A FORMAÇÃO INTEGRAL NO ENSINO MÉDIO (DES)INTEGRADO NO BRASIL

A INDISSOCIÁVEL RELAÇÃO ENTRE TRABALHO E EDUCAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.26901

Palavras-chave:

Formação integral, Ensino médio integrado, Emancipação humana

Resumo

Educar por meio de uma proposta integral de educação ou privilegiar a lógica empresarial? Este artigo pretende avaliar a última proposta do Ensino Médio Integrado brasileiro, ao tomar como base os documentos oficiais elaborados pelo Ministério da educação - MEC, a partir de 2007. Objetivamos, portanto, analisar as concepções da lógica empresarial presente na proposta de formação integral do Ensino Médio no contexto do capitalismo em crise. Nessa direção, a presente pesquisa, de cunho bibliográfico e documental, se fundamenta no método materialista, histórico e dialético. Em linhas gerais, destacamos que o conceito de formação integral presentes nos documentos fortalece o ideário de uma pedagogia das competências, imbuída pelo nexo economicista, empresarial, instrumentalista e pragmático de uma educação voltada para atender às demandas do mercado competitivo neoliberal. Na contramão, defendemos uma perspectiva educacional em direção à emancipação humana, de formação integral crítica e transformadora em prol da classe trabalhadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Pereira de Morais, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE (UECE); Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE (UFC); Professora da rede pública municipal de Fortaleza.

Soraia Colaço, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutoranda em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Mestra em Educação e Ensino pelo Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino (MAIE), da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Maria das Dores Mendes Segundo, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Pós-Doutora pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).  Professora do Mestrado Acadêmico Intercampi e Educação e Ensino (MAIE) e Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professora Colaboradora do PPGE/UFC.

Valdemarin Coelho Gomes, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2010). Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará (Departamento de Fundamentos da Educação / Programa de Pós-Graduação em Educação).

Referências

ANDES. Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. Programa Future-se representa a extinção da Educação Federal Pública. Brasília - DF, 28 de out., 2019. Disponível em: https://www.andes.org.br/conteudos/noticia/entidades-do-setor-da-educacao-programa-future-se-representa-a-extincao-da-educacao-federal-publica1. Acesso em: 11 out. 2020.

AUTORA. O Banco Mundial e suas implicações na política de financiamento da educação básica no Brasil: o FUNDEF no centro do debate. 2005. 234f. Tese (Doutorado em Pedagogia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

BRASIL, Base Nacional Comum Curricular. Ensino Médio. Brasília: MEC. Versão entregue ao CNE em 03 de abril de 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 11 out. 2020.

BRASIL, Resolução CNE/CEB nº 6/2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 21 de setembro de 2012, Seção 1, p. 22.

BRASIL. Educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio. Documento base. Secretaria de educação profissional e tecnológica. Ministério da Educação, Brasília, 2007.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Ditadura dos Empreiteiros: as empresas nacionais de construção pesada, suas formas associativas e o Estado ditatorial brasileiro, 1964-1985. Tese (Doutorado em História social). Universidade Federal Fluminense, 2012, 584f.

CIAVATTA, Maria. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In. Ensino Médio Integrado: concepção e contradições: São Paulo: Cortez, 2005.

DIEESE, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. PEC 6/2019: como ficou a Previdência depois da aprovação da reforma no Senado Federal. Nota técnica. São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.dieese.org.br/notatecnica/2019/notaTec214ReformaPrevidenciaAprovada.pdf. Acesso em: 11 out. 2020.

DUARTE, Newton. As pedagogias do aprender a aprender e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.18, p. 35-40, set. 2001.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria e RAMOS, Marise. Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez Editora, 2005.

LIMA, Kátia. O desafio educacional brasileiro e ofensiva ultraconservadora do capital. In. Educação Superior na América Latina. Revista Universidade e Sociedade. Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN - Ano XXIX - Edição Especial América Latina, out. 2019, 2019.

LUKÁCS, Gyorgy. Para uma ontologia do ser social I. Tradução Carlos Nelson Coutinho, Mario Duayer, Nélio Schneider. 2. Ed, São Paulo: Boitempo, 2018.

KUENZER, Acácia. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. 2ª ed. São Paulo: Cortez editora, 2000.

MACHADO, Lucília. Politecnia, Escola Unitária e Trabalho. 2ª ed. São Paulo: Cortez editora. 1991.

MAIA FILHO et al. O princípio da contextualização na reforma do ensino médio no Brasil: em busca de uma leitura ontológica. Revista Educação Unisinos. V. 22; p. 185-193, abr. jun., 2018.

MAIA FILHO, Osterne; JIMENEZ, Susana. A chave do saber: um exame crítico do novo paradigma educacional concebido pela ONU. In.: Trabalho, Educação e Luta de Classes. JIMENEZ; RABELO (orgs.). Brasil Tropical. Fortaleza, 2004. p. 105- 124.

MANACORDA, Mario Alighiera. Marx e a Pedagogia Moderna. Campinas: Alínea, 2010.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília, MEC, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 06 mai. 2020.

MARINHO, Sandra. Para onde aponta a política educacional do governo Lula? - Elementos para uma análise do programa nacional de qualificação social e profissional. In: JIMENEZ, Susana. V.; RABELO, Jackline (Orgs.). Trabalho, educação e luta de classe: a pesquisa em defesa da história. Fortaleza: Brasil Tropical, 2003.

MARX, Karl. A Comuna de Paris. São João Del Rei, Estudos Vermelhos, 2011.

MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. 2 ed. Tradução: Leandro Konder. Editora Martin Claret, São Paulo, 2008.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2 ed. São Paulo, Boitempo, 2008.

MÉSZÁROS, István. A Crise Estrutural do Capital. In. Revista Outubro. N. 4, São Paulo: Instituto de Estudos Socialistas, 1998.

MORATO, Aline Nomeriano. O modelo da competência e a educação do trabalhador: uma análise à luz da ontologia marxiana. 126f. Dissertação (mestrado em educação). Universidade Federal de Alagoas. Maceió, 2005.

NETTO, João Paulo. Introdução ao estudo do método de Marx. 1ª ed. Expressão Popular. São Paulo, 2011.

NOSELLA, Paolo. Ensino Médio unitário ou multiforme? Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro. v. 20, n. 60, p. 121-142, mar. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782015000100121&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 06 mai. 2020.

PEREIRA, George Amaral. Formação de professores para a educação profissionalizante no Estado do Ceará: crítica à pedagogia do empreendedorismo. Dissertação. (Mestrado acadêmico Intercampi em educação e ensino), UECE, Limoeiro, 2015.

RAMOS, Marise Nogueira. Concepção do ensino médio integrado. In: Seminário Sobre Ensino Médio, 2008. Secretaria de Educação do Pará. 08-09 maio 2008. Disponível em: http://forumeja.org.br/go/sites/forumeja.org.br.go/files/concepcao_do_ensino_medio_integrado5.pdf. Acesso em: 21 ago. 2020.

RAMOS, Marise Nogueira. Possibilidades e desafios na organização do currículo integrado. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (orgs.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Editora Cortez, 2005.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil (1930/1973). 17ª ed. Petrópolis: Cortez, 1995.

SANTOS, Deribaldo. Educação e precarização profissionalizante: crítica à integração da escola com o mercado. São Paulo. Instituto Lukács, 2017.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007. 473p.

SILVA, Maria Aline. Educação profissionalizante, Movimento de Educação para Todos, Decretos nº 2.208/97 e nº 5.154/04: as coincidências esperadas. Dissertação (mestrado acadêmico). Centro de educação. PPGE -UECE, Fortaleza, 2016.

TONET, Ivo. Atividades educativas emancipadoras. In: Práxis Educativa, v. 9, n. 1, 2014.

TONET, Ivo. Educação, cidadania e emancipação humana. Rio Grande do Sul: Unijuí, 2005.

Downloads

Publicado

2021-05-19

Como Citar

MORAIS, R. P. de; COLAÇO, S. .; SEGUNDO, M. das D. M. .; GOMES, V. C. A FORMAÇÃO INTEGRAL NO ENSINO MÉDIO (DES)INTEGRADO NO BRASIL: A INDISSOCIÁVEL RELAÇÃO ENTRE TRABALHO E EDUCAÇÃO. Trabalho & Educação, [S. l.], v. 30, n. 1, p. 117–129, 2021. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.26901. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/26901. Acesso em: 15 jun. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS