Downloads

Publicado

2020-11-29

Como Citar

ALMEIDA, M. O.; VENEROSO, M. do C. de F.; CAMPOS, R. H. de F. . Circulação, recepção e apropriação do método de ensino do desenho de Louise Artus-Perrelet: educação estética e modernismo na formação de professores primários no início do século XX. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 10, n. 20, p. 181–215, 2020. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.20508. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/20508. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática