As contradições da política de (contra)reforma agrária no Vale do São Francisco: o caso do “Projeto de Assentamento – PA Catalunha” (1988-1998)

  • Franciel Coelho Luz de Amorim
Palavras-chave: Latifúndio, contrarreforma agrária, contradições

Resumo

A presente pesquisa objetiva identificar as principais contradições da política oficial de reforma agrária, assim como seus consequentes impactos econômico-sociais para a classe camponesa da região do Vale do São Francisco. Para tanto, partimos de um estudo nos aspectos referentes à estrutura fundiária e a organização de produção do latifúndio até o processo de conformação da comunidade de reforma agrária (1988-1998). Assim, o Projeto de Assentamento, aplicado como promessa de reparto da terra aos camponeses, desenvolveu-se como uma manobra latifundiária, alavancada pela base jurídico-administrativo do Estado, tendo como objetivo principal a capitalização da grande propriedade e de toda a estrutura nela montada. Concluiu-se que este modelo de reforma agrária, além de ser um instrumento à capitalizar os latifundiários, constitui-se como mecanismo de reprodução e evolução das contradições da questão agrária e camponesa.

Biografia do Autor

Franciel Coelho Luz de Amorim
Mestrando em Educação, Universidade de Pernambuco (Campus Petrolina), Brasil

Referências

AMORIM, F. C. L.; ALMEIDA, M. D. A. Política de reforma agrária no Vale do São Francisco: Semifeudalidade e capitalismo burocrático no campo. In: SOUZA, R. A. D. Dinâmicas da natureza e desigualdades socioespaciais: leituras para debate. Recife: EDUPE, 2016. pp. 78-108.

______. A política de capitalização latifundiária da reforma agrária no Vale do Rio São Francisco: um estudo no projeto de assentamento Catalunha (PE, Brasil, 1980-1998). Rev. Hist. UEG - Anápolis, v.4, n.1, p. 83-97, jan./jun. 2015.

ANDRADE, Manuel Correia de. Tradição e mudança: a organização do espaço rural e urbano na área de irrigação do Submédio São Francisco. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Audiência Pública n. 0209/99. Comissão de Agricultura e Política Rural. Discussão sobre a atuação da SUDENE e do Banco do Nordeste em relação à Região Nordeste do País, 28 de abr. 1999.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Lei N° 8.629. Brasília, Subchefia para Assuntos Jurídicos, 1993.

BRASIL. SENADO FEDERAL. Constituição da República federativa do Brasil, Texto Promulgado em 05 de outubro de 1988.

BLOCH, Didier. As frutas amargas do velho Chico: irrigação e desenvolvimento no vale do São Francisco. São Paulo: Livros da Terra. 1996.

CHILCOTE, R. H. Transição capitalista e a classe dominante no Nordeste. São Paulo: Edusp, 1990.

ENGELS, F. El problema campesino en Francia y en Alemania. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Obras escogidas de Marx y Engels en dos tomos. Moscú: Progreso, tomo II, 1978.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA – INCRA. Superintendência Regional de Petrolina/PE – SR (03). Plano Preliminar – Projeto Assentamento Catalunha. Recife, 14 de dez. de 1998.

______. Superintendência Regional em Pernambuco. Sr. Superintendente do INCRA. Petrolina, 14 de dez. 1998. [Relatório que trata da]: 1. Viabilidade econômica; 2. Assistência Técnica; 3. Organização social.

______. Aspectos Jurídicos do Imóvel no Processo de Obtenção dos Projetos de Reforma Agrária. Superintendência Regional de Petrolina/PE. Petrolina, 24 out. 2012.

JORNAL DO COMMERCIO. Sem-terra ocupam sede da Fazenda Catalunha. Recife, 11 mar. 1998.

LÊNIN, V. I. En Torno a la cuestión de la dialéctica. In: ______. Obras escogidas - tomo IV (1914-1915). Progresso: Moscú, 1973.

LENINE, V. I. O imperialismo: fase superior do capitalismo. São Paulo: Centauro, 2000.

LEVY, Clayton. Inovação marca nascimento da FEA. Jornal da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas, abr. 2006.

LINHARES, M. Y. História agrária. In: CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia, Rio de Janeiro, Campus, 1997.

LOPES, Esmeraldo. Opara: formação histórica e social do Submédio São Francisco. Petrolina: Franciscana, 1997.

MARX, K; ENGELS, F. Génesis de la renta capitalista del suelo. In: ______. El Capital – Libro 3. México: Fondo de Cultura Económica, 1978.

MARTÍN MARTÍN, V. O. Teoria e prática das guerras camponesas no marxismo do século XXI. In: V COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS, Centro de Estudos Marxistas do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, Campinas, 2007.

______. O. La semifeudalidad y el atraso de España: el ejemplo del sur. Madrid: Catarata, 2007.

______. El papel del campesinado en la transformación del mundo actual. Málaga: Baladre/Zambra, 2007.

MENEZES, J.; CUNHA, L. N. Um assentamento de R$ 16 milhões. Jornal do Commercio, Recife, 11 mar. 1998. Disponível em: http://www2.uol.com.br/JC/_1998/1103/rg1103l.htm. Acesso em: 22 jan. 2015.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Ação Civil Pública c/c Ação Civil por Ato de Improbidade Administrativa, Procuradoria da República em Petrolina. Petrolina, 19 abr. 2005.

OAS. Quem somos. Disponível em: http://www.oas.com.br/oas-com/oas-s-a/quem-somos/quem-somos.htm Acesso em: 20 de mar. 2015.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Diário Oficial da União – DOU. Decreto nº 118 de 23 de junho de 1998. Poder Executivo, Brasília, DF, 24 de jun. 1998.

SOUSA, M. M. Imperialismo e Educação do campo. Araraquara: Cultura Acadêmica, 2014.

SOUSA, R. M. O capitalismo burocrático e a pequena produção camponesa em Santa Maria da Boa Vista: um estudo de caso do assentamento Catalunha. 2014. 61 f. Monografia (Graduação em História) – Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE, 2014.

TSETUNG, M. Notas del presidente Mao sobre capitalismo burocrático. Lima: Ediciones Alborada, 2008.

VILLAZÁN, L. S. La cuestión agraria en el Estado español: la pervivencia de la semifeudalidad en la Sierra Norte de Sevilla (1939-1959). Málaga: Baladre/Zambra, 2014.
Publicado
2017-01-31