A ferramenta “inserção de comentários” a serviço do professor de língua portuguesa

Autores

  • Raquel Tiemi Masuda Mareco Universidade Estadual de Maringá
  • Gelise Alfena Universidade do Oeste Paulista

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.6.1.108-120

Palavras-chave:

Tecnologia. Educação. Linguística Textual. Mudança. Word.

Resumo

O avanço da tecnologia tem provocado mudanças consideráveis na sociedade e no perfil de nossos alunos nesses últimos anos (acesso à informação, modos de interação e comunicação, entre outros). Consequentemente, essas mudanças fazem com que haja grande necessidade de também se buscar alternativas nas metodologias utilizadas em sala de aula, a fim de que o aluno deixe de ser mero receptor de informações e passe a atuar como protagonista dentro do processo educacional. Dessa forma, o computador pode instituir-secomo um recurso auxiliar do professor, pois ele possibilita ao aluno construir seu próprio conhecimento, de forma mais autônoma, para que atue no mundo e com o mundo. A partir dessas considerações, procuramos, neste trabalho, promover uma atividade diferenciada com alunos do 5º período do curso de Letras de uma instituição particular, utilizando a ferramenta “inserção de comentários”, disponível no editor de textos Word, com o objetivo de que esses graduandos pudessem refletir acerca dos aspectos de coesão e coerência necessários para que um texto apresente unidade, ou seja, textualidade. No final do processo, esses alunos redigiram um texto dissertativo-argumentativo expondo os principais requisitos necessários para que um texto possa ser considerado bem escrito, por assim dizer, de excelência. Com isso, constatamos que o processador de textos auxilia sobremaneira no processo de correção textual, porém, muitos discentes trazem arraigadas na sua prática a relação entre correção gramatical e correção textual como sinônimos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Tiemi Masuda Mareco, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Maringá.

Gelise Alfena, Universidade do Oeste Paulista

Mestre em linguística pela Universidade Estadual Paulista. Docente do curso de graduação em Letras da Universidade do Oeste Paulista.

Referências

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. Tradução de Roneide Venancio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, M. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

D’AMBROSIO, U. Da Realidade à Ação: Reflexões sobre Educação e Matemática. São Paulo: Summus, 1986.

FREIRE, M. M. Formação tecnológica de professores: problematizando, refletindo, buscando... In: SOTO, U.; MAYRINK, M. F.; GREGOLIN, I. V. (Org.). Linguagem, educação e virtualidade. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. p. 13-28.

KOCH, I; TRAVAGLIA, L.C. Texto e Coerência. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1997.

KOCH, I. A Coesão Textual. 19 ed. São Paulo: Contexto, 2004.

LEFFA, V. J. Fatores da compreensão na leitura. Cadernos do IL (UFRGS), Porto Alegre, v. 15, n. 15, p. 143-159, 1996.

JOLY, M. C. R. A. (Org.). A Tecnologia no Ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo : EPU, 1986.

MARCUSCHI, L. M. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 1991.

MILL, D. Educação virtual e virtualidade digital: trabalho pedagógico na educação a distância na idade mídia. In: SOTO, U.; MAYRINK, M. F.; GREGOLIN, I. V. (Org.). Linguagem, educação e virtualidade. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. p. 29-52.

MOREIRA, M.A. Aprendizagem significativa: um conceito subjacente. Actas Encuentro Internacional sobre el aprendizaje significativo. Burgos. Espanha, 1997. p. 17-44.

PAPERT, Seymourt. Computadores e Culturas do Computador. In: PAPERT, Seymourt. LOGO: computadores e educação. Tradução de Tradução de José Armando Valente, Beatriz Bitelman e Afira Vianna Ripper. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 35-57.

PAPERT, Seymourt. LOGO: computadores e educação. Tradução de Tradução de José Armando Valente, Beatriz Bitelman e Afira Vianna Ripper. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PIAGET, J. A Equilibração das Estruturas Cognitivas. Tradução de Marion Penna. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

POZO, J.I. Teorias Cognitivas de Aprendizagem. Tradução de Juan Acuña Llorens. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SCHMIDT, S. J. Texttheorie, Probleme der Sprachlichen Komnunikation. Munique: Fink, 1973.

OTO, U.; MAYRINK, M. F.; GREGOLIN, I. V. (Org.). Linguagem, educação e virtualidade. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

TUNES, E. Implicações Pedagógicas do Modelo Sócio-histórico-cultural. São Paulo, Campinas: Unicamp, Centro de Estudos Educação e Sociedade, 2000.

VAL, M. da G. da C. Redação e Textualidade. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

VALENTE, J. A. Análise dos Diferentes Tipos de Software Usados na Educação. In: VALENTE, J. A. (Org.) O Computador na Sociedade do Conhecimento. Campinas: Unicamp/Nied, 1999. p. 89-110.

________. A espiral da aprendizagem e as Tecnologias de Informação e Comunicação: repensando conceitos. In: JOLY, M. C. R. A. (Org.). A Tecnologia no Ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p 15-37.

________. (Org.). Formação de educadores para o uso da informática na escola. Campinas, SP: Unicamp/Nied, 2003.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fonte, 1991.

WALLON, H. As origens do Pensamento na Criança. São Paulo: Manole, 1989.

Downloads

Publicado

2013-06-10

Como Citar

MARECO, R. T. M.; ALFENA, G. A ferramenta “inserção de comentários” a serviço do professor de língua portuguesa. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 6, n. 1, p. 108–120, 2013. DOI: 10.17851/1983-3652.6.1.108-120. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16633. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia