Elaboração de um glossário de tradução utilizando software livre: um estudo de viabilidade a partir de textos-fonte em japonês

Autores

  • Stephen Crabbe Universidade de Portsmouth (Reino Unido)
  • David Heath Universidade de Kanto Gakuin (Japão)
  • Carolina Barcellos (tradutora) Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.11.1.154-171

Palavras-chave:

criação de glossário da tradução, texto em japonês, concordanciadores, segmentação de texto, AntConc 3.2.4, ChaSen 2.1

Resumo

RESUMO: Neste artigo, nós (a) explicamos como os tradutores podem se beneficiar com a criação de seus próprios glossários; e (b) avaliamos a facilidade com que um glossário de tradução pode ser criado a partir de texto-fonte em japonês usando software gratuito. Como mostra nosso estudo, um grande obstáculo decorre do fato de que o texto em japonês não inclui espaços, devendo ser segmentado, ou seja, dividido em “pedaços utilizáveis” (FAHEY, 2016), antes que um concordanciador (no nosso caso, AntConc 3.2.4) possa ser empregado para analisar esse texto e criar um glossário. Segmentamos nosso texto em japonês usando um software (ChaSen 2.1) projetado para esse fim. O resultado dessa operação foi problemático, o que nos obrigou a desenvolver soluções trabalhosas e demoradas. Nosso glossário (ver Apêndice 1) é adequado ao propósito que motivou a sua elaboração, mas as dificuldades enfrentadas no processo de criação colocam à prova a viabilidade do uso de softwares livres para criar glossários de tradução a partir de textos escritos em japonês.
PALAVRAS-CHAVE: criação de glossário da tradução; texto em japonês; concordanciadores; segmentação de texto; AntConc 3.2.4; ChaSen 2.1.


ABSTRACT: In this paper, we (a) explain how translators can benefit from creating their own glossaries; and (b) evaluate how easily a translation glossary can be created from Japanese source text using free software applications. As our study shows, a major hurdle arises from the fact that Japanese text does not include spaces; it must be segmented, i.e., broken into “usable chunks” (Fahey, 2016), before a concordancer (in our case, AntConc 3.2.4) can be used to analyze it for glossary creation. We segmented our Japanese text using an application (ChaSen 2.1) designed for this purpose. This application’s output was problematic, forcing us to devise workarounds that became labour-intensive and time-consuming. Our completed glossary (shown in Appendix 1) is fit for purpose, but the complications in the process of creating it call into question the feasibility of using free software to make translation glossaries from text written in Japanese.
KEYWORDS: translation glossary creation; Japanese text; concordancers; text segmentation; AntConc 3.2.4; ChaSen 2.1.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Barcellos (tradutora), Universidade de Brasília

Professora adjunta do Departamento de Letras Estrangeiras e Tradução, Instituto de Letras, da Universidade de Brasília. Doutora e mestre em Estudos Linguísticos, linha dos Estudos da Tradução, pela Universidade Federal de Minas Gerais. Licenciada em Letras pela Universidade Federal de Pelotas. Interesses de pesquisa compreendem os Estudos da Tradução baseados em Corpus, especificamente em sua interface com os estudos de estilística, tradução literária e teoria da avaliatividade.

Referências

ANTHONY, L. AntConc (Version 3.2.4) [Programa de computador]. Tóquio, Japão: Waseda University, 2014. Disponível em: http://www.laurenceanthony.net/. Acesso em: 13 mar. 2017.

ANTHONY, L. AntConc (Version 3.4.4) [Programa de computador]. Tóquio, Japão: Waseda University, 2016. Disponível em: http://www.laurenceanthony.net/. Acesso em: 13 mar. 2017.

ANTHONY, L. SegmentAnt (Version 1.1.2) [Programa de computador]. Tóquio, Japão: Waseda University, 2017. Disponível em: http://www.laurenceanthony.net/. Acesso em: 13 mar. 2017.

BAKER, M. In other words. Abingdon, UK: Routledge. 1992. BOWKER, L.; PEARSON, J. Working with specialized language: a practical guide to using corpora. London, UK: Routledge, 2002.

BREEN, J. Identification of neologisms in Japanese by corpus analysis. In: S. Granger, & M. Paquot (Eds.), Proceedings of eLex 2009: eLexicography in the 21st century: new challenges, new applications (p. 13- 22). Louvain, Bélgica: Presses Universitaires de Louvain, 2010.

EUROPEAN GRADUATE PLACEMENT SCHEME. (s.d.). Occupational standards for European postgraduate translation students on work placement. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2017.

FAHEY, R. Japanese text analysis in Python, 2016. Disponível em: http://www.robfahey.co.uk/blog/japanese-text-analysis-in-python. Acesso em: 19 ago. 2017.

GOODSELL, D.L. Damping. In: Dictionary of Automotive Engineering. (p. 57). Warrendale, PA: Society of Automotive Engineers, 1995.

INTEGRO LANGUAGES. 4 reasons why glossary creation before translation is so important, 2017. Disponível em: http://www.integrolanguages.com/4-reasons-why-glossary-creation-before-translation-is-so-important. Acesso em: 13/10/2017.

JAPAN TRANSLATION FEDERATION. 翻 訳するのがプロの原則です」 で 失 敗しないために翻訳発注の手引き し な いファミリーフェイスを採用しました。」 た め に翻訳するのがプロの原則です」 翻 訳するのがプロの原則です」 発 注の手引き の文書を母 手 引き き [Tradução literal. For not getting it wrong with translation: a guide to ordering translation], 2012. Disponível em: http://www.jtf.jp/pdf/translation_order.Pdf. Acesso em: 01 ago. 2017.

KRISHNAMURTHY, R. The corpus revolution in EFL dictionaries. Kernerman Dictionary News. Pp. 23-27, Julho, 2002.

LANDAU, S. Dictionaries: the art and craft of lexicography. (2a. ed.) Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2001.

LIONBRIDGE. How to create a translation style guide and terminology glossary. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2017.

MATSUDA, H. ChaSen (2.1) [Programa de computador]. Nara, Japan: Nara Institute of Science and Technology, 2000. Disponível em: https://ja.osdn.net/projects/chasen-legacy/releases/27515. Acesso em: 13 mar. 2017.

MUEGGE, U. 10 things you should know about automatic terminology extraction, 2013. Disponível em: http://linguagreca.com/blog/2013/09/automatic-terminology-extraction. Acesso em: 01 ago. 2017.

SENMON YŌGO KĪWĀDO JIDŌ CHŪSHUTSU SĀBISU GENSEN WEB [Serviço on-line de extração automatic de terminologia/palavras-chaves]. (s.d.). Disponível em: http://gensen.dl.itc.u-tokyo.ac.jp/gensenweb.html. Acesso em: 20 jul 2017.

STITT, R. The essentials of consistent terminology in academic and professional translation, 2016. Disponível em: https://www.ulatus.com/translation-blog/the-essentials-of-consistent-terminology-in-academic-and-professional-translation. Acesso em: 19 jul 2017.

STORJOHANN, P. Lexico-semantic relations in theory and practice. In: P. Storjohann (Ed.), Lexical-semantic relations: theoretical and practical perspectives. (pp. 5-13). Amsterdã, Holanda: John Benjamins Publishing, 2010.

TAKEUCHI, K.; KAGEURA, K.; KOYAMA, T.; DAILLE, B.; ROMARY, L. Pattern based term extraction using ACABIT system. Language Processing, 10(4), 2003. Disponível em: https://arxiv.org/ftp/arxiv/papers/0907/0907.2452.pdf. Acesso em: 18/07/2017.

THE COLLINS CORPUS, 2016. Disponível em: https://collins.co.uk/page/The+Collins%20+Corpus. Acesso em: 15 ago. 2017.

WINCHESTER, S. The meaning of everything: the story of the Oxford English Dictionary. Oxford, UK: Oxford University Press, 2004.

Downloads

Publicado

30-06-2018

Como Citar

CRABBE, S.; HEATH, D.; BARCELLOS (TRADUTORA), C. Elaboração de um glossário de tradução utilizando software livre: um estudo de viabilidade a partir de textos-fonte em japonês . Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 11, n. 1, p. 154–171, 2018. DOI: 10.17851/1983-3652.11.1.154-171. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16787. Acesso em: 23 fev. 2024.